• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Oposição consegue grande vitória e reduz tempo de contribuição de homens

A vitória que contou com parlamentares da base aliada, conseguiu diminuiu o tempo de contribuição dos homens, que era de 20 anos para 15

Publicado: 12 Julho, 2019 - 10h02 | Última modificação: 12 Julho, 2019 - 10h05

Escrito por: Vânia Rodrigues/ PT na câmara

Lula Marques
notice

Os parlamentares da Oposição (PT, PCdoB, PSOL, PSB, PDT e Rede), com apoio de deputados de partidos da base do governo, conseguiram, em plenário, uma grande vitória para os trabalhadores brasileiros.

Por 445 votos a 15 foi aprovado um destaque do PSB, que diminuiu de 20 anos para 15 anos o tempo de contribuição exigido para o homem na transição para a aposentadoria por idade no Regime Geral de Previdência Social (RGPS).

O PT votou a favor e ao encaminhar o voto favorável do partido, a deputada Luizianne Lins (CE) afirmou que foi uma redução de danos as “maldades” aprovadas no texto-base da reforma.

O texto base da reforma previa um acréscimo ao tempo mínimo de contribuição de seis meses a cada ano, a partir de 2020, até atingir 20 anos.

A deputada Luizianne Lins destacou que, se o cálculo da proposta na reforma de Bolsonaro estivesse mantido em 2016, cerca de 7 milhões de homens brasileiros não aposentadoria. “O que significa que a cada ano 700 mil homens perdem o direito sagrado de se aposentar, criando no Brasil uma legião pessoas desprotegidas na velhice”, lamentou.

O deputado Alencar Santana Braga (PT-SP), reforçou o argumento, citando que mais de 57% dos homens que aposentaram em 2016 não teriam esse direito se essas regras tivessem em vigor. “E os mais graves é que seriam os mais humildes e mais pobres que seriam afetados por essa crueldade. O que aprovamos aqui hoje foi a redução de danos”, enfatizou.

E o deputado Henrique Fontana (PT-RS) acrescentou que a destaque aprovado faz justiça social porque o trabalhador que ganha menores salários e que aposenta por idade, aos 65 anos, na maioria das vezes não teve o direito de ter carteira por mais de 15 anos, principalmente “no Brasil real do desemprego. Seria uma covardia elevar a exigência do tempo de contribuição para 20 anos”, frisou.