• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Pesquisa comprova: 'empreender' é uma luta desesperada pela sobrevivência

De acordo com pesquisadora Ludmila Costhek Abílio, da Unicamp, se a pessoa que está na informalidade não se virar e fizer o que aparecer para conseguir sobreviver, ela morre

Publicado: 25 Fevereiro, 2019 - 11h55 | Última modificação: 28 Fevereiro, 2019 - 15h20

Escrito por: Redação CUT

Reprodução
notice

Pesquisa qualitativa realizada pela Fundação Perseu Abramo, divulgada nesta segunda-feira (25), mostra que, para a maioria dos trabalhadores e trabalhadoras, o que a mídia e o governo definem, e exaltam, como “empreendedorismo” dos brasileiros é, na verdade, uma luta desesperada e diária pela sobrevivência, muito distante do mito de “liberdade” e de “trajetória de sucesso”. Os entrevistados também disseram que, depois do golpe de 2016, a vida piorou. Na época, além de entrarem na universidade, não tinham medo do desemprego.

O estudo, realizado no segundo semestre de 2018, revisitou 16 anos de trajetória laboral de 31 trabalhadores e trabalhadoras da construção civil, motoboys, vendedores ambulantes, manicures e trabalhadoras domésticas de diferentes regiões do Brasil.

Os resultados demonstram que não é a experiência e o aprendizado que necessariamente trarão melhoria das condições de vida para quem não têm vínculos empregatícios formais.

“A instabilidade permanente vira uma forma de vida para esses trabalhadores que estão na informalidade”, comenta Ludmila Costhek Abílio, coordenadora da pesquisa, doutora em Ciências Sociais pela Unicamp, onde trabalha como pesquisadora no Centro de Estudos Sindicais e Ciências do Trabalho (Cesit). 

Essas pessoas fazem inúmeras coisas ao mesmo tempo e podem mudar tudo no dia seguinte. Isso que estão chamando de ‘empreendedorismo’ nada mais é que uma gestão para garantir a sobrevivência. Se a pessoa que está na informalidade não fizer isso, ela morre
- Ludmila Costhek Abílio

O levantamento realizado pela Fundação Perseu Abramo também identificou os impactos das novas tecnologias na vida dessas pessoas, o surgimento de novas formas de associativismo em alguns desses setores e o aprofundamento da solidão em outros.

A queda do padrão de rendimentos e o aumento das horas dedicadas ao trabalho depois do golpe de 2016 é outro resultado da pesquisa. Essa tendência de maior esforço e menores resultados deve se ampliar a partir da chamada reforma Trabalhista, que institucionaliza a precarização do trabalho, legalizando-o, e também se for aprovada a reforma da Previdência proposta pelo atual governo, vista por analistas como um estímulo à informalidade.

Vida piorou depois do golpe de 2016

Nos governos dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, deposta dois anos depois de ter sido legitimamente eleita por mais de 52 milhões de brasileiros, os entrevistados disseram que tinham uma vida melhor, mais oportunidades para entrar na faculdade e comprar a casa própria e que não tinham medo do desemprego.

Nesse período, o Brasil chegou ao pleno emprego. Quando Lula assumiu em 2003, o país registrava taxa de 10,5% de desemprego. Quando terminou o segundo mandato de Lula, em 2010, a taxa era de 5,3%. Em 2014, final do primeiro mandato de Dilma, a taxa tinha caído para 4,3%.

Domésticas e manicures relataram que suas vidas mudaram durante os governos dos ex-presidentes Lula e Dilma. Falaram sobre a entrada delas ou dos filhos em universidades públicas federais ou em particulares por meio do ProUni; conquista da casa própria via financiamento ou Minha Casa Minha Vida; além do aumento do poder de compra. Nos governos do PT não tinham medo de perder o emprego. A situação começou a mudar após o golpe, com estagnação do mercado de trabalho.

Dois ambulantes entrevistados viram melhora nos negócios apesar da crise. Segundo eles, o desemprego e a piora na renda fizeram com que aumentasse o número de “sacoleiros”, seus principais clientes na madrugada. Os outros todos estão com grandes dificuldades financeiras.

No caso dos mototaxi/motoboy, a crise é evidente em todas as entrevistas e, segundo eles, a piora do mercado se dá tanto pela crise quanto pela atuação mais agressiva dos aplicativos.

Condições de trabalho

Sobre as condições de trabalho, a pesquisa constatou que não melhorou significativamente na última década. As domésticas e manicures, por exemplo, relataram ter melhorado suas condições de trabalho, seja diminuindo, quase que involuntariamente a jornada.

No caso das domésticas, ainda que às custas da formalidade, seja com melhores acessos a clientes, e até a conquista do negócio próprio no caso das manicures. Já os ambulantes relataram que o trabalho segue exaustivo e por muitas vezes degradante. Houve momentos de aumento de faturamento e consequentemente da renda, mas sempre com jornadas de mais de 10 horas por dia e nenhum grau de seguridade social.

Com apoio da assessoria de imprensa da FPA  

carregando
carregando