• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Prévia da inflação de outubro registra a maior alta para o mês desde 1995

Entre os produtos que tiveram mais reajustes de preços estão as carnes, com aumento de 4,83%, que registrou a quinta alta seguida, o óleo de soja (22,34%) e o arroz (18,48%)

Publicado: 23 Outubro, 2020 - 12h44 | Última modificação: 23 Outubro, 2020 - 13h00

Escrito por: Redação CUT

Agência IBGE de Notícias
notice

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), uma prévia da inflação oficial, ficou em 0,94% em outubro, o maior resultado para o mês desde 1995. O indicador acumula alta de 2,31% e em 12 meses atingiu 3,52%, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A maior pressão no índice foi dos alimentos e bebidas que subiram 2,24%. Entre os produtos que tiveram mais reajustes estão as carnes, com aumento de 4,83%, que registrou a quinta alta seguida, o óleo de soja (22,34%), o arroz (18,48%), o tomate (14,25%) e do leite longa vida (4,26%). Foram registradas queda nos preços da cebola (-9,95%) e da batata-inglesa (-4,39%).

O grupo dos Transportes teve a segunda maior variação em outubro (1,34%), puxado pelas passagens aéreas, que subiram 39,90% e contribuíram com 0,13 p.p. no IPCA-15 do mês. Houve altas em todas as áreas, variando desde os 21,66% de Porto Alegre até os 49,71% de Curitiba.
O segundo maior impacto (0,04 p.p.) veio da gasolina (0,85%), sua quarta alta consecutiva, embora menos intensa que no mês anterior (3,19%).

Ainda no grupo dos Transportes, os preços do seguro voluntário de veículo subiram 2,46%, após sete meses consecutivos de quedas. Apenas ônibus interestadual (-2,73%) e gás veicular (-1,36%) tiveram variações negativas.

Os Artigos de residência subiram 1,41%, acelerando em relação a setembro (0,79%), com altas em todos os itens, destacando-se mobiliário (1,75%) e TV, som e informática (1,68%).

Após recuar 0,27% em setembro, o grupo de Vestuário teve alta de 0,84%, puxado por roupas masculinas (1,31%) e infantis (1,07%). Já os preços de roupas femini-nas caíram 0,10%. As joias e bijuterias subiram 1,73%, acumulando alta no ano de 10,68%.

Em Habitação (0,40%), o maior impacto (0,02 p.p.) veio do gás de botijão, alta de 2,07%. Já o gás encanado recuou 0,17%; taxa de água e esgoto subiu 0,16%, e energia elétrica subiu 0,11%.

Em outubro, o IPCA-15 subiu em todas as localidades pesquisadas. O maior resultado foi o da região metropolitana de Fortaleza (1,35%), puxado pelos preços do arroz (23,02%), das carnes (4,79%) e da gasolina (2,78%). Já a menor variação foi a da região metropolitana de Salvador (0,43%), por conta da queda nos preços da gasolina (-5,87%).

Com informações da Agência IBGE.