• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Sindicato reverte demissões de trabalhadores com deficiência no Rio de Janeiro

Demitidos pela Light SESA, cerca de 20 trabalhadores e trabalhadoras com deficiência serão recontratados

Publicado: 14 Janeiro, 2020 - 12h31 | Última modificação: 14 Janeiro, 2020 - 13h04

Escrito por: Redação CUT

Agência Brasil
notice

O Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região (Sintergia) reverteu nesta segunda-feira (13) as 20 demissões de trabalhadores e trabalhadoras com deficiência da Light SESA.

Logo após o anúncio das demissões no último dia 8, os trabalhadores procuraram o Sintergia, que encaminhou um ofício à empresa para agendar uma reunião de emergência com a direção para pedir explicações e abrir as negociações.

A Light SESA, empresa responsável pela distribuição de energia elétrica na cidade do Rio de Janeiro, encaminhou um posicionamento sobre as demissões dos trabalhadores para o Portal CUT logo após a repercussão da matéria. No comunicado, a empresa afirmou que estava reavaliando o retorno dos trabalhadores às suas funções. 

No acordo firmado entre o sindicato e a Light nesta segunda-feira (13), como legalmente é impossível a imediata recontratação dos trabalhadores demitidos, todos serão direcionados para curso de qualificação por 90 dias e, após esse período, serão recontratados em setores compatíveis com o curso realizado pela Light.

Ficou definido também que durante a realização do curso, todos os trabalhadores continuarão recebendo o último salário e, ainda, os mesmos benefícios de quando contratados como ticket refeição, alimentação, vale transporte, plano de saúde e bolsas do Colégio 1º de Maio.

As demissões causaram estranheza ao sindicato e aos trabalhadores porque a Light assina anualmente um Acordo de Responsabilidade Social que prevê “a inserção dos trabalhadores com deficiência, baseado num programa de contratação voluntarista.”

Os trabalhadores da Light, empresa privada de geração, distribuição, comercialização e soluções de energia elétrica, relataram ainda à direção do sindicato que eram vítimas de assédio moral em seus locais de trabalho.