• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Ossos e restos de peixe sendo disputados pelo povo escancaram miséria no país

Cena lamentável, triste e revoltante é resultado da política econômica de Bolsonaro e Guedes, pensada para atender ao mercado. Vice-presidente da CUT afirma que não há outro caminho senão o fim do governo

Publicado: 08 Outubro, 2021 - 08h00 | Última modificação: 08 Outubro, 2021 - 17h18

Escrito por: Andre Accarini

Arte: Edson Rimonatto/CUT
notice

As cenas revoltantes de famílias brasileiras disputando restos de alimentos que, no passado recente, eram doados para cachorros, como ossos de carne bovina, ou comprando restos de peixe, correram o mundo e expuseram um governo que não conseguiu sequer manter a exitosa política de erradicação da pobreza extrema implementada pelo ex-presidente Lula. 

Mostraram também a ganância e desumanidade de parte do empresariado brasileiro que, de olho na demanda que cresceu por causa da miséria, resolveu explorar o povo. Um supermercado de Belém, no Pará, está vendendo restos de peixe (vísceras, espinhas e cabeças) a R$ 3,90 o quilo. Em Florianópolis, ao invés de doar ossos, como ocorre no Rio de Janeiro e em Cuiabá, um açougue começou a vender. Denunciado nas redes sociais e pressionado pelo Procon acabou voltando atrás.

Em coletiva à imprensa nesta sexta-feira (8), em Brasília, onde passou a semana, o ex-presidente Lula lamentou a volta do Brasil ao Mapa da Fome.  "Depois que deixei a presidência, eu não esperava que o Brasil, dez anos depois, fosse estar pior do que eu peguei em 2003. É com muita tristeza que eu vejo que tudo o que conquistamos está sendo destruído", disse o ex-presidente ao destacar que 'voltamos para o Mapa da Fome' e 'deixamos de ser a 6ª economia do mundo como em 2008'.

No Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) ignorou o drama do povo mais pobre do país. Ele jamais fala da fome ou da necessidade de garantir três refeições por dia ao povo, como Lula fez. Pior, enquanto a maioria da população vê seu poder compra se esvair com a disparada da inflação, se endivida, sofre com o desemprego e os baixos salários, o governo continua adotando medidas que prejudicam ainda mais o orçamento das famílias.

Entre elas, permitir os sucessivos aumentos de combustíveis, aumentar os preços da conta de luz e acabar com os estoques públicos de alimentos - em uma década, esses estoques tiveram uma redução de 96% na média anual. Com isso, os preços dos produtos ficam à mercê da oferta e da procura do mercado e da oscilação no valor do dólar, sem interferência do Estado. É a tal política do Estado mínimo defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que nada sabe sobre as necessidades do povo mais pobre do país e da classe trabalhadora.

Com exceção à elite brasileira e figuras como Guedes, que a cada dia que o dólar aumenta, engorda um pouco mais suas contas em paraísos fiscais, a situação não está fácil para ninguém. O povo brasileiro, que não tem dinheiro em offshores, nem dinheiro em lugar nenhum, amarga um sofrimento não visto nem nos piores momentos de recessão do país. 

“Há uma carestia que não se via há muito tempo. É um momento duro, que comprova que esse governo não tem a menor condição de continuar”, diz o vice-presidente da CUT, Vagner Freitas.

“O Brasil está numa situação complicada, difícil, com preços exorbitantes de tudo - da gasolina, do diesel, dos alimentos. O gás de cozinha é caríssimo, as pessoas não têm condição de comprar e acabam cozinhando com álcool, se queimando – isso, quando conseguem comprar o arroz e o feijão, que também estão caros”, diz Vagner.

“Os que recorrem a ossos de carne bovina vísceras e carcaças de peixe estão completamente desesperados, sem auxílio, sem apoio do estado, sem esperança nesse governo da morte, do descaso com o povo”, acrescenta o dirigente.

A CUT sempre alertou que o resultado da receita neoliberal adotada pela dupla Bolsonaro/Guedes, que não leva nem nunca levou à sobrevivência digna de famílias mais pobres nem trata o povo como prioridade, seria o aumento da pobreza no país, lembra Vagner.

E dados do Cadastro Único do próprio governo federal revelam que dois milhões de famílias passaram à condição de extrema pobreza durante o governo Bolsonaro. Atualmente são 14,7 milhões de pessoas que não tem o comer.

A causa dessa tragédia não é apenas uma pretensa incompetência de Bolsonaro e Guedes na política econômica. O caso é mais grave já que a atuação, característica de modelos neoliberais de governo é pensada de forma a excluir a população brasileira, em especial a de baixa renda, das prioridades. Nesse contexto, quem leva vantagem é o mercado e o agronegócio.

A avaliação é do economista e pesquisador do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) Francisco Menezes. Ele também é ex-presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea).

O Brasil não tem hoje uma política nacional de abastecimento de alimentos e isso expõe o país a uma cruel variação de preços. “Antes tínhamos intervenção do Estado que adquiria parte da produção para manter um estoque regulador”, explica.

Desta forma se faltava um produto, como o arroz ou feijão, no mercado, o governo vendia sua produção para equilibrar os preços. “O que se viu neste governo foi um esgotamento desses estoques”, diz o economista.

O resultado é que com o dólar alto, o agronegócio vê mais vantagem em vender o que se produz no Brasil para o exterior. Com escassez aqui, preços ficam mais altos. E quem paga por isso é povo brasileiro.  

Outro fator apontado por Menezes diz respeito às variações climáticas. “Não há uma política preventiva do Estado e o país fica exposto às instabilidades que, por causa das mudanças climáticas mundiais, serão cada vez maiores”, diz Francisco Menezes.

O economista e pesquisador adverte para o papel fundamental do Estado como indutor de uma regulação no mercado para que o povo brasileiro não pague pelo lucro da elite econômica.

Combustíveis

A CUT vem denunciando desde o governo ilegítimo de Michel Temer (MDB) a Política de Paridade Internacional (PPI) dos preços dos combustíveis, que acompanha a variação do dólar.

Economistas alertam que a cada vez que Bolsonaro coloca pólvora na fogueira da crise política brasileira, demonstrando risco de uma ruptura democrática, o mercado reage mal e o dólar sobe. Assim os preços dos combustíveis também sobem e, claro, isso se reflete em toda a economia. Ou seja, sobe o preço do diesel, encarece o transporte, que é rodoviário, e o custo é repassado aos preços finais dos alimentos.

Mas o governo poderia adotar medidas urgentes, como pedem a CUT, demais centrais e o movimento popular e especialistas como Francisco Menezes.

Além de voltar a manter estoques reguladores e mudar a política de preços da Petrobras, Menezes aponta a volta do auxílio emergencial de R$ 600,00 e uma política de geração de emprego e renda.

Tragédia social grave

Essa realidade tem sido denunciada por imagens que chocam a sociedade, como as imagens de pessoas disputando ossos no Rio de Janeiro e em Cuiabá, mas não abalam os principais responsáveis por essa tragédia. Sem contar com o número crescente de pessoas em situação de rua, que perderam sua moradia por causa da crise econômica e mergulharam na miséria, a fila da fome tem aumentado. Hoje o Brasil tem cerca de 20 milhões de brasileiros sem condição de fazer refeições diárias.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a inflação dos combustíveis em 12 meses chega a 41,33%. Em agosto, o governo instituiu a bandeira vermelha patamar 2, com acréscimo de R$ 9,492 a cada 100 kWh consumidos. Já em setembro, passou a valer a bandeira tarifária de “Escassez Hídrica”, que acrescenta R$ 14,20 para os mesmos 100 kWh.

Não há saída com Bolsonaro

Quem viveu os anos 1980 e 1990 sabe o que foi enfrentar situação semelhante. Em 1984, o movimento Diretas Já! ocupava as ruas pela redemocratização do Brasil – era o fim da ditadura militar – e uma das bandeiras principais era “contra a carestia”. A inflação naquele ano chegou a 223%.

“Nas Diretas, Já!, a carestia foi principal motivo de manifestação e agora, no ‘Fora, Bolsonaro’, é de novo”, diz Vagner Freitas.

Assim como em 1984, as recentes manifestações que exigem o impeachment do presidente levaram as ruas, desde maio deste ano, milhões de brasileiros em protestos contra os ataques à democracia e contra as políticas econômica e sanitária de Bolsonaro.

O vice-presidente da CUT reforça que as mobilizações devem continuar para derrotar o governo, “único meio de salvar o Brasil”.

“Fizemos um grande ato no dia 2 com essa pauta e agora nos preparamos no dia 15 de novembro em maiores proporções”, diz o dirigente.

“A principal bandeira é ‘contra a carestia’, para termos o direito de ter comida no prato, gasolina no tanque e não precisar fazer fila para pegar osso em açougue”, conclui Vagner Freitas.

O nome da crise é Bolsonaro e temos que tirá-lo do poder
- Vagner Freitas


Lucrando com a miséria

A falta de empatia e a ganância de alguns empresários tem gerado revolta nos brasileiros. Uma imagem de um açougue de Florianópolis, divulgada pelo G1 mostra que alí, os ossos são vendidos e não doados, como começou a acontecer meses antes em várias cidades como Cuiabá e Rio de Janeiro, onde até crianças pobres se amontavam para tentar ‘catar’ restos de carne.

De acordo com a reportagem, o proprietário do estabelecimento afirma que os ossos sempre foram vendidos e que quando há alguém necessitado, ele ainda faz doação.

Enquanto trabalhadores enfrentam situações de descaso e cerceamento da dignidade humana, entidades discutem o lucro.

A Associação dos Frigoríficos Independentes de Santa Catarina (Afisc) defendeu que açougues e mercados vendam o osso de boi.

Para a Afisc, essa é uma prática usual, por isso se posicionou contrária a uma nota técnica do Procon de Santa Catarina e da Associação Catarinense de Supermercados recomendando que os ossos sejam doados.

Outro caso que ganhou as redes sociais aconteceu em Belém. Reportagem da Revista Fórum mostra que um supermercado começou a vender a carcaça de peixes. Vísceras, espinhas e cabeças são comercializadas a R$ 3,99 o quilo.

Outros produtos de qualidade duvidável também entraram nesse “cardápio”. Recentemente produtos de segunda linha, geralmente destinados à alimentação animal passaram a ser vendidos para o público em geral como o arroz quebrado e o feijão bandinha.

Saúde

O impacto na saúde dos brasileiros vai além da fome. Aqueles que conseguem comer acabam dando preferência para produtos mais baratos, pobres em nutrientes. Nossa reportagem flagrou dias atrás uma trabalhadora de serviços de limpeza em São Paulo que, por falta de recursos teria naquele dia como almoço um pacote de salgadinhos.

 

Edição: Marize Muniz