Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Crise movida por ‘interesses individuais’ paralisa o país

Opinião de sindicalistas e empresários reunidos em São Paulo para lançar Compromisso pelo Desenvolvimento e defender ‘agenda positiva’

Escrito por: Isaías Dalle • Publicado em: 03/12/2015 - 15:34 • Última modificação: 03/12/2015 - 15:41 Escrito por: Isaías Dalle Publicado em: 03/12/2015 - 15:34 Última modificação: 03/12/2015 - 15:41

Fotos de Roberto Parizotti Vagner fala no encerramento do encontro desta quinta

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o Brasil está “paralisado pela intolerância”. “Há uma crise política criada por aqueles que não aceitam o resultado das urnas”, disse. O presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Luiz Moan, por sua vez, atacou: “A questão política está corroendo a economia brasileira. E a questão política é movida por interesses corporativos, às vezes interesses individuais”.

Sem citar explicitamente os acontecimentos ocorridos ontem em Brasília, sindicalistas, empresários e lideranças de organizações da sociedade civil, reunidos na manhã desta quinta-feira (3) para o lançamento do “Compromisso pelo Desenvolvimento”, atacaram o prolongamento da crise política, que estaria alimentando continuamente a crise econômica. Aos microfones, os convidados para a mesa de lançamento não fizeram menção aos nomes de Dilma nem ao de Eduardo Cunha.

Mesmo assim, a crítica à condução da crise, um dia após a abertura do processo de impeachment pelo presidente da Câmara, foi clara. Em entrevista à imprensa, o presidente da Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), Carlos Pastoriza, disse que disputas movidas por “interesses particulares” estão sacrificando o emprego e o salário e, por extensão, os setores produtivos.

Questionado por jornalistas, o presidente da OAB-SP, Marcos da Costa, atacou diretamente Cunha: “Se ele estivesse mesmo respondendo ao clamor das ruas, já teria renunciado”. Quanto ao impeachment, disse que aguardará a avaliação do conselho federal da entidade antes de se pronunciar.

Retomar o desenvolvimento

As entidades reunidas para o lançamento do “Compromisso” começaram a planejar a ação há pelo menos dois meses. O encontro de hoje já estava organizado e agendado havia 15 dias. O objetivo era divulgar uma lista de propostas para que a economia brasileira rompa a inércia em que se encontra, elaboradas em conjunto pelas seis centrais sindicais de trabalhadores, entidades empresariais e especialistas ligados a entidades como o Dieese.Plateia do encontro, realizado na capital paulistaPlateia do encontro, realizado na capital paulista

O recrudescimento da crise política, com os acontecimentos da noite anterior, acentuou a defesa da unidade dos diferentes setores produtivos para impedir que 2016 repita a queda do PIB que marcará 2015. (Conheça as propostas do documento e as entidades signatárias aqui).

“Gente, em 10 dias, nós, com interesses diferentes, sentados a uma mesa de debate, construímos um documento. Temos de construir, pensando no Brasil”, argumentou o presidente da associação das montadoras. Moan afirmou que todos os investimentos das empresas afiliadas previstos para 2016 serão mantidos. “Nossos investidores sabem que a crise vai passar, que este é um momento de transição”, completou.

“Nós não podemos dar como perdido 2016”, afirmou o superintendente da ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil), Fernando Pimentel. “Temos de resgatar nossa confiança. Este momento é um tiro de largada, não uma fita de chegada”.

Direitos dos trabalhadores

Vagner Freitas, presidente da CUT, fez a fala de encerramento da cerimônia. Afirmou que as centrais não aceitam nenhuma redução de direitos trabalhistas. “Pensar no Brasil é pensar nos trabalhadores e trabalhadoras, na ampliação dos empregos e dos salários. Desenvolvimento não é acabar com a esperança dos trabalhadores. Creio numa retomada, numa unidade que nos leve a virar a página”.

Vagner afirmou que nos últimos 12 anos o Brasil viveu um período de crescimento, o que comprova a viabilidade do País, e lembrou “que os empresários ganharam muito, alguns mais até do que esperavam”, como a cobrar o fim do ciclo de reclamações que, segundo ele, encontram campo fértil na mídia tradicional: “Não precisamos acreditar na tese de terra arrasada, onde é preciso começar tudo de novo”.

Interesses 'mesquinhos'

Para Pedro Celestino, presidente do Clube de Engenharia, “um país que tem amplas condições de construir um projeto próprio não pode ser refém de interesses mesquinhos, particulares”.

Se ele (Cunha) estivesse mesmo respondendo ao clamor das ruas, já teria renunciado
Marcos da Costa, OAB-SP

Miguel Torres, presidente da Força, advertiu que o desemprego é “combustível para a crise” e reivindicou mudanças na política econômica, especialmente na taxa básica de juros, que privilegia a especulação e trava a produção. “Queremos sinalizar que temos esperança sim, e a esperança é o desenvolvimento”.

Para o presidente da CTB (Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), Adílson Araújo, o encontro desta quinta é “uma atitude de maturidade política”. Para Ricardo Patah, há uma tentativa coordenada de espalhar “medo” nos brasileiros. “Mas os agentes dessa desesperança não terão força”, concluiu.  Para Antonio Neto, da CSB (Central de Sindicatos Brasileiros), outra medida necessária é a auditoria da dívida interna, com o objetivo de suspender seu pagamento e direcionar recursos para políticas de desenvolvimento.

 

Título: Crise movida por ‘interesses individuais’ paralisa o país, Conteúdo: Saiba Mais Centrais propõem pacto para destravar economia Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o Brasil está “paralisado pela intolerância”. “Há uma crise política criada por aqueles que não aceitam o resultado das urnas”, disse. O presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Luiz Moan, por sua vez, atacou: “A questão política está corroendo a economia brasileira. E a questão política é movida por interesses corporativos, às vezes interesses individuais”. Sem citar explicitamente os acontecimentos ocorridos ontem em Brasília, sindicalistas, empresários e lideranças de organizações da sociedade civil, reunidos na manhã desta quinta-feira (3) para o lançamento do “Compromisso pelo Desenvolvimento”, atacaram o prolongamento da crise política, que estaria alimentando continuamente a crise econômica. Aos microfones, os convidados para a mesa de lançamento não fizeram menção aos nomes de Dilma nem ao de Eduardo Cunha. Mesmo assim, a crítica à condução da crise, um dia após a abertura do processo de impeachment pelo presidente da Câmara, foi clara. Em entrevista à imprensa, o presidente da Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), Carlos Pastoriza, disse que disputas movidas por “interesses particulares” estão sacrificando o emprego e o salário e, por extensão, os setores produtivos. Questionado por jornalistas, o presidente da OAB-SP, Marcos da Costa, atacou diretamente Cunha: “Se ele estivesse mesmo respondendo ao clamor das ruas, já teria renunciado”. Quanto ao impeachment, disse que aguardará a avaliação do conselho federal da entidade antes de se pronunciar. Retomar o desenvolvimento As entidades reunidas para o lançamento do “Compromisso” começaram a planejar a ação há pelo menos dois meses. O encontro de hoje já estava organizado e agendado havia 15 dias. O objetivo era divulgar uma lista de propostas para que a economia brasileira rompa a inércia em que se encontra, elaboradas em conjunto pelas seis centrais sindicais de trabalhadores, entidades empresariais e especialistas ligados a entidades como o Dieese. O recrudescimento da crise política, com os acontecimentos da noite anterior, acentuou a defesa da unidade dos diferentes setores produtivos para impedir que 2016 repita a queda do PIB que marcará 2015. (Conheça as propostas do documento e as entidades signatárias aqui). “Gente, em 10 dias, nós, com interesses diferentes, sentados a uma mesa de debate, construímos um documento. Temos de construir, pensando no Brasil”, argumentou o presidente da associação das montadoras. Moan afirmou que todos os investimentos das empresas afiliadas previstos para 2016 serão mantidos. “Nossos investidores sabem que a crise vai passar, que este é um momento de transição”, completou. “Nós não podemos dar como perdido 2016”, afirmou o superintendente da ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil), Fernando Pimentel. “Temos de resgatar nossa confiança. Este momento é um tiro de largada, não uma fita de chegada”. Direitos dos trabalhadores Vagner Freitas, presidente da CUT, fez a fala de encerramento da cerimônia. Afirmou que as centrais não aceitam nenhuma redução de direitos trabalhistas. “Pensar no Brasil é pensar nos trabalhadores e trabalhadoras, na ampliação dos empregos e dos salários. Desenvolvimento não é acabar com a esperança dos trabalhadores. Creio numa retomada, numa unidade que nos leve a virar a página”. Vagner afirmou que nos últimos 12 anos o Brasil viveu um período de crescimento, o que comprova a viabilidade do País, e lembrou “que os empresários ganharam muito, alguns mais até do que esperavam”, como a cobrar o fim do ciclo de reclamações que, segundo ele, encontram campo fértil na mídia tradicional: “Não precisamos acreditar na tese de terra arrasada, onde é preciso começar tudo de novo”. Interesses mesquinhos Para Pedro Celestino, presidente do Clube de Engenharia, “um país que tem amplas condições de construir um projeto próprio não pode ser refém de interesses mesquinhos, particulares”. Se ele (Cunha) estivesse mesmo respondendo ao clamor das ruas, já teria renunciado Marcos da Costa, OAB-SP Miguel Torres, presidente da Força, advertiu que o desemprego é “combustível para a crise” e reivindicou mudanças na política econômica, especialmente na taxa básica de juros, que privilegia a especulação e trava a produção. “Queremos sinalizar que temos esperança sim, e a esperança é o desenvolvimento”. Para o presidente da CTB (Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), Adílson Araújo, o encontro desta quinta é “uma atitude de maturidade política”. Para Ricardo Patah, há uma tentativa coordenada de espalhar “medo” nos brasileiros. “Mas os agentes dessa desesperança não terão força”, concluiu.  Para Antonio Neto, da CSB (Central de Sindicatos Brasileiros), outra medida necessária é a auditoria da dívida interna, com o objetivo de suspender seu pagamento e direcionar recursos para políticas de desenvolvimento.  



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.