• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

45 milhões de trabalhadores aderiram à greve geral. Confira o que parou

Segundo estimativa das centrais sindicais, anunciada em entrevista coletiva nesta manhã, 45 milhões de trabalhadores foram envolvidos na greve geral. Atos estão programados para o final da tarde

Publicado: 14 Junho, 2019 - 11h14 | Última modificação: 14 Junho, 2019 - 19h46

Escrito por: Tatiana Melim, Marize Muniz e Érica Aragão

Em Brasília, os rodoviários aderiram à greve geral contra a reforma da Previdência
notice

Em todas as capitais, no Distrito Federal e em mais de 300 cidades brasileiras, trabalhadores e trabalhadoras protestam contra a reforma da Previdência de Jair Bolsonaro (PSL) desde as primeiras horas da manhã desta sexta-feira (14), dia da greve geral pela aposentadoria, por mais empregos e contra os cortes na educação. Até o momento, aproximadamente 45 milhões de trabalhadores e trabalhadoras foram envolvidos na greve geral, segundo balanço divulgado pelas centrais sindicais.

No início da manhã, motoristas e cobradores de ônibus e trabalhadores dos metrôs de várias capitais cruzaram os braços. Em São Paulo, parte das linhas de ônibus, trens e várias estações do Metrô estão paradas, especialmente nas Zonas Norte e Leste da capital paulista. Confira aqui onde parou o transporte no Brasil.

Em capitais de estados como Ceará (Fortaleza) e Pernambuco (Recife) e no Distrito Federal (Brasília), ônibus e metrôs pararam. Em capitais como João Pessoa, Curitiba, Maceió, Rio de Janeiro e Salvador, protestos bloquearam vias da cidade e saídas dos ônibus das garagens.

No ABC paulista, 98% das fábricas do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC estão fechadas, 65 mil trabalhadores cruzaram os braços contra o fim da aposentadoria e por mais empregos. No início da madrugada, o presidente da CUT, Vagner Freitas, e o Secretário-Geral, Sérgio Nobre, estiveram com os trabalhadores da Volks, em São Bernardo do Campo.

Em praticamente todo o país, as agências bancárias amanheceram fechadas. Em São Paulo, principal centro financeiro do país, os bancos não abriram. Trabalhadores e trabalhadoras da educação também aderiram massivamente à greve geral. Escolas públicas e particulares, universidades e institutos técnicos permaneceram fechados nesta sexta-feira. Confira aqui como foi a mobilização da educação em todo país.

Os servidores públicos municipais de todo país também pararam as unidades de trabalho e engrossaram as manifestações da classe trabalhadora convocadas pela CUT e centrais sindicais em defesa da Previdência e empregos.

Confira o que está acontecendo nos estados:

No Acre, trabalhadores, estudantes e sindicalistas protestaram fazendo bloqueios em frente a pelo menos uma garagem de ônibus da capital Rio Branco. Também houve paralisação de pelo menos duas horas nas agências da Caixa e a unidade central do Bradesco ficou fechada após piquete dos manifestantes. Em Epitaciolândia, cidade fronteiriça com Cobija, na Bolívia, trabalhadores também paralisaram as atividades.

Ato em frente a garagem de ônibus, no Acre
Ato em Epitaciolândia, no Acre

No Amazonas, alunos e professores fecharam parcialmente a entrada da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). No Centro Histórico da capital, Manaus, bancários se reuniram às 7h na Praça da Polícia em um ato que contou também com os trabalhadores de refinarias da Petrobras. 

No Amapá, professores, técnicos administrativos e estudantes da universidade federal (Unifap) fizeram ato a partir das 9h, em Macapá, e as aulas foram suspensas. Em Macapá, capital do Amapá, extremo norte do Brasil, os trabalhadores tambpem protestaram na praça da Bandeira.

Sindsep-APSindsep-AP
Ato na Praça da Bandeira, em Macapá

Em Alagoas, rodoviários atrasaram o início da jornada em 2 horas na capital, Maceió. Teve também paralisação na porta do CEPA, maior complexo educacional de Alagoas, em Maceió, contra os cortes na educação e contra a reforma da Previdência. Em Arapiraca, no interior de Alagoas, o comércio parou.

Ato dos trabalhadores em frente ao CEPA, em Alagoas

Na Bahia, motoristas e cobradores pararam os ônibus e trens de Salvador, mas o metrô funcionou porque a Força Nacional foi para dentro dos trens fazer pressão. Na capital, teve manifestação na Rótula do Abacaxi nesta manhã, no sentido shopping da Bahia.

Em Ilhéus, Itabuna e Lauro de Freitas foram registrados atos de trabalhadores e trabalhadoras nesta manhã. A BR-101 foi bloqueada em Eunápolis, Itamaraju, Teixeira de Freitas e no Extremo sul da Bahia, no município de Mucuri.

Os trabalhadores também paralilsaram as atividades no Polo Petroquímico de Camaçari. Na Refinaria Landulfo Alves Mataripe, em São Francisco do Conde, na troca de turno dos petroleiros, os 12 micro-ônibus chegaram praticamente vazios.

Ônibus não saíram das garagens em Salvador
Brasil de FatoBrasil de Fato
População vai às ruas em Ilhéus, na Bahia
Ato em Itabuna, Bahia
CUT-BACUT-BA
BR-101, na Bahia, completamente parada

No Ceará, os transportes coletivos pararam no início da manhã e o presidente da CUT Ceará, Wil Pereira, participou de ato organizado pelos trabalhadores do Porto do Pecém, em São Gonçalo do Amarante. Os manifestantes cruzaram os braços em protesto contra a reforma da Previdência (PEC 06/2019). Em Juazeiro do Norte também teve protesto dos trabalhadores.

Na capital, em Fortaleza, 100 mil trabalhadores e trabalhadoras ocuparam as ruas em defesa da aposentadoria, da educação e por mais empregos.

Tarcisio Aquino Tarcisio Aquino
Ato em Fortaleza

Tarcisio Aquino Tarcisio Aquino

CUT-CECUT-CE
Ônibus parados na capital cearense

No Distrito Federal, motoristas, cobradores de ônibus, BRT e trabalhadores do Metrô pararam o transporte público de Brasília. Trabalhadores e trabalhadoras da educação, do serviço público, da iniciativa privada, terceirizados, de autarquias e empresas públicas também cruzaram os braços.

Rodrigo PilhaRodrigo Pilha
Capital federal parada na greve geral

Em Goiás, motoristas e cobradores atrasaram o início da jornada em protesto contra a reforma de Bolsonaro. Trabalhadores e trabalhadores das unidades básicas de saúde (UBS) de Góias também cruzaram os braços na #GreveGeral contra a reforma da Previdência. 

Na capital, em Goiânia, teve ato pelas ruas da cidade. Manifestação também foi registrada em Formosa, município que fica a 80 km da capital federal.

Ato em Goiânia, na capital
UBS fechada em Goiás
Em Formosa, trabalhadores ocuparam as ruas

No Maranhão, rodoviários do transporte coletivo paralisaram as atividades desde às 4h na capital, São Luís. Em Cururupu e Bacabal, os trabalhadores também parallisaram as atividades e foram às ruas protestar nesta sexta-feira, greve geral contra a reforma da Previdência, por educação e mais empregos.

Trabalhadores em Bacabal, no Maranhão
População sai às ruas em Cururupu, no Maranhão

No Mato Grosso, houve paralisação parcial dos transportes em Cuiabá e Várzea Grande. Os trabalhadores e trabalhadoras da educação também pararam as atividades em todo estado. Na capital, os trabalhadores e trabalhadoras ocuparam as ruas para protestar neste 14 de junho, greve geral contra a reforma da Previdência.

Ato em Cuiabá, no Mato Grosso

No Mato Grosso do Sul, motoristas e cobradores da capital, no Campo Grande, atrasaram o início da jornada de trabalho em protesto contra a reforma da Previdência e começaram a voltar a partir das 7h. Mais de 15 mil pessoas ocuparam a Praça do Radio Clube, em Campo Grande.

Sérgio Souza JúniorSérgio Souza Júnior
Ato em Mato Grosso do Sul

Em Minas Gerais, várias estações do Metrô amanheceram fechadas e foram realizados protestos em várias vias da capital, Belo Horizonte. Na Praça Afonso Arinos, teve manifestação dos trabalhadores e trabalhadoras, que saíram às ruas para protestar contra a reforma da Previdência, em defesa da educação e por mais empregos. Em Juiz de Fora, também teve paralisação e protestos de diversas categorias, como bancários, professores, servidores públicos de todas as esferas. 

Belo Horizonte ocupada
FotoStudiumFotoStudium
Ato na praça Afonso Arinos, em Belo Horizonte
Ato em Juiz de Fora, em Minas Gerais

No Pará, trabalhadores impediram a saída dos ônibus das garagens em protesto contra a reforma e contra decisão judicial que determinou que 90% dos veículos circulassem. Os bancários também paralisaram as agências do estado. Em São Felix do Xingu também teve protesto contra a reforma da Previdência e por mais empregos.

Bancos amanheceram fechados no Pará
Trabalhadores protestam em São Félix do Xingu, no Pará

No Paraná, em Curitiba, capital paranaense, algumas garagens de empresas de transporte coletivo amanheceram fechadas. Milhares de trabalhadores, trabalhadoras e estudantes ocuparam as ruas da capital em protesto contra a reforma da Previdência de Bolsonaro.

Em Londrina e em Maringá, onde teve repressão da polícia militar contra os trabalhadores, motoristas e cobradores aderiram em peso à greve geral. 

Em Cascavel, mais de 5 mil trabalhadores realizaram uma marcha pelo centro da cidade com gritos de ordem "a nossa luta é todo dia, educação não é mercadoria". #GreveGeral!

Já em Araucária, região Metropolitana de Curitiba, os trabalhadores e trabalhadoras foram violentamente atacados pela Guarda Municipal na rodovia federal BR 426 (do Xisto).

Leandro TaquesLeandro Taques
Milhares ocupam as ruas de Curitiba na #GreveGeral
Gibran MendesGibran Mendes
Ônibus não saíram das garangens em Curitiba
Ato em Maringá, no Paraná
Ato em Cascavel, no Paraná

Na Paraíba, trabalhadores foram as portas das garagens de ônibus no início da manhã fazer protestos e debates sobre a importância de parar pela aposentadoria. Na Universidade Federal de Campina Grande, também na Paraíba, um policial agridiu uma estudante que participava da greve e dos protestos na universidade.

 

Em Pernambuco, motoristas e cobradores de ônibus e do VLT de Recife estão parados e os trens funcionam parcialmente. Escolas públicas e agências do INSS também estão fechadas. Em cidades do interior, como Guaranhuns, foram registrados atos logo pela manhã, no dia da #grevegeral em defesa das aposentadorias, da educação e por mais empregos. 

Em Jaboatão dos Guararapes, os trabalhadores da Limpeza Urbana, de três garagens de ônibus, e da Prefeitura Municipal, decidiram cruzar os braços. No Recife, na capital pernambucana, também teve ato dos trabalhadores e trabalhadoras em defesa da aposentadoria.

Ato em Recife, Pernambuco
Ato em Recife, Pernambuco
Brasil de FatoBrasil de Fato
Ato em Guaranhuns, em Pernambuco
Agência do INSS fechada no Recife
Trabalhadores de Jaboatão dos Guararapes cruzaram os braços

No Piauí, motoristas e cobradores de ônibus estão parados na capital, Teresina, onde também teve manifestação contra a reforma da Previdência com mais de dois mil trabalhadores e trabalhadoras.

Socorro Silva/CUT-PISocorro Silva/CUT-PI

No Rio Grande do Norte, motoristas e cobradores de Natal pararam no início da manhã e começaram a deixar as garagens a partir das 7h. O setor industrial também amanheceu todo parado. A CUT e movimentos sociais fecharam a rotatória de Extremoz, região metropolitana de Natal, desde as primeiras horas da greve geral, para protestar contra a reforma da Previdência do governo de Bolsonaro que praticamente acaba com o direito à aposentadoria dos brasileiros e brasileiras. 

Policiais militares não identificados agrediram trabalhadores e trabalhadoras, entre eles a presidenta da CUT-RN, Eliane Bandeira e Silva, crianças e idosos que participavam dos protestos nesta sexta-feira (14).

Ato no Rio Grande do Norte

No Rio Grande do Sul, a greve geral começou com milhares de trabalhadores, trabalhadoras e estudantes protestando em frente às garagens de ônibus e nas rodovias. Os motoristas e trabalhadores dos trens da Região Metropolitana de Porto Alegre aderiram à greve geral pela aposentadoria e por mais empregos, mas foram reprimidos com violência pelas tropas de choque da Brigada Militar, que jogaram centenas de bombas de gás lacrimogêneo. Soldados a cavalo fizeram perseguições e, pela primeira vez no estado, um caminhão da BM atirou jatos de água em manifestantes, que caminhavam pacificamente na Avenida Bento Gonçalves, em Porto Alegre.

Na capital, trabalhadores de várias empresas também pararam no início da manhã. Pelo estado, diversas categorias, como petroquímicos, petroleiros, professores, sapateiros, bancários, municipários, agricultores familiares, trabalhadores rurais, servidores públicos e trabalhadores da saúde e da alimentação, pararam as atividades nesta manhã e protestaram contra a reforma da Previdência e os cortes na educação.

Teve também manifestação dos petroleiros na Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas, contra a reforma da Previdência

No Rio de Janeiro, os trabalhadores foram atacados pela Polícia Militar ao fazer atos de protesto em várias vias importantes da capital. O transporte público funcionou na capital. Em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, e no Leblon, aulas públicas foram organizadas pelo SEPE e Sinpro-RJ. Eletricitários e portuários também pararam as atividades nesta sexta-feira.

Várias agências ficaram fechadas em vários municípios, além da capital, como Sedan, Campos dos Goytacazes, Teresópolis, Nova Iguaçu, na baixada fluminense, e Angra dos Reis, onde houve também manifestação na Praça do Papão. 

Os petroleiros do Terminal da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, aderiram à paralisação nesta sexta. A refinaria de Duque de Caxias também ficou fechada na greve geral. Os trabalhadores do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e os petroleiros em Macaé aderiram à paralisação.

Os trabalhadores do saneamento cruzaram os braços e fizeram um ato pela manhã. Em Barra do Piraí, a cerca de 120 km da capital, trabalhadores e trabalhadoraas saíram em caminhada pelas ruas da cidade em protesto.

Ato na Praça do Papão, em Angra dos Reis
Eletricitários do Rio de Janeiro parados
Portuário do Rio de Janeiro na greve geral
Em Paraty, rodoviários e população dialogam sobre a reforma da Previdência #GreveGeral

Em Rondônia, na capital Porto Velho, as trabalhadoras e trabalhadores ocuparam as principais ruas da capital na luta contra a reforma da Previdência e os retrocessos que o governo de Bolsonaro quer impor aos trabalhadores do País.

Kevin Tomé/MABKevin Tomé/MAB

Em Roraima, os manifestantes bloquearam um trecho da BR-174, na manhã esta sexta-feira (14). O ato iniciou por volta das 5h50 no município de Mucajaí, no Sul do estado.

Em Santa Catarina, motoristas e trabalhadores de ônibus pararam na capital Florianópolis e em Blumenau. Trabalhadores dos Correios e os servidores públicos também aderiram à greve. Os metalúrgicos de Brusque e Blumenau cruzaram os braços. Em Joinvile, trabalhadores estão concentrados na Praça da Bandeira. Em Itaberaba, trabalhadores também se concentraram na praça principal da cidade. Tem paralisação também em Caxambu do Sul e Chapecó de várias categorias profissionais.

Ato em Joinville, Santa Catarina
Ato em Dionísio Cerqueira, Santa Catarina

Em São Paulo, trabalhadores fizeram bloqueios pacíficos na Avenida do Estado, que liga a capital a cidades da Região do ABC e em outras avenidas e rodovias. No terminal João Dias, os trabalhadores também fecharam as vias em protesto contra a reforma da Previdência, por mais empregos e mais educação.

Em Santos, no litoral paulista, também houve bloqueios na entrada da cidade e os trabalhadores fizeram uma caminhada pelo centro.

Em Sorocaba, no interior do Estado, motoristas e cobradores de ônibus não saíram de nenhuma garagem das empresas de transporte público. Milhares de pessoas protestaram contra as ações do governo e teve passeata na região central.

No São José dos Campos, Taubaté e Jacareí, os motoristas e cobradores pararam o transporte público. Em São Carlos, a população tomou conta das ruas contra a reforma da Previdência e em defesa da educação.

Confira aqui a cobertura completa de como foi a paralisação em todo estado de São Paulo.

Ato em Itaquera, na capital paulista #GreveGeral
Trabalhadores ocupam a Ponte João Dias, na zona sul da capital paulista
Fábio MauricioFábio Mauricio
Ato em São Carlos, interior de São Paulo

Veja abaixo a galeria de imagens das paralisações do setor de Transporte pelo país. E confira aqui a cobertura completa feita pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL).

Em Sergipe, trabalhadores de várias categorias se concentraram em algumas garagens do transporte coletivo de Aracaju para dialogar sobre os problemas da reforma da Previdência. Os ônibus não circularam na manhã desta sexta-feira, greve geral. No início da tarde, os trabalhadores ocuparam as ruas de Aracaju, capital sergipana, para protestar. #GreveGeral

Caroline SantosCaroline Santos
Ato em Aracaju, Sergipe
Caroline SantosCaroline Santos
Ato em Aracaju, Sergipe
CNTTLCNTTL
Rodoviários de Aracaju não saíram das garagens

No Tocantins, os portões da Universidade Federal de Tocantins (UFT) amanheceram fechados em Palmas e trabalhadores fizeram um protestos. Em Palmas, a população foi às ruas na #GreveGeral em defesa da aposentadoria.

Brasil de FatoBrasil de Fato
Ato em Palmas, no Tocantins

Veja na galeria de imagens outras mobilizações: