• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Transporte para em todo Brasil. Confira onde parou

"Nossa luta foi emocionante. Parabéns a todos", comemorou Paulinho, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL)

Publicado: 14 Junho, 2019 - 17h22 | Última modificação: 14 Junho, 2019 - 17h42

Escrito por: Vanessa Barboza e Viviane Barbosa, Redação CNTTL

CNTTL
notice
Em Pernambuco, o metrô parou nesta sexta-feira (14), greve geral

Os trabalhadores e trabalhadoras em transportes de diversas capitais brasileiras aderiram à luta desta sexta-feira (14), greve geral contra a reforma da Previdência, os cortes na educação e por mais empregos.

Convocada pela CUT e demais centrais sindicais brasileiras, as paralisações, que tiveram início a zero hora desta sexta-feira, ocorreram em todo o país. Em todas as capitais, no Distrito Federal e em mais de 300 cidades brasileiras, trabalhadores e trabalhadoras protestam contra a reforma da Previdência de Jair Bolsonaro (PSL) desde as primeiras horas da manhã.

Segundo balanço das centrais sindicais, aproximadamente 45 milhões de trabalhadores e trabalhadoras foram envolvidos na greve geral.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL), Paulo João Estausia, o Paulinho, parabenizou a categoria que atendeu ao chamado da CNTTL e cruzou os braços nesta sexta.

Parabéns a todos os trabalhadores em transportes. Batemos o recorde! É o maior período que paramos todas as regiões, como ocorreu aqui em Sorocaba. Mesmo com o forte aparato policial em algumas garagens, os trabalhadores em transportes deram uma demonstração de luta e organização
- Paulo João Eustasia

"Vamos seguir a paralisação por 24 horas. A luta está emocionante. Todos parados, Lula Livre e a luta continua", concluiu.

Confira a paralisação nos transportes por região:

São Paulo - capital

Na capital paulista, motoristas e cobradores de ônibus cruzaram os braços. Parte das linhas de ônibus, trens e várias estações do Metrô estão paradas, especialmente nas Zonas Norte e Leste da capital paulista.

Os metroviários interromperam as operações às 00h desta sexta (14) em todas as linhas. Em decorrência de liminar, algumas linhas funcionam parcialmente.

Guarulhos e Arujá (SP)

Os cerca de oito mil condutores e cobradores do transporte municipal e intermunicipais (EMTU) aderiram à greve geral e permaneceram nas garagens pela manhã.

Sorocaba e região (SP)

Trabalhadores e trabalhadoras em transportes de 42 municípios das regiões de Sorocaba, São Roque, Itapetininga e Itapeva aderiram à greve geral. Eles também participaram de protestos junto aos estudantes no centro de Sorocaba.

Grande ABC (SP)

As garagens no ABC paulista amanheceram lotadas. Cerca de seis mil motoristas e cobradores da região do ABC paulista, que abrange as cidades de Ribeirão Pires, São Caetano, São Bernardo do Campo, Santo André, Diadema, Mauá e Rio Grande da Serra, aderiram à paralisação.

Vale do Paraíba (SP)

Mesmo com repressão policial, os cerca de 10 mil trabalhadores, sendo 6.500 condutores do transporte urbano, rodoviários e fretamento fizeram paralisações no Vale do Paraíba. As cidades de Jacareí, São José dos Campos, Caçapava, Taubaté e Guaratinguetá paralisaram.

Vitória - Espírito Santo

Os trabalhadores em transportes dos setores urbanos, suburbanos, rodoviários, fretamento e de carga cruzaram os braços na grande Vitória. Na base são 40 mil trabalhadores que trabalham nas principais linhas da cidade de Vitória.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, portuários cruzaram os braços e participaram de protestos na Av. Brasil, principal via de acesso da capital carioca.

Brasília (DF)

Durante toda a manhã e o início da tarde, ônibus de várias regiões não circularam. Na Rodoviária do Plano Piloto, os boxes permaneceram vazios. Cerca de 12 mil trabalhadores participaram da greve.

Salvador e Feira de Santana - Bahia
A capital soteropolitana e arredores amanheceram com os coletivos 100% parados. Cerca de 18 mil motoristas e cobradores do transporte urbano, intermunicipal e fretamento participaram da paralisação.  

Natal e Mossoró (RN)
A capital do Rio Grande do Norte amanheceu sem ônibus nesta sexta-feira (14). Participaram cerca de 8 mil rodoviários do transporte urbano.

Maceió – Alagoas
Em Maceió, rodoviários atrasaram em dua horas a saída dos ônibus. O total são de 4.500 trabalhadores.

São Luís – Maranhão

Em São Luís, no Maranhão, rodoviários do transporte coletivo paralisaram as atividades desde às 4h. Ao longo do dia, os coletivos voltaram a circular de forma reduzida.

Fortaleza – Ceará

Rodoviários fizeram paralisação no centro da capital cearense.

Aracaju (SE)

Rodoviários em Aracaju, Sergipe, atrasaram a saída das garagens na manhã desta sexta-feira (14).

Belém – Pará

O Sindicato dos Trabalhadores do Trânsito do Pará (Sindtran) realizou paralisação integral no Detran-PA em todos os 51 municípios onde tem unidades de atendimento. Motoristas e cobradores da Grande Belém também aderiram as paralisações desta sexta-feira (14).

Campo Grande - Mato Grosso do Sul

Rodoviários em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, cruzaram os braços na manhã desta sexta-feira (14).

Curitiba- Paraná

Na capital paranaense garagens amanheceram lotadas nesta sexta-feira (14).


Recife (PE) e Belo Horizonte (MG)
Os metroviários da Companhia Brasileira de Transporte Urbano (CBTU) em Recife, Pernambuco, e em Belo Horizonte, Minas Gerais, aderiram à paralisação. Em Recife, as linhas do metrô funcionam em horários especiais exclusivamente nesta sexta (14): as linhas Centro e Sul operam das 5h às 9h e das 16h às 20h, horários de pico do sistema. Já em Belo Horizonte, as estações amanhecem fechadas.

Demais regiões

A Federação Nacional dos Portuários (FNP/CUT), a Federação Nacional dos Estivadores (FNE) e a Federação Nacional dos Conferentes e Consertadores de Carga e Descarga, Vigias Portuários, Trabalhadores de Bloco, Arrumadores e Amarradores de Navios (Fenccovib) orientaram os seus sindicatos filiados a realizarem as paralisações em suas localidades. 

As Federações portuárias representam cerca de 50 mil trabalhadores em 39 terminais públicos e também terminais privados, em Vitória (ES), Santos (SP), Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paranaguá (PR), Itajaí (SC), Bahia, Rio Grande do Norte, Ceará, Recife (PE), Pará e Maceió.