• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Pelo menos cinco estados antecipam calendário de vacinação contra Covid. Veja quais

Governadores e prefeitos “disputam” imunização e, na prática, todos ganham no momento em que o Brasil se aproxima de 500 mil vidas perdidas para a Covid-19 desde o início da pandemia, em março de 2020

Publicado: 16 Junho, 2021 - 07h55 | Última modificação: 16 Junho, 2021 - 09h23

Escrito por: Walber Pinto

Tania Regô/Agência Brasil
notice

O temor de uma terceira e mais letal onda do novo coronavírus e o risco de disseminação da nova cepa indiana, que já está no Brasil, levou pelo menos cinco estados a anteciparem o calendário de vacinação contra a Covid-19, doença provocada pelo vírus. A corrida pela imunização gerou uma “disputa” do bem para ver quem vacina mais pessoas no Maranhão, São Paulo e Rio de Janeiro.

Na prática, todos ganham com a imunização no momento em que o Brasil se aproxima de 500 mil vidas perdidas desde o início da pandemia, em março de 2020, e a média diária de morte se aproxima mais uma vez  de 2 mil.

Estudo da Universidade de São Paulo e da Universidade Estadual Paulista, divulgado pela TV Globo, mostra que se o Brasil ampliasse para dois milhões de doses de vacinas aplicadas por dia, 20 mil vidas seriam salvas todo mês. O estudo aponta que 60 mil mortes poderiam ter sido evitadas nos últimos três meses caso o ritmo de vacinação fosse mais acelerado.

O atraso da vacinação no país é responsabilidade do governo Jair Bolsonaro (ex-PSL), que ignorou todos os e-mails de oferta de vacinas feitos pela Pfizer no ano passado, demorou até para comprar a CoronaVac, produzida pelo  Instituto Butantan, e investiu na produção de um medicamento inefiaz contra a doença, a cloroquina, no negacionismo e nas aglomerações.

 “Disputa pela imunização”

No Maranhão, aproveitando o mês das festas juninas que, pelo segundo ano consecutivo foram canceladas, o governador Flávio Dino (PC do B) promoveu um "arraial da vacinação" no estado. Quem fosse receber a primeira dose da vacina, ganhava de “brinde” um copo de mingau de milho. Dino aproveitou aépoca das festas de São João muito amada pelos maranhenses e pelos nordestinos em geral para antecipar o calendário de imunização.

Já em São Paulo, o governador João Doria (PSDB) divulgava seu plano de imunizar todos os paulistas acima de 18 anos até 15 de setembro.

Nesta segunda-feira (14), foi a vez do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD) anunciar a intenção de adiantar o cronograma de vacinação no Rio.

Segundo os balanços oficiais desses estados, o Rio de Janeiro lidera a "corrida" da imunizaçãocom 14,41% de sua população completamente imunizada — isto é, que recebeu as duas doses da vacina contra a Covid-19. São Paulo vêm logo atrás, com 12,89%, enquanto o Maranhão aparece com 7,91%.

Veja os estados que anteciparam a vacinação

Maranhão

O estado do Maranhão saiu na frente da imunização de adultos jovens. Na Grande Ilha de São Luís, por exemplo, o governador Flávio Dino anunciou que, no fim semana, começou a vacinar adultos maiores de 29 anos. A Grande Ilha inclui os municípios Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa. O estado acelerou a imunização depois da confirmação de um caso da cepa indiana no estado.

Assim como São Luís que poderá ser a primeira capital do país a ter toda a população adulta vacinada, a cidade de Alcântara, interior do estado, deve ser a primeira do estado do maranhão a vacinar praticamente toda a sua população com uma dose da vacina.

O cadastro para pessoas a partir de 25 anos para serem vacinadas na próxima semana na capital São Luís já começou. Segundo o secretário municipal de Saúde de São Luís, Joel Júnior, a intenção é aplicar a primeira dose em todos ludovicenses com mais 18 anos até o dia 10 de agosto.

São Paulo

O governador João Doria (PSDB) antecipou em um mês o calendário de vacinação contra a Covid-19. O anúncio foi feito neste domingo (13)na sede do governo paulista.

Segundo o governo, até 15 de setembro todos os adultos de São Paulo já terão recebido a primeira dose de vacina contra a Covid-19.

O calendário de vacinação no estado de São Paulo ficou assim:

. de 50 a 59 anos de idade, vacina de 16 a 22 de junho;

.  de 43 a 49 anos de idade, vacina de 23 a 29 de junho;

. de 40 a 42 anos de idade, vacina em 30 de junho a 14 de julho;

. de 35 a 39 anos de idade, vacina em 15 de julho a 29 de julho;

. de 30 a 34 anos de idade, de 30 de julho a 15 de agosto;

. de 25 a 29 anos de idade, de 16 a 31 de agosto;

. de 18 a 24 anos de idade, vacinação é entre 1º e 15 de setembro.

Rio de Janeiro

Com o avanço do calendário da vacinação contra a Covid-19 na cidade do Rio, quem tem 53 anos já pode ser imunizado. Até sexta-feira todos com 50 anos ou mais já terão recebido ao menos uma dose da vacina contra o coronavírus.

A quarta-feira será dedicado aos profissionais da educação e para quem trabalha no ensino superior e cursos profissionalizantes.

 O prefeito Eduardo Paes afirmou que caso o ritmo de vacinação se mantenha como o atual pode ser possível antecipar o calendário em até um mês, o que permitiria toda a população carioca acima de 18 anos ser vacinada até meados de setembro.

Pará

Em Belém, o calendário de vacinação contra Covid-19 foi alterado. A partir desta terça-feira (15) serão vacinadas pessoas nascidos em 1964, 1965, 1966 e 1967.

Até a próxima sexta-feira todos os cidadãos de Belém com 50 anos ou mais estarão vacinados, e na semana que vem é a vez de pessoas com 40 anos de idade.

O calendário para as outras faixas etárias ainda não foi divulgado. Porém, a recomendação da prefeitura é ficar atento às possíveis alterações para adiantar o andamento da vacinação na capital.

Paraná

Com a entrega de novas doses da vacina contra a covid-19 nesta segunda-feira (14), Curitiba avançará com a imunização de mais duas faixas etárias da população, de 54 e 53 anos completos. O atendimento será dividido por dia e idade, em qualquer um dos 17 pontos de vacinação da cidade.

Nesta terça-feira (15), serão vacinados moradores da cidade com 54 anos completos e, na quarta-feira (16), será a vez do grupo de 53 anos completos.

*Edição: Marize Muniz