• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Bancários engrossam protestos pela vacina, auxílio e contra privatizações

Categoria aproveita manifestação nacional convocada pela centrais para destacar a importância dos bancos públicos, alvos de desmonte pelo governo Bolsonaro

Publicado: 04 Março, 2021 - 14h26 | Última modificação: 04 Março, 2021 - 14h36

Escrito por: Tiago Pereira, da RBA

Reprodução/SPBancarios
notice

As centrais sindicais realizam nesta quinta-feira (4) manifestações por todo o Brasil em defesa do auxílio emergencial de R$ 600, do emprego e da vacinação para todos. Os bancários também participam dos protestos, ao lado dos professores da rede pública e dos petroleiros. Eles vão aproveitar as mobilizações para também fazerem a defesa dos bancos públicos, que estão sendo alvo de fatiamento com vistas a privatização.

Leia mais: CUT e centrais vãos às ruas em defesa do emprego, auxílio emergencial e Vacina Já!

Para a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, a campanha de vacinação não avança por conta da “irresponsabilidade” do governo Bolsonaro. “Os trabalhadores estão morrendo. Bancários da linha de frente estão adoecendo e morrendo”, afirmou em entrevista ao Jornal Brasil Atual.

Além da crise sanitária, Ivone diz que os bancos públicos têm sido alvo constante das ações de desmonte do governo. “Cada dia é um ataque diferente”. Na Caixa Econômica Federal, ela citou, por exemplo, a tentativa de privatização do setor digital do banco, que foi transformado numa subsidiária. No Banco do Brasil, o plano de reestruturação em curso pretende fechar 361 agências.

“O Banco do Brasil financia atualmente 67% do crédito para a agricultura familiar, que é diferente do agronegócio. Em 2020, foram R$ 27 bilhões. Esses pequenos agricultores são responsáveis por 70% dos alimentos consumidos pelos brasileiros”, destacou Ivone, ao falar sobre os protestos dos bancários nesta quinta-feira.
 
Ações

Para destacar a importância do Banco do Brasil no financiamento da agricultura familiar, os bancários vão distribuir 4 mil quilos de alimentos. A atividade, em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, será em frente da sede do BB na rua São Bento, no centro de São Paulo, à partir das 11h.

Além disso, em parceria com os petroleiros, o sindicato participa de uma ação de “abastecimento solidário”. Serão sorteados entre 100 cupons que dão direito a até 20 litros de gasolina pagando R$ 3,50 por litro, com o sindicato arcando com a diferença do valor cobrado atualmente.

Além das ações presenciais, os bancários também promovem um “tuitaço” às 11h, em defesa dos bancos públicos e pelo avanço da vacinação no país. As hastags #BBoBancoDeTodos, #NãoDeixemVenderOBrasil, #VacinaJa vão concentrar as manifestações virtuais.

Assista à entrevista

Edição: Helder Lima