• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Petrobras aumenta os preços da gasolina e do gás de cozinha em 7,2%

No acumulado nos últimos 12 meses até setembro, a gasolina subiu 39,6% no país e o gás de botijão avançou 34,67%, segundo IPCA, do IBGE, divulgado nesta sexta. No DF, Lula criticou PPI

Publicado: 08 Outubro, 2021 - 15h22 | Última modificação: 08 Outubro, 2021 - 17h19

Escrito por: Redação CUT

Edson Rimonatto/CUT
notice

Os preços da gasolina e do gás de cozinha, que já estão contribuindo para a disparada da inflação no país e vão aumentar de novo, foram criticados pelo ex-presidente Lula, em Brasília, nesta sexta-feira (8). 

Enquanto a Petrobras anunciava aumentos de 7,2% nos preços da gasolina e do GLP em suas refinarias, Lula dava entrevista coletiva à imprensa e criticou a Política Internacional de Paridade Internacional (PPI) adotada pela  Petrobras, em 2016.

De acordo com Lula, não existe nenhuma razão para que o preço do combustível brasileiro ser internacionalizado e seguir a variação do barril de petróleo e do dólar. "Nós somos autossuficientes. Tínhamos refinarias de alta qualidade e construímos gasodutos nesse País".

O ex-presidente criticou a estrutura que foi desmontada para atender os interesses dos acionistas em detrimento dos consumidores e trabalhadores brasileiros.

Novo reajuste

O litro da gasolina vai subir de R$ 2,78 para R$ 2,98, nas refinarias. Com isso, o litro da gasolina que hoje chega a custar até R$ 7 reais em postos de combustíveis de algumas regiões do país, vai subir mais ainda.

Já o quilo do gás de cozinha passará de R$ 3,60 para R$ 3,86. Nas refinarias, os 13 quilos de um botijão custarão o equivalente a R$ 50,15.

Hoje, um botijão de gás nas distribuidoras custa mais de R$ 100 em alguns municípios e muita gente já não consegue comprar.

Os novos preços valem a partir deste sábado (9).

Na semana passada, a estatal subiu o preço do diesel em 8,9%, no primeiro reajuste depois de 85 dias.

Alta nos preços do combustíveis pressionam a inflação

Em setembro, pressionada pelos constantes aumentos dos preços dos combustíveis, a inflação oficial do Brasil foi a mais alta desde 1994.

Segundo dados divulgados nesta sexta (8), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em setembro o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou para 1,16% e passou dos dois dígitos no acumulado de 12 meses chegando a 10,25%.

De acordo com o IBGE, no acumulado nos últimos 12 meses até setembro, a gasolina subiu 39,6% no país e o gás de botijão avançou 34,67%.