• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Professores do PR desocupam assembleia e iniciam greve de fome

Educadores querem que o governador Ratinho Junior sente na mesa de negociação e discuta a pauta da categoria

Publicado: 19 Novembro, 2020 - 15h37

Escrito por: Redação CUT

APP-Sindicato
notice

Cerca de 75 professores e funcionários de escolas públicas do Paraná deixaram, na manhã desta quinta-feira (19), o prédio da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), que haviam ocupado no fim da tarde desta quarta-feira (18), e seguiram em caminhada, com outras 300 pessoas que aguardavam do lado de fora, até a frente do Palácio Iguaçu, sede do governo do estado.

Um grupo de profissionais decidiu iniciar uma greve de fome e permanecer em frente ao Palácio até uma resposta positiva sobre a pauta que a categoria quer negociar com o governador Ratinho Júnior (PSD) e seus secretários.

Outro grupo realiza, ainda nesta quinta, uma reunião com deputados, integrantes do governo e da APP-Sindicato (sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná).

A pauta da categoria inclui a revogação do Edital 47, que prevê a realização de uma prova para contratação de funcionários temporários para a educação. Seriam aproximadamente 90 mil pessoas envolvidas em plena pandemia do novo coronavírus.

A categoria também cobra a realização de concurso público, uma das promessas de Ratinho Júnior, além do pagamento de promoções e progressões atrasadas e outras demandas relacionadas à educação pública e a suspensão da militarização de escolas e a revogação da terceirização de funcionários.

A revogação da militarização das escolas, sobretudo, nos colégios noturnos, é uma pauta importante para categoria, que alerta: a legislação aprovada pela própria Assembleia Legislativa proíbe esta prática.

“Não dá para deixar milhares de estudantes que estão ficando sem matrícula para a continuidade dos seus estudos”, disse o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão.

Professores reagem duramente ao anúncio de militarização das escolas do Paraná