• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

República Saarauí promove III Conferência Internacional

“A Cultura a serviço da libertação e do progresso”

Publicado: 09 Fevereiro, 2015 - 11h47

Escrito por: Leonardo Severo

O Ministério da Cultura da República Saarauí está promovendo entre os dias 24 e 26 de fevereiro a III Conferência Internacional “A Cultura a serviço da libertação e do progresso”, evento realizado no marco do 38º aniversário da proclamação da República, reconhecida até o momento por mais de 80 países.

No dia 14 de novembro de 1975, com o general Francisco Franco ainda vivo, foi firmado um acordo entre a Espanha e o Marrocos pelo qual o regime fascista transferia, sob a forma de “território autônomo”, o Saara Ocidental à monarquia. Tal acordo é considerado ilegal pela ONU, uma vez que afronta a política de descolonização da instituição.

Assim, em defesa da justiça e da liberdade, em 1976 foi criada a Frente Polisário, que proclamou a independência do Saara Ocidental, criando a República Árabe Saarauí Democrática.

Aliada da OTAN e com tratado bilateral com os EUA, a monarquia marroquina conta com apoio militar de Israel. Além de contribuírem na repressão, os sionistas respaldam e participam das invasões militares. Da mesma forma que agem contra os palestinos, os israelenses também auxiliam a monarquia na manutenção do muro de dois mil quilômetros que rasga de norte a sul o território saarauí.

“Temos um muro que nos divide, onde estão alocados 117 mil soldados marroquinos e seis milhões de minas terrestres. Há uma separação entre a parte ocupada com a parte liberada, equivalente a 32% do território”, denunciou Karin Lagdaf, representante da Frente Polisário no Brasil. De acordo com o dirigente, o Marrocos explora as riquezas naturais do país ao mesmo tempo em que mantém centenas de milhares de saarauís completamente à margem. “Quem luta é condenado a penas de 25 a 30 anos pelo governo marroquino, quando não é submetido à prisão perpétua”, sublinhou Karin, alertando para o agravamento da situação dos direitos humanos e reiterando a importância da solidariedade internacional.

carregando
carregando