• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Petrobras quer demitir mais de 15 mil trabalhadores

Petrobras quer demitir 34% da força de trabalho da estatal, diminuindo de 45,5 mil para 30 mil o número de trabalhadores e trabalhadoras. Objetivo é baratear custo para vender o patrimônio público, diz Bacelar

Publicado: 14 Julho, 2020 - 17h58 | Última modificação: 14 Julho, 2020 - 19h20

Escrito por: Rosely Rocha

Tânia Rego / Agência Brasil
notice

Em mais um ataque ao patrimônio público nacional, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, quer demitir 15.470 trabalhadores e trabalhadoras  da estatal com um único objetivo: tornar mais barata e atrativa para o mercado financeiro o valor a ser pago pelos ativos da estatal.

Para atingir a meta, a empresa deve desligar até o ano que vem cerca de 10 mil trabalhadores pelos programas de demissão voluntária (PDVs). Eles representam 22% do quadro da Petrobras.

Os demais demitidos, até ser atingida a meta de 34% do quadro funcional, deverão sair quando forem vendidas as refinarias, termoelétricas, petroquímicas, entre outros ativos da estatal, ou ainda, “incentivados” a aderir ao Programa de Aposentadoria Incentivada (PAI), com vigência até 31 de dezembro de 2023. A ideia da direção da empresa é diminuir dos atuais 45,5 mil trabalhadores para 30 mil pessoas. O mesmo número da década de 1990.

De acordo com o Coordenador-Geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, quando Lula assumiu a presidência da República a  Petrobras tinha pouco mais de 30 mil trabalhadores e era forte apenas na exploração e produção de petróleo. E tudo o que foi construído nos governos do PT como as fontes de energia renováveis, as petroquímicas, as refinarias, o biocombustível, os campos de águas rasas e terrestres estão sendo destruídos, diz o dirigente.

O processo de venda da Refinaria Landulpho Alves (Relan) em São Francisco do Conde, a 70 km de Salvador, Bahia, que avançou e coloca em risco o emprego de 872 trabalhadores concursados e outros 1.500 terceirizados, além da economia da cidade, já que comércio vive em torno da refinaria, é um dos exemplos citados por Bacelar.

Segundo ele, quem vai pagar é a população, pois com a venda é possível que os compradores utilizem o parque de tanques apenas para estocar óleo diesel, gasolina e gás GLP, comprados do exterior e toda a Bahia, parte do Nordeste e norte de Minas Gerais que dependem do fornecimento da Relan vão ter de comprar pelo preço que os novos donos quiserem.

“Neste momento de pandemia da Covid 19, as empresas de petróleo e energia que conseguirem atravessar a turbulência serão as fortes e grandes. Com a privatização e demissões, a Petrobras se tornará uma empresa pequena, sem influência na geopolítica mundial do petróleo que é suscetível ao dólar e ao preço do barril. Se ela mantiver as áreas de refino, logística e distribuição terá maior resiliência para atravessar este período turbulento”, acredita Bacelar.

O dirigente da FUP lamenta a perda não só dos milhares de empregos, mas também do patrimônio intelectual duramente construído para  que a Petrobras fosse uma das maiores empresas do setor no mundo, responsável por grandes obras que resultaram em milhares de outros empregos como na construção naval, de plataformas e toda uma cadeia de indústrias e comércio que giravam em torno da estatal. 

“A Petrobras perde com a saída desses trabalhadores, uma base intelectual muito importante que construiu o que é hoje a empresa. A direção quer demitir quem tem mais de 30/35 anos de casa. É um conhecimento que está sendo mandado embora sem que haja tempo para que ele seja transferido aos novos trabalhadores, até porque não há concursos públicos para a Petrobras”.

Nos PDVs de 2014, 2016 e 2019 saíram 17.600 pessoas. De acordo com o dirigente da FUP, em 2012, houve um percentual significativo de pessoas saindo com mais tempo de Petrobras: 41% tinham mais de 20 anos de empresa. E em 2019, o número de trabalhadores com mais de 20 anos de Petrobras cai para apenas 21%. Em 2012, 52% tinham menos de 10 anos de casa, e em 2019, apenas 25% tem esse tempo na empresa.

E é este conhecimento que descobriu a tecnologia de prospecção em águas profundas, que só a Petrobras tem no mundo, que está indo embora. A Petrobras descobriu o pré-sal em 2006 e, em 2018 já estava produzindo mais de 1,5 milhão de barris/dia, na área do pré-sal. Isso é fruto da engenharia da tecnologia desenvolvida pelos trabalhadores da Petrobras.

Quando você não dá tempo de transferir o conhecimento dos mais experientes para os mais jovens, você sujeita uma empresa do porte da Petrobras a ter mais acidentes, seja no meio ambiente, seja nas cidades em que ela opera
- Deyvid Bacelar

Governo utiliza pandemia para fazer demissões

E no meio de tudo isso ainda existe a pandemia do coronavírus que o governo, se aproveita para privatizar a Petrobras. Segundo Deyvid Bacelar, a lógica da direção da empresa é a mesma do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que durante reunião ministerial, em abril deste ano, disse que era para aproveitar que a imprensa estava focada na cobertura da Covid -19 para passar a “boiada” numa série de normas e desregulamentar o setor.

“É pra passar a boiada, as demissões, e acelerar o processo de privatização.  E nós perderemos outros 15 mil devido a esses planos, entre aspas, voluntário. Por que entre aspas? Porque nós temos áreas sendo vendidas, pessoas sendo  compulsoriamente transferidas, alguns com suas famílias instaladas, pessoas que já trabalham nessas regiões, filhos nas escolas. Sim, há uma ruptura nos Recursos Humanos, na gestão da empresa, onde ao invés de se reter talentos, há um movimento contrário, que trará um impacto nas áreas de desenvolvimento, de novas tecnologias e de conhecimento técnico da própria empresa”, alerta Bacelar.

Vitórias importantes dos petroleiros

Apesar do desmonte que vem sendo feito na Petrobras, os petroleiros continuam na luta e conquistaram recentemente uma importante vitória no Congresso Nacional

Em documento assinado pelo presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM/AP) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), foi ingressado um pedido de Tutela Provisória para que o Supremo Tribunal Federal (STF) afirme que a criação artificial de subsidiárias, isto é, desmembrar a empresa-matriz para posterior venda, se configura desvio de finalidade, sendo prática proibida e inconstitucional.

“Fizemos uma greve forte em fevereiro e agora vamos realizar o Congresso Nacional da FUP, o Confup, com 300 delegados e delegadas do Brasil para definirmos nossa Pauta Reivindicatória em Defesa de nossos Direitos, dos Empregos gerados pela Petrobrás, da Soberania Nacional com articulação política e pressão no STF e Congresso Nacional, bem como em Defesa da Democracia no Brasil”, diz Bacelar.

O 18º Congresso Nacional da FUP será realizado nesta quarta-feira (15) , mas em função da pandemia da covid-19, será 100% virtual, com palestras, debates e votações realizadas através de plataformas digitais. 

O ex- presidente Luiz Inácio Lula da Silva participará de debate ao vivo com a categoria, como convidado do painel “Conjuntura, democracia brasileira e desafios da esquerda”, que será realizado às 15h, com transmissão ao vivo pelos canais da FUP no Youtube e Facebook.