• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

PF vai investigar se Bolsonaro prevaricou em caso da compra da vacina Covaxin

O presidente é suspeito de ter cometido prevaricação porque não mandou investigar a suspeita de propina na compra das vacinas denunciada pelos irmãos Miranda

Publicado: 12 Julho, 2021 - 11h00 | Última modificação: 12 Julho, 2021 - 11h16

Escrito por: Redação CUT

Marcelo Camargo/Agência Brasil
notice

A Polícia Federal (PF) instaurou inquérito para apurar a suspeita de crime de prevaricação do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) durante as negociações para a aquisição da vacina indiana Covaxin, com superfaturamento de 1000%. A informação foi divulgada na manhã desta segunda-feira (12) pela coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo.

O presidente é suspeito de ter cometido prevaricação porque não mandou investigar a suspeita de propina na compra das vacinas. O crime pode afastar Bolsonaro e dar de três meses a um ano de detenção e multa.

A prevaricação é um tipo criminal no qual alguma autoridade ou agente público deixa de agir ou atrasa alguma ação para satisfazer interesses pessoais.

Entenda o que é prevaricação

A denúncia foi feita pelos irmãos Miranda e está sendo investigada pela CPI da Covid do Senado. O servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda, que denunciou ter sofrido pressões para liberar a importação da vacina indiana Covaxin, produzida pelo labotaratório indiano Bharat Biotech por um preço muito mais alto do que todas as outras vacinas adquiridas pelo Brasil. E o deputado Luís Miranda (DEM-DF), irmão do servidor, que  alertou Bolsonaro sobre indícios de irregularidade na negociação da Covaxin antes de o governo assinar o contrato. 

O deputado afirma que levou a Bolsonaro, em 20 de março, documentos e notas fiscais que atestavam irregularidades no processo de compra da Covaxin. Segundo ele, o presidente teria dito, na ocasião, que levaria o caso à PF.

O inquérito aberto recentemente pela PF buscará descobrir se Bolsonaro realmente foi informado a respeito das irregularidades e se tomou providências quanto a isso. A apuração será coordenada pelo Serviço de Inquérito da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado (Inque).

A investigação foi solicitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) depois de ter sido cobrada pela ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber.

Leia mais: PGR só pediu investigação depois de Rosa Weber cobrar