MENU

Com obstrução intestinal, Bolsonaro será transferido para SP e pode ser operado

Presidente sentiu fortes dores no abdome na madrugada e foi internado para investigar se os soluços que o incomodam há dias era a razão

Publicado: 14 Julho, 2021 - 16h11 | Última modificação: 14 Julho, 2021 - 16h20

Escrito por: Redação CUT

Reprodução/FAB
notice

Depois de mais de uma semana reclamando de soluços, o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) sentiu fortes dores abdominais durante a madrugada desta quarta-feira (14) e foi internado no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília. Após exames, a decisão dos médicos foi transferir o paciente para São Paulo onde ele pode ser operado novamente para corrigir uma obstrução intestinal.

Durante a manhã, a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República (Secom) divulgou nota dizendo que Bolsonaro foi orientado pela equipe médica a ir ao hospitais fazer uma série de exames para investigar a causa de soluços e das dores no abdômen. De acordo com a nota, ele ficaria em “observação no período de 24 a 48 horas, não necessariamente no hospital”.

Às 15h40, uma nova nota da Secom diz que Bolsonaro será transferido para São Paulo para mais exames antes da decisão de uma nova cirurgia. A nota diz que "após exames realizados no HFA, o Dr. Macedo, médico responsável pelas cirurgias no abdômen do Presidente da República, decorrentes do atentado a faca ocorrido em 2018, constatou uma obstrução intestinal e resolveu levá-lo para São Paulo onde fará exames complementares para definição da necessidade, ou não, de uma cirurgia de emergência".

O médico Antônio Luiz Macedo foi para Brasília durante a manhã para acompanhar os exames do presidente.

Durante a manhã, a Secom havia informado por meio de nota que, por orientação de sua equipe médica, o presidente foi ao HFA "para a realização de exames para investigar a causa dos soluços" que o incomodam há dias.

Uma das causas mais frequentes dos soluços excessivos como os que vêm incomodando Bolsonaro é o refluxo gastroesofágico - quando ocorre o retorno do ácido estomacal para o esôfago -, segundo especialsitas. Algumas situações, explicam, podem favorecer o soluço. Entre elas estão estresse, comer demais, fumar ou comer goma de mascar, condições que fazem entrar ar no organismo.

E razões para estresse não faltam. A CPI da Covid do Senado investiga Bolsonaro por ações e omissões no combate à pandemia do novo coronavírus e suspeitas de prevaricação por não tomar medidas diante das denúncias de compra superfaturada da vacina indiana Covaxin.

A Polícia Federal abriu inquérito para apurar a denúncia de prevaricação.

Bolsonaro também é alvo de pelo menos 125 pedidos de impeachment, entre eles um superpedido protocolado pela CUT e uma dezena de entidades e partidos políticos.

Nesta quarta, o empresário e ex-aliado de Bolsonaro, Paulo Marinho, hoje ligado a João Doria (PSDB), disse ao  jornal Folha de S Paulo que o presidente “está a beira de um ataque de nervos” diante dos desdobramentos da CPI da Covid no Senado. “Conheço a peça”, endossou Marinho, que conviveu diariamente com Bolsonaro entre julho de 2017 e outubro de 2018.

Sobre os soluços de Bolsonaro

Os incômodos do presidente ficaram visíveis no último dia 5, quando, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, ele alegou que falava pouco por ter realizado, dois dias antes, um implante dentário.

Na semana passada, em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, Bolsonaro confirmou que estava com soluço há cinco dias. A crise foi associada por ele à cirurgia dentária. “Já aconteceu comigo no passado, talvez em função dos remédios que eu estou tomando, eu estou 24 horas por dia com soluço”, declarou.

O mal-estar voltou à pauta ainda durante sua tradicional live às quintas-feiras. Na transmissão ele se desculpou por não estar conseguindo se “expressar adequadamente”.

Na última segunda (12), em reunião com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, novamente se queixou dos soluços.