• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

SP: Ato em solidariedade aos atingidos de Brumadinho será nesta sexta (1º)

Protesto será na Praça da Sé, no centro da capital

Publicado: 01 Fevereiro, 2019 - 09h09

Escrito por: Redação - Movimento dos Atingidos por Barragens

RICARDO STUCKERT
notice

No dia 1º de fevereiro completam-se sete dias de mais um grave crime cometido pela Vale no Brasil. Por isso, a partir das 18h um ato em solidariedade às vítimas da tragédia será realizado na Praça da Sé, no centro de São Paulo. A iniciativa é do MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens) e foi construído por dezenas de organizações sindicais de trabalhadores, movimentos populares, entidades da sociedade civil e de defesa do meio ambiente, ativistas e simpatizantes das lutas populares.

O crime que matou centenas de pessoas, que destruiu lares, rios e florestas em prol de um modelo de exploração que visa somente o lucro não pode ser impune. Crime este cometido por uma empresa cujos interesses privados prevalecem sobre a vida das pessoas e do meio ambiente.

Será o sétimo dia de muita tristeza e indignação; o sétimo dia em que um dos principais rios do país, o São Francisco – “O Velho Chico” - está sob ameaça de grave contaminação. 

Em meio à dor do crime, a solidariedade aos atingidos por barragens é fundamental para que se fortaleçam os laços de afeto, união, justiça social e a compaixão entre as pessoas. Também é importante para que se reafirme a necessidade da construção de uma sociedade mais justa e igualitária.  Os atingidos precisam fortalecer sua organização para serem ouvidos e garantir seus direitos. Que o ecoar de dor seja a semente da Luta, a união e a solidariedade por todo o Brasil.

O crime da Vale em Brumadinho 

Por volta das 13h30 do dia 25 de janeiro de 2019, em Brumadinho-MG, a cerca de 60 km de Belo Horizonte, três barragens se romperam. Todas elas continham rejeitos da mineração de ferro. Não foi acionado o sistema de sirenes e alertas e a população foi pega de surpresa. Essas barragens possuíam rejeitos da mineração de ferro proveniente da mina Córrego do Feijão. A lama elevou em 18 metros o nível médio de rejeito logo à jusante e destruiu o refeitório e uma unidade administrativa da Vale, restaurantes e a Vila Ferteco, matando centenas de pessoas, e destruindo a fauna e a flora da região. Foram 12,7 milhões de m³ de lama que escorreram da barragem, cuja parte mais espessa alcançou cerca de 10 km. Os rejeitos estão percorrendo o curso do Rio Paraopeba seguindo para o Rio São Francisco.

Até o momento (31/01) os dados oficiais divulgados confirmam 99 mortes, 57 deles identificados e 259 pessoas desaparecidas. Há fortes indícios de que o número de pessoas desaparecidas seja muito maior do que a Vale tem divulgado: estima-se um montante de mais de 600 desaparecidos.

Mais uma vez a história se repete como tragédia. De um lado a Vale S.A, grande mineradora mundial, e do outro o povo brasileiro, buscando juntar corpos enterrados na lama de empresas criminosas.

É importante destacar que a companhia Vale S.A já foi uma empresa do povo brasileiro, mas nos anos 1990 foi privatizada a preço de banana pelo governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O que vemos atualmente é uma empresa super poderosa que atua para o lucro dos acionistas, mas que não tem qualquer compromisso com a vida humana e o meio ambiente.


Ato Em Solidariedade Aos Atingidos De Brumadinho/MG
Data: 1º de fevereiro de 2019 – sexta feira
Horário: 18 horas
Local: Praça da Sé – São Paulo/SP (em frente à Catedral)

carregando
carregando