• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

PT propõe seguro-quarentena de R$ 1.045 para 100 milhões de brasileiros

Para direção do partido, é preciso atender beneficiários do Bolsa Família, pessoas inscritas no Cadastro Único e a todos os trabalhadores informais e de baixa renda

Publicado: 24 Março, 2020 - 15h23 | Última modificação: 24 Março, 2020 - 15h25

Escrito por: Redação CUT

reprodução
notice

O Partido dos Trabalhadores lançou um projeto de Seguro Básico Emergencial para garantir um salário mínimo a metade da população brasileira durante o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) que já infectou quase duas mil pessoas no país.

De acordo com a proposta, o governo federal deve garantir R$ 1.045 de renda a 100 milhões de brasileiros que precisam permanecer em casa para diminuir a disseminação da doença.

Pela proposta do PT, o Seguro Quarentena deverá atender os beneficiários do Bolsa Família, as pessoas inscritas no Cadastro Único e a todos os trabalhadores informais e de baixa renda.

 “Quem pode bancar a conta é o Estado brasileiro. É para esse tipo de emergência que o governo deve atuar”, diz Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social do governo Dilma Rousseff. “Está é a hora de ajudar a todos. Todo mundo importa”.

O Núcleo de Políticas Publicas do PT está detalhando a proposta do Seguro Quarentena e buscando trabalhar em conjunto com uma ampla frente democrática para salvar vidas. Tereza lembra que a emergência sanitária atinge de forma desigual a população de baixa renda, em especial os pobres e extremamente pobres. “A proposta apresentada pelo governo Bolsonaro de conceder abono de R$ 200 para o público do Cadastro Único é um acinte. Mostra que eles desconhecem o Brasil”, alerta a ex-ministra. “Precisamos dar dinheiro às famílias para mantê-las seguras dentro de casa e em segurança alimentar. Pagar para que elas parem”, justificou.

Para a presidenta do PT, Gleisi Hoffman, o governo federal atua de maneira tímida e perversa, como no caso da Medida Provisória (MP) nº 927, que suspendia os contratos de trabalho por até 120 dias, sem pagamento de salários. Depois da pressão da CUT, parlamentares e da sociedade, o governo recuou e tirou da MP este item, mas manteve outros que representam uma reforma Trabalhista que, novamente, prejudica os trabalhadores. A CUT e demais centrais pedem que Congresso devolva MP ao governo sem nem analisar.

Gleisi criticou a iniciativa do governo por não contemplar os beneficiários do Bolsa Família, que recebem menos de R$ 200, justamente os mais pobres entre os pobres. De acordo com a presidente do PT, "o público do Bolsa Família é de trabalhadores que também terão sua renda interrompida com a crise, e que portanto também necessitam ser socorrido neste momento".

"Além disso, os trabalhadores informais não estão no Cadastro Único. Eles precisam ser contemplados, pois vão perder sua fonte de renda e de sustento no momento em que a economia brasileira vai parar. Vivemos uma guerra e precisamos do governo ajudando as pessoas", complementou.

Saiba como é a proposta do Seguro Quarentena

Dinheiro para o povo enfrentar a emergência sanitária do coronavírus

  1. Todas as famílias em risco social descritas abaixo passam a ter o direito de receber o valor de um salário mínimo – R$ 1.045 – por mês.

Quem tem direito ao benefício:

  • Famílias do Bolsa Família – beneficiários receberão complemento ao benefício para que nenhuma família receba menos que R$ 1.045
  • Pessoas inscritas no Cadastro Único
  • Famílias com trabalhadores informais não inscritos no Cadastro Único, mas que devido à crise tenham perfil de renda compatível.
  1. Recursos deverão ser repassados imediatamente ao público do Bolsa Família
  2. Para viabilizar o repasse aos demais públicos, o governo implantará aplicativo ou usará cartão para viabilizar o acesso aos recursos:
  • Famílias no Cadastro Único poderão informar conta bancária do chefe de família
  • Famílias não inscritas poderão fazer o cadastramento remoto para futura conferência.
  • Governo implantará procedimento simplificado via aplicativo para que as famílias se cadastrem ou atualizem seus cadastros de forma a viabilizar os pagamentos imediatamente.
  1. Os recursos serão repassados mensalmente pelo período que durar a emergência sanitária

*Com informações do PT