• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Sintsep e Sintsprev no Mato Grosso do Sul confirmam unificação histórica

Congresso das entidades foi realizado de 4 a 6 de dezembro e ratificou unificação que havia sido proposta em 2019

Publicado: 09 Dezembro, 2020 - 09h35 | Última modificação: 09 Dezembro, 2020 - 09h49

Escrito por: Sérgio Souza Júnior e Andreia Cercarioli com informações de SintsepMS e SintsprevMS

reprodução
notice

Aconteceu durante os dias 4, 5 e 6 de dezembro, o Congresso Estadual Extraordinário Unificado, realizado no Hotel Chácara do Lago em Campo Grande, quando foi ratificada a proposta de unificação das duas entidades, que já havia sido aprovada em novembro de 2019 pelo XII Congresso estadual do Sindicato dos Trabalahdores Públicos Federais em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social no MS (SINTSPREV-MS) e em fevereiro de 2020 pelo VII Congresso Estadual do Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federeais no MS (SINTSEP-MS).

Setenta e seis (76) Delegados participantes do evento, ratificaram a decisão de unificação das duas entidades, não havendo nenhum voto contrário e apenas uma abstenção.

Para atender a legislação vigente, a unificação se deu através de incorporação pela entidade mais abrangente, sendo que após o registro cartorial e cumprimento dos demais procedimentos administrativos e burocráticos permanecerá um único CNPJ, sob a denominação de SINTSEP-MS.

Ainda ao final do Congresso foi eleita a primeira Diretoria e Conselho Fiscal do Sindicato Unificado, que terá um mandato de três (3) anos para consolidar a unificação. Uma chapa de consenso foi formada por integrantes das duas entidades, sendo eleita por ampla maioria, sem nenhum voto contrário e apenas uma abstenção. A posse da nova diretoria eleita, será agendada após o devido registro em cartório.

Para Wesley Goully, Secretário Geral eleito no Congresso, o projeto de um grande sindicato unificado, “está focado principalmente no bem estar dos empregados, dos trabalhadores, desse elo mais fraco da corrente. A gente se empenhou em ter missão, ter foco, ter meta e desenvolver um plano de trabalho, ter política, ter luta”, disse.

O novo Secretário Geral informou que este processo estava sendo acompanhado por sindicalistas de vários estados do país, “nós temos o compromisso de cumprir esta grande meta, de ser um exemplo para o Brasil, quem sabe além das nossas fronteiras, um sindicato diferente, um sindicato muito mais empenhado, com foco, sem esquecer de quem o construiu no passado, esses grandes heróis que nos ensinam até hoje a trilhar o caminho a seguir. Agradeço a todos por nos dar confiança, acreditar e nos ouvir, Vamos buscar com ênfase e com vontade, dias melhores para nós" disse Wesley.

Para Gaspar Francisco Hickmann, Secretário de Administração e Finanças do SINTSPREV-MS, eleito também para o mesmo cargo, agora pelo SINTSEP-MS “A unificação não representa acabar com a história de nenhuma das duas entidades. Ao contrário, representa somar e unir a rica história de dois combativos sindicatos, com mais de trinta anos de luta. A medida é necessária exatamente para assegurar que a história dos dois sindicatos não se perca num futuro próximo em consequência das transformações tecnológicas e das novas formas de trabalho que vem alterando rapidamente a realidade e as formas de trabalho e de produção laboral nos órgãos que compõem as categorias de cada sindicato.”.

Para Sérgio Ronaldo, Secretário Geral da Condsef, “hoje no brasil, o conjunto do funcionalismo e da classe trabalhadora está sendo atacado de forma global, então a nossa meta é fazer as unificações de sindicatos, para fazer a luta única, para que o nosso inimigo não continue destruindo nossas organizações. Para nós da Condsef é motivo de orgulho esta unificação”.

Ismael César, da Direção Nacional da CUT ressaltou “a maturidade política da direção do SINTSEP/MS e do SINTSPREV/MS, o esforço dos companheiros da CUT-MS nesta discussão”. Afirmou ainda que sai “com enorme expectativa de que esta direção unificada vai saber fazer os enfrentamentos, pois unidos e fortes nós podemos derrotar a reforma administrativa de Bolsonaro e rever a EC 95”.