• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Presidente do TRT-RJ cassa liminar que suspende privatização de distribuidoras

Para atender os interesses do governo golpista e da direção da Eletrobras, presidente do Tribunal ignorou decisão de uma juíza e uma desembargadora a favor dos trabalhadores

Publicado: 13 Junho, 2018 - 17h37

Escrito por: Rosely Rocha, especial para Portal CUT

Reprodução EBC
notice

 

O presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT1), desembargador Fernando Antonio Zorzenon da Silva, decidiu a favor da Advocacia Geral da União (AGU), e da Eletrobras acatando um mandado de segurança que  derruba a decisão de suspensão da desestatização.

O presidente do TRT1 cassou a liminar da própria corte que suspendeu a privatização de distribuidoras da Eletrobras até a apresentação de estudo de impacto sobre os trabalhadores do setor.

Na semana passada, a juíza Raquel de Oliveira Maciel, da 49º Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, determinou a suspensão do processo de desestatização até que as empresas apresentassem estudo de impacto nos empregos dos funcionários das distribuidoras de energia, em caso de alienação ou liquidação das empresas.

A Ação Cível Pública Trabalhista havia sido proposta pelos sindicatos dos trabalhadores das empresas de distribuição de energia elétrica: STIU-AM, STIU-AC, SINTEPI, SINDUR-RO e STIU-AL.

“A decisão do presidente do Tribunal de cassar a liminar nos causa estranheza, pois nunca soubemos na história do TRT que o presidente do órgão tenha sido contrário à decisão de uma juíza e de uma desembargadora”, diz Nailor Gato – coordenador do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) e presidente do STIU–RO.

Segundo ele, a categoria vai recorrer da decisão impetrando um agravo ao órgão especial do TRT para que se posicione sobre a decisão do presidente de cassar a liminar favorável aos trabalhadores.

O caso

Na última sexta-feira (08), os advogados do escritório Garcez despacharam com a desembargadora do TRT-RJ, Giselle Bondim. Na  última segunda-feira (11), a Justiça divulgou o indeferimento da liminar da AGU e confirmou a decisão proferida anteriormente.

Segundo Felipe Gomes da Silva Vasconcellos, advogado do escritório Garcez, que atende os sindicatos dos eletricitários, é “preocupante que o Presidente do TRT simplesmente ignore as duas decisões, da juíza e da desembargadora e, sem ouvir os trabalhadores, suspenda de forma arbitrária da liminar conferida e mantida pela Tribunal".

Já para o advogado Maximiliano Nagl Garcez, que também representa os sindicatos, há “uma enorme capacidade do movimento sindical brasileiro de resistir aos desmandos do governo golpistas tanto nas ruas como nos tribunais.”

carregando