• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Bolsonaro está ‘aumentando o tom do devaneio’, diz presidente da CUT

Centrais apostam no contato direto com a população para amplificar debate sobre auxílio emergencial e vacinação

Publicado: 05 Março, 2021 - 09h04 | Última modificação: 05 Março, 2021 - 09h09

Escrito por: Vitor Nuzzi, da RBA

Reprodução
notice

Depois de um dia de manifestações pelo país, nesta quinta-feira (4), as centrais sindicais vão continuar apostando no contato direto com a população, apesar das limitações provocadas pela pandemia. Dirigentes voltarão a se reunir na próxima segunda (8) para decidir os próximos passos, além de começar a tratar dos preparativos do 1º de Maio.

“O movimento sindical é responsável, não vai provocar aglomeração, mas temos de conversar com a população, porque o povo está nas ruas, trabalhando para sobreviver, apesar do risco de contaminação”, afirmou o presidente da CUT, Sérgio Nobre. Segundo ele, é preciso denunciar e dialogar, apresentando a pauta das centrais.

Nem meia cesta

“Dizer o que está acontecendo no Brasil, explicar que o auxilio emergencial sacado pelo governo não compra meia cesta básica, não garante a sobrevivência durante a pandemia”, acrescentou o dirigente cutista. As reivindicações básicas são vacinação em massa já, auxílio de R$ 600 e políticas de emprego.

Para o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, os atos foram bem sucedidos no sentido de se aproximar da população, “com cuidados”, e informar sobre a situação do país e possíveis alternativas. As centrais já se manifestaram a favor do lockdown. “Se não fizer isso, vai chegar a 3 mil mortos por dia.”

É preciso reagir

A mobilização ocorreu no mesmo dia em que o presidente da República reagiu mais uma vez de forma agressiva contra os que denunciam a situação de calamidade e descontrole no país. Para Miguel, ele está “aumentando o tom do devaneio”. Mas ainda falta reação, acrescentou. “A sociedade, o Poder Judiciário, o sistema político não estão se mexendo.”

É o que precisa acontecer, por exemplo, no caso do auxílio emergencial. “Vamos ter de pressionar. Precisamos convencer a Câmara a derrubar isso. O valor aprovado é pouco”, avaliou Miguel. O Senado aprovou limite de R$ 44 bilhões, neste ano, para pagamento do benefício.

A reação do presidente, hoje, também é vista como mais uma cortina de fumaça. Desta vez, para desviar a atenção do episódio da compra de uma mansão por um de seus filhos.