• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

País celebra a canonização de Irmã Dulce, agora ‘Santa Dulce dos Pobres’

Canonização reúne 50 mil pessoas no Vaticano na manhã deste domingo. Brasileiros usam as redes sociais para celebrar a primeira santa brasileira

Publicado: 14 Outubro, 2019 - 09h47

Escrito por: Redação RBA

Reprodução
notice

A celebração litúrgica de canonização da freira baiana Irmã Dulce (1914-1992), agora Santa Dulce dos Pobres, reuniu cerca de 50 mil pessoas na Praça São Pedro, no Vaticano. Ela foi aclamada às 5h33 deste domingo (13) – horário de Brasília, em cerimônia presidida pelo Papa Francisco.

Na cerimônia com o rito da canonização, o Papa Francisco comentou o Evangelho deste 28º Domingo do Tempo Comum, que narra a cura de 12 leprosos. A tua fé te salvou (Lc 17, 19): “Este é o ponto de chegada do Evangelho de hoje, que nos mostra o caminho da fé. Neste percurso”, afirmou o Papa, “vemos três etapas cumpridas pelos leprosos curados, que invocam, caminham e agradecem”.

Ao final, o Papa questionou: “nós, que temos fé, vivemos os dias como um peso a suportar ou como um louvor a oferecer? Ficamos centrados em nós mesmos à espera de pedir a próxima graça, ou encontramos a nossa alegria em dar graças? Agradecer não é questão de cortesia, de etiqueta, mas questão de fé”.

Ele também disse que Irmã Dulce mostrou “que a vida religiosa é um caminho de amor nas periferias existenciais do mundo”.

Nas redes sociais, a canonização está sendo celebrada pelos internautas. “Santa Dulce” foi a palavra mais acessada no Twitter na manhã deste domingo.

Lideranças de diferentes arcos políticos também celebram a canonização. “Irmã Dulce é agora Santa Dulce dos Pobres, a primeira Santa brasileira após cerimônia de canonização no Vaticano. Dulce foi uma das religiosas brasileiras mais populares graças ao seu trabalho social com os mais pobres e necessitados, que lhe rendeu o nome Anjo Bom da Bahia”, escreveu no Twitter, a ex-candidata à vice-presidência Manuela D’Ávila.

“É uma honra inexplicável fazer parte deste momento”, escreveu no Twitter o presidente do Senado Davi Alcolumbre (Dem-AP).