• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Sindicato denuncia: Petrobras manda homens armados para audiência sobre Fafen no MPT

Seis homens armados foram contratados pela petroleira para tentar intimidar sindicalistas que lutam contra o fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados, em Araucária, no Paraná, afirmam diretor da FUP

Publicado: 27 Janeiro, 2020 - 12h05 | Última modificação: 27 Janeiro, 2020 - 17h39

Escrito por: Redação CUT

notice

A gestão da Petrobras levou seis homens armados para acompanhar a audiência, realizada na sexta-feira (24), no Ministério Público do Trabalho (MPT) do Paraná, com representantes dos trabalhadores e da petroleira. O objetivo da reunião foi discutir os impactos da demissão em massa de mil trabalhadores e outras consequências que o fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), empresa subsidiária da Petrobrás com sede em Araucária, podem provocar.

Para os sindicalistas, que solicitaram que o fato fosse registrado na ata da audiência, a Petrobras tentou intimidar os representantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Petroquímicas do Estado do Paraná (Sindiquímica-PR) que estão lutando para impedir a demissão sumária dos trabalhadores da Fafen-PR, com graves consequências também para a economuia da região.

“A própria gestão da Petrobrás assumiu que os capangas eram contratados dela e isso foi registado em ata. Estavam lá para intimidar a entidade sindical que luta contra as demissões. Precisamos denunciar isso, porque o fascismo instalado no Governo Federal não vem sendo compreendido por muitas pessoas,” denunciou o diretor da FUP e do Sindiquímica-PR, Gerson Castellano, em vídeo distribuído nas redes sociais. 

“Isso é fascismo”, disse. 

Ocupação da Fafen-PR completa sete dias

Os trabalhadores da Fafen-PR ou Araucária Nitrogenados (ANSA),  estão ocupando a sede da empresa há 7 dias. No dia 1º de fevereiro eles vão participar da greve por tempo indeterminado, convocada pela FUP em todo o país, para impedir o fechamento da unidade.

Os petroleiros se revezam em protesto silencioso e estratégico, acorrentados no portão de entrada e fazendo toda manutenção dos equipamentos, para impedir o esvaziamento da unidade e seu completo fechamento, explicou  Gerson Castellano.

Sindiquimica-PRSindiquimica-PR

Sobre a audiência no MPT

O MPT marcou a audiência depois que o Sindiquímica-PR) e a FUP denunciaram a falta de transparência da decisão de fechar a unidade,  o desrespeito ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) firmado com a empresa e a diferença entre o processo de encerramento das atividades da Fafen-PR e de outras unidades da empresa que funcionam na Bahia, Sergipe e Mato Grosso do Sul.

O MPT determinou que a diretoria da Fafen apresente o planejamento detalhado do encerramento das atividades da fábrica, o plano de gerenciamento de risco relacionado à gestão dos resíduos tóxicos e radioativos, a formalização do pacote de benefícios compensatórios oferecido aos empregados e outras informações que serão úteis na investigação que será promovida pela procuradoria. A empresa se comprometeu a apresentar um prazo para a entrega de cada documento solicitado até a próxima terça-feira (28/01).

Confira aqui o relator da assessoria do MPT sobre a audiência.