• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Suplicy, do PT, foi o vereador mais votado de São Paulo

Em sua 11º campanha eleitoral, Suplicy repete o feito da eleição anterior e é o vereador mais votado da cidade

Publicado: 16 Novembro, 2020 - 17h27 | Última modificação: 16 Novembro, 2020 - 17h46

Escrito por: Redação CUT

Divulgação
notice

O PT manteve a maior bancada na Câmara dos Vereadores de São Paulo, 8 vereadores, o mesmo número do PSDB, e Eduardo Suplicy (PT) inicia seu terceiro mandato na Casa como o candidato com mais votos na cidade, 167.552.

Essa foi a 11.ª disputa eleitoral de Suplicy.

Também pelo PT foram eleitos Donato, Alessandro Guedes, Jair Tatto, Juliana Cardoso, Senival Moura, Alfredinho e Arselino Tatto.

Suplicy

Eduardo Matarazzo Suplicy, economista, administrador de empresas e professor universitário, nasceu em São Paulo no dia 21 de junho de 1941. É filho do corretor de café Paulo Cochrane Suplicy e Filomena Matarazzo (neta do conde Francesco Matarazzo).

Ele se formou em administração de empresas na Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, onde foi professor titular, e em economia na Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos.

Entre os anos 60 e 70 foi professor visitante na Universidade de Stanford, também nos Estados Unidos. 

Em 1980, Supplicy participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), em 10 de fevereiro. Dois anos depoois, se elegeu deputado federal pelo partido, com 83 mil votos. Em 1985, foi candidato a prefeito de São Paulo e no ano seguinte se candidatou a governador do Estado.

Voltou a ocupar cargo público ao se eleger vereador em São Paulo em 1988, sendo o mais votado, alcançando 201.549 votos. Ao tomar posse, em 1989, foi eleito presidente da Câmara de São Paulo.

Em 1990, Suplicy se tornou o primeiro senador eleito pelo PT eleito. E foi no Senado, no ano seguinte, que ele elaborou e divulgou um de seus principais projetos. O então projeto, Programa de Garantia de Renda Mínima, aprovado por todos os partidos.

Em 1992, o então senador tentou mais uma vez chegar ao cargo de prefeito de São Paulo. Mas, em 1998, mais uma vez mostrou-se um campeão de votos para cargos legislativos. Foi reeleito senador pelo Estado de São Paulo com 6.718.463 votos, a maior votação para o posto na história.

Reeleito para um terceiro mandato para o Senado, em 2006, obteve 8.986.803 votos, permancendo no cargo até 2014. No ano seguinte, foi convidado pelo prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, a assumir a Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da cidade de São Paulo, cargo que ocupou até março de 2016.

Candidato a vereador nas eleições de 2016, foi eleito com 301.446 votos. E, novamente, teve a maior votação da eleição para o Legislativo paulistano.