• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Tribunal de Justiça absolve Carol Solberg por ter gritado ‘fora, Bolsonaro’

Jogadora de vôlei de praia tem vitória em recurso e diz que espera encorajar outros atletas a se exercer a liberdade de expressão

Publicado: 17 Novembro, 2020 - 09h21 | Última modificação: 17 Novembro, 2020 - 09h23

Escrito por: Redação RBA

Divulgação
notice

O plenário do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) do vôlei brasileiro absolveu nesta segunda-feira (16) a jogadora de praia Carol Solberg que há cerca de dois meses fez uma manifestação pública contra o presidente Jair Bolsonaro. Carol gritou “fora, Bolsonaro!” durante uma entrevista transmitida ao vivo em etapa do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, no dia 20 de setembro. A decisão reverte outra decisão, de primeira instância tomada contra a atleta.

No dia 13 de outubro, a 1ª CCaomissão Disciplinar do STJD, por 3 votos a 2, entendeu que houve infração do regulamento da competição e aplicou uma multa de R$ 1.000 para Carol, convertida em advertência. A defesa da atleta recorreu ao plenário, sustentando que a manifestação não atacava diretamente a Confederação Brasileira de Vôlei ou seus patrocinadores. A repercussão do caso alimentou debates sobre o direito dos atletas de se manifestar politicamente.

A sessão que acatou o argumento da defesa e absolveu a atleta, realizada por plataforma virtual, terminou com o placar de cinco votos a favor e quatro contra a jogadora. “Eu estou muito feliz com esse resultado. Isso tudo que aconteceu é um passo importante para refletirmos sobre o lugar do atleta. É sobre liberdade de expressão, e sabemos o quanto ela tem estado em risco”, afirmou a atleta à Folha de S.Paulo, após o julgamento.

“Ser absolvida significa ter o meus direitos garantidos e, quem sabe, encorajar mais atletas a se engajarem no que acreditam e no que é necessário enquanto sociedade. Temos muita força e precisamos usá-la de forma consciente, sem deixar de olhar para as injustiças que nosso país sofre. A gente também é voz de alerta”, completou Carol Solberg.