• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Petroleiros dão início à vigília itinerante em defesa da Petrobras e da Bahia

Objetivo é mostrar para sociedade a importância da estatal para o crescimento econômico, comercial e industrial do estado

Publicado: 29 Julho, 2020 - 16h26 | Última modificação: 29 Julho, 2020 - 16h38

Escrito por: Carol Athayde, do Sindipetro-BA

Reprodução
notice

A partir dessa sexta-feira (31), o Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA) dá inicio à uma vigília itinerante em defesa da Petrobras com o objetivo de chamar  a atenção da sociedade para  a importância da estatal para a garantia do crescimento econômico, comercial e industrial do estado.

A vigília terá como ponto de partida a cidade do Salvador. Diretores do Sindipetro, respeitando as regras de distanciamento social devido à pandemia da Covid-19, embarcarão em um ônibus que será “envelopado” com um grande adesivo com o slogan “Vigília itinerante em defesa da Petrobras e da Bahia”. Eles estarão em frente ao edifício Torre Pituba, onde funcionava a sede administrativa da empresa. No local, realizarão um ato que dará inicio à vigília. 

Esse ônibus circulará pelas unidades que fazem parte do Sistema Petrobras – na capital e interior do estado. Em cada um desses municípios será feita uma vigília em frente à unidade da estatal e também uma manifestação no centro da cidade.

Durante todo o trajeto, a diretoria do Sindipetro, preocupada com a pandemia da Covid-19, distribuirá máscaras de tecido e álcool em gel para as pessoas mais necessitadas, que têm dificuldades financeiras e não conseguem comprar  esses produtos de prevenção tão essenciais no momento atual.  

“A vigília é também a reação da categoria petroleira ao desmonte e privatização predatória e irresponsável, implementados em ritmo acelerado pelo governo de Bolsonaro e Guedes” afirma o diretor de comunicação do Sindipetro, Radiovaldo Costa, que embarcará no ônibus com outros petroleiros. Ele explica que a Bahia é um dos estados mais afetados pela política de desinvestimento da Petrobrás e que “pouco ou nada restará da estatal no estado onde foi descoberto o petróleo e nasceu a Petrobrás”.

Apenas na gestão de Castello Branco, 16 unidades, entre campos de águas profundas, de águas rasas, terrestres, refinarias e subsidiárias foram vendidos. De acordo com estudo elaborado pelo DIEESE, com base nas informações divulgadas ao mercado pela Petrobrás, 34 ativos – 31 no Brasil e 3 no exterior -  estão na fase mais avançada de venda (vinculante). Na fase inicial (teaser e não vinculante) a soma é de 15 ativos.

Uma das unidades postas à venda é a Refinaria Landulpho Alves, que pode ser adquirida por um conglomerado internacional dos Emirados Árabes, o Mubadala Investment Company.

Para Radiovaldo, a Bahia terá uma perda imensurável se a venda da Rlam for concretizada. “Um grupo de investidores terá logicamente como interesse o lucro. Dificilmente veremos esse grupo investir em ações sociais que amenizem a situação das comunidades carentes que vivem no entorno da refinaria e os consumidores podem se preparar, pois a tendência é que os preços da gasolina, diesel e gás de cozinha sejam  ainda mais altos, pois não haverá o Estado para fazer intervenções se houver extrapolação de valores cobrados”, pontua.

O sindicalista lembra que pesquisas apontam que a maior parte da população é contra a privatização da Petrobrás, “mas muita gente não entende o que de fato essa privatização pode representar para as suas vidas, para o seu dia a dia, e nós vamos explicar. Queremos acender no coração do brasileiro o amor a essa grande empresa que sempre foi motivo de orgulho. A verdade é que mancham o nome da Petrobrás e a desmontam para vendê-la a preços módicos, causando grande prejuízo ao Brasil”, afirma.

“Com essa vigília, vamos aonde o povo está para mostrar à população porque o Brasil precisa da Petrobrás enquanto empresa pública e integrada para garantir a soberania e o desenvolvimento do país”, ressalta o coordenador do Sindipetro, Jairo Batista.     

Veja o calendário da Vigília:

31 de julho (sexta) - Salvador – Torre Pituba

3 de agosto (segunda) - Itabuna - Osub

4 de agosto (terça) - Jequié - Transpetro

5 de agosto (quarta) - Candeias – OP-Can e Petrobrás Biodiesel

6 de agosto (quinta) - São Francisco do Conde - Rlam

7 de agosto (sexta) - Madre de Deus -Temadre

10 de agosto (segunda) - São Sebastião do Passé – Taquipe

11 de agosto (terça) - Catu - Santiago

12 de agosto (quarta) - Mata de São João

13 de agosto (quinta) - Camaçari - Fafen

14 de agosto (sexta) - Alagoinhas – Buracica

17 de agosto (segunda) - Entre Rios – Bálsamo

18 de agosto (terça) – Araças – Unidade de Araças

19 de agosto (quarta) – São Francisco do Conde - Refinaria Landulpho Alves (Rlam).