• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Sindicatos da Aviação Civil da América Latina debatem ações contra precarização

Trabalhadores latino-americanos relataram problemas comuns de ataques aos direitos praticados pelas empresas e por governos de direita

Publicado: 29 Novembro, 2018 - 13h06 | Última modificação: 29 Novembro, 2018 - 13h12

Escrito por: Viviane Barbosa e Vanessa Barboza, FENTAC

Viviane Barbosa
notice
Sindicalistas do setor de transportes da aviação civil do Brasil e América Latina

Cerca de 60 trabalhadores e trabalhadoras dos sindicatos dos transportes do setor da aviação civil do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Panamá, Paraguai, República Dominicana, Uruguai e Venezuela estão reunidos nos dias 28 e 29 de novembro, em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo, no Encontro Regional da ITF (Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes).

O evento internacional ocorre na sede do Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos (Sindigru). Participam tripulantes e aeroviários das empresas aéreas Latam, Avianca, dos setores de Rampa e dos Serviços de Navegação nos Aeroportos, entre outros.

Representando o Brasil, estão os sindicatos aeroviários de Porto Alegre, Pernambuco, Guarulhos e os de base Nacional dos Aeroviários, Aeronautas e Aeroportuários, filiados à FENTAC/CUT.

Conjuntura e participação

Na abertura do evento, o presidente do Sindigru, Rodrigo Maciel, e o deputado Alencar Santana, eleito pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para a Câmara dos Deputados, fizeram uma análise de conjuntura destacando os reflexos para classe trabalhadora da vitória do candidato da extrema direita, Jair Bolsonaro (PSL), para Presidência da República.

Os dirigentes demonstraram forte preocupação com possíveis ataques aos direitos trabalhistas e à organização sindical. Foi pontuado também que é importante construir uma ampla frente de resistência em defesa da democracia e dos direitos, particularmente os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, para enfrentar um governo autoritário que pretende aplicar até o fim a sua agenda regressiva de privatizações, destruição da Previdência pública e solidária e precarização do trabalho.

O presidente da FENTAC, Sergio Dias, chamou atenção sobre as crescentes práticas antissindicais no Chile, sede da empresa aérea  Lan, que vem atacando as formas de organização dos trabalhadores. “É importante reagirmos a esses ataques em todos os países onde a empresa opera e denunciar a agenda comercial que tem precarizado o trabalho”, alertou.

O sindicalista ficou contente com o aumento da participação de dirigentes brasileiros no Encontro da ITF. "É relevante à organização ampliar a rede de trabalhadores e mobilizá-los para reagir contra os ataques aos seus direitos”, ressaltou. 

Educação e consciência política

Na parte da tarde, os dirigentes debateram a situação do mercado de trabalho em seus países. Tanto no Brasil quanto nos países vizinhos da América Latina os problemas são comuns, tais como: o descumprimento das Convenções por parte das empresas aéreas; práticas antissindicais; o aumento da terceirização que criado empregos precários e até a influência de sindicatos pelegos ou “amarillos” na América Latina, que agem em favor dos interesses das empresas. Países, como Equador e Paraguai, não tem Convenção Coletiva de Trabalho.

“É fundamental que os sindicatos estejam organizados, fortes e sejam capazes de pensar no futuro os cenários desejáveis e possíveis para a classe trabalhadora. Estamos vivendo a ‘estrangelização’ da indústria da aviação civil e precisamos ter uma profunda consciência política”, explica a coordenadora de Organização Sindical da ITF das redes Latam e Avianca na América Latina, Dina Feller.

O Secretário da Seção da Aviação Civil da ITF Mundial, Gabriel Rodríguez, disse que diante dessa situação política difícil que os trabalhadores enfrentarão com o governo de extrema-direita no Brasil, que é contra os trabalhadores, é necessário estar organizado para fortalecer as lutas. 

“Podem contar com o apoio da ITF para que juntos possamos superar essa etapa e defender as conquistas dos trabalhadores da aviação latino-americana”, disse. 

A ITF representa cerca de 250 sindicatos da aviação em 130 países do mundo.

Aerolíneas Argentinas

Os dirigentes da aviação civil latino-americanos divulgaram cartazes #Defendemos em solidariedade e apoio à greve dos tripulantes, trabalhadores/trabalhadoras em solo da empresa aérea Aerolínea Argentinas, realizada na segunda-feira dia (26).

Encontro continua nesta quinta (29)

Nesta quinta-feira (29), último dia do Encontro, os sindicalistas da América Latina conhecerão as ações do Treinamento das “Defensoras das Mulheres” da ITF.  Recentemente, a ITF realizou um 2º treinamento que tem o objetivo de criar mecanismos e propor às empresas da indústria da aviação cláusulas nos Acordos Coletivos que protejam as trabalhadoras vítimas de violência doméstica.

carregando
carregando