• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Petroleiros alertam que intransigência da Petrobrás pode causar desabastecimento

Em vídeo, trabalhadores denunciam: presidente da estatal quer colocar população contra o movimento grevista, que luta por empregos, melhores preços de gás de cozinha, gasolina e diesel para os brasileiros

Publicado: 13 Fevereiro, 2020 - 17h41 | Última modificação: 13 Fevereiro, 2020 - 18h04

Escrito por: Redação CUT

Divulgação
notice

Os petroleiros alertaram a sociedade, nesta terça-feira (13), que a intransigência da Petrobras, que não quer negociar com a categoria que está em greve desde o dia 1º contra mil demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), de Araucária, no Paraná, pode provocar desabastecimento de derivados de petróleo (gás de cozinha, a gasolina, o diesel) em algumas regiões do país na próxima semana.

Em vídeo, a categoria diz que a direção da Petrobras está agindo de forma premeditada. Segundo ele, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, quer colocar a população contra os trabalhadores e as trabalhadoras, culpando os grevistas por um possível desabastecimento.  

“A Petrobrás, no entanto, não aceita negociar com os sindicatos e tenta criminalizar a greve dos petroleiros, mentindo para o Judiciário”, denuncia o secretário de Assuntos Jurídicos e Institucionais da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar.

“Buscamos cumprir as condições determinadas pela Justiça, mas a atual gestão não quer permitir que assumamos os efetivos das unidades para aumentar a produção e reduzir os preços dos derivados de petróleo”, afirma o sindicalista se referindo a outra pauta de reivindicação da categoria que é pelo preço justo.

Segundo ele, a Petrobrás tem o papel social de abastecer a população brasileira, mas a atual gestão da empresa quer mudar isso.

“O fechamento de fábricas e a venda de refinarias aumentam o desemprego no país e pesam no bolso da população, que já sofre com os preços abusivos dos combustíveis. O que queremos é garantir os empregos e preços justos para o gás de cozinha, a gasolina, o diesel”, afirma.

Confira no vídeo abaixo a íntegra do alerta: