Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Policia do DF agride trabalhadores em ato contra PL 4330

Manifestação contra projeto que libera terceirização sem limites tem militantes presos e feridos

Escrito por: Igor Carvalho, de Brasília • Publicado em: 07/04/2015 - 16:24 • Última modificação: 08/04/2015 - 11:47 Escrito por: Igor Carvalho, de Brasília Publicado em: 07/04/2015 - 16:24 Última modificação: 08/04/2015 - 11:47

Igor Carvalho Polícia parte para cima de manifestantes em frente ao Congresso


A atuação truculenta de policiais a uma manifestação com cerca de cinco mil pessoas diante do Congresso Nacional deixou clara a resposta que a atual presidência da Casa pretende dar a manifestações democráticas e que enfrentem interesses empresariais.

Um grupo de trabalhadores liderados pela CUT promovia um ato contra o PL 4330 (PL), que tem o apoio dos empresários e pretende liberar a terceirização para todas as atividades da empresa, inclusive a principal (atividade-fim), algo que hoje é proibido.



 

O pedido de urgência para votação do texto pode ser aprovada ainda nesta terça-feira (7) na Câmara dos Deputados, apesar das críticas dos movimentos sindical, sociais e mesmo da grande maioria de juízes do trabalho ao projeto.


Por volta das 15h, quando o carro de som dos manifestantes manobrava para se posicionar diante da entrada principal do Congresso, membros da polícia legislativa atiraram em um dos pneus para parar o veículo.

Trabalhador da CUT é carregado após agressão (Foto: Bia Pascoalino)Trabalhador da CUT é carregado após agressão (Foto: Bia Pascoalino)Diante dessa ação, PMs do Distrito Federal também entraram em cena com spray de pimenta e bombas de gás para dispersar a manifestação. A atitude da polícia gerou revolta entre os trabalhadores, que resolveram enfrentar a polícia, mesmo sob tiros de borracha.

No vídeo acima, um dos manifestantes foi agredido duas vezes e um homem de gravata dispara uma taser (arma de choque) mesmo após a completa imobilização.

Até o momento o saldo da repressão à manifestação pacífica são dois manifestantes presos e três feridos ainda não identificados. Lideranças dos movimentos dialogam com a polícia, mas a entrada no Congresso está proibida, com exceção de funcionários.

Para o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, a repressão policial é só uma parte lamentável de um Congresso cada vez mais conservador.

“O lamentável aqui é o Congresso querer votar o PL 4300, onde o governo se coloca contra a base aliada, querer votar um projeto contra os trabalhadores. Resta a resistência e o enfrentamento”, afirmou.  

 

Título: Policia do DF agride trabalhadores em ato contra PL 4330, Conteúdo: A atuação truculenta de policiais a uma manifestação com cerca de cinco mil pessoas diante do Congresso Nacional deixou clara a resposta que a atual presidência da Casa pretende dar a manifestações democráticas e que enfrentem interesses empresariais. Um grupo de trabalhadores liderados pela CUT promovia um ato contra o PL 4330 (PL), que tem o apoio dos empresários e pretende liberar a terceirização para todas as atividades da empresa, inclusive a principal (atividade-fim), algo que hoje é proibido.   O pedido de urgência para votação do texto pode ser aprovada ainda nesta terça-feira (7) na Câmara dos Deputados, apesar das críticas dos movimentos sindical, sociais e mesmo da grande maioria de juízes do trabalho ao projeto. Por volta das 15h, quando o carro de som dos manifestantes manobrava para se posicionar diante da entrada principal do Congresso, membros da polícia legislativa atiraram em um dos pneus para parar o veículo. Diante dessa ação, PMs do Distrito Federal também entraram em cena com spray de pimenta e bombas de gás para dispersar a manifestação. A atitude da polícia gerou revolta entre os trabalhadores, que resolveram enfrentar a polícia, mesmo sob tiros de borracha. No vídeo acima, um dos manifestantes foi agredido duas vezes e um homem de gravata dispara uma taser (arma de choque) mesmo após a completa imobilização. Até o momento o saldo da repressão à manifestação pacífica são dois manifestantes presos e três feridos ainda não identificados. Lideranças dos movimentos dialogam com a polícia, mas a entrada no Congresso está proibida, com exceção de funcionários. Para o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, a repressão policial é só uma parte lamentável de um Congresso cada vez mais conservador. “O lamentável aqui é o Congresso querer votar o PL 4300, onde o governo se coloca contra a base aliada, querer votar um projeto contra os trabalhadores. Resta a resistência e o enfrentamento”, afirmou.    



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.