• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Nota da CUT em solidariedade ao povo chinês

Central repudia fala de Eduardo Bolsonaro que responsabiliza tanto o governo como o pode da China pela pandemia do coronavírus

Publicado: 23 Março, 2020 - 16h33 | Última modificação: 23 Março, 2020 - 16h50

Escrito por: CUT

Kevin Fryers/Getty Images
notice

A Central Única dos Trabalhadores (CUT Brasil) apresenta a mais profunda solidariedade a todo o povo chinês, assim como o repúdio às palavras irresponsáveis, preconceituosas e absurdas proferidas pelo Deputado Eduardo Bolsonaro, presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados e filho do Presidente Jair Bolsonaro. Nossa solidariedade à Embaixada da República Popular da China no Brasil, na pessoa do embaixador Yang Wanming, e à ACFTU (All-China Federation of Trade Unions), por meio de seu Presidente, Wang Dongming.

Ao responsabilizar o povo chinês e seus governantes pela atual pandemia causada pelo Coronavírus (COVID-19), o deputado Eduardo Bolsonaro demonstra todo o despreparo, desprezo pela ciência e subserviência aos interesses e a retórica do Presidente Donald Trump que marcam o atual governo brasileiro.

A nota do embaixador Ernesto Araújo – ao se recusar a condenar as declarações do deputado Eduardo Bolsonaro e, pasmem, exigir retratação do – envergonha os brasileiros e, dessa forma, trata-se de mais uma afronta às boas relações entre os nossos povos.

A CUT Brasil também expressa seu repúdio às declarações de sinofobia de outras lideranças da base de sustentação do governo Bolsonaro, como, por exemplo, as dos Deputados Federais Marco Feliciano, Filipe Barros, Carlos Jordy, Bia Kicis, Paulo Eduardo Martins, dentre muitos outros. Uma irresponsável tentativa de eximir as responsabilidades do governo brasileiro em combater e coordenar as iniciativas nacionais de enfrentamento à atual pandemia.

O Presidente Jair Bolsonaro – ao apenas minimizar as inaceitáveis ofensas proferidas pelo seu filho Eduardo Bolsonaro – é o verdadeiro responsável pelos ataques ao povo chinês que seus apoiadores no parlamento e nas redes sociais vem sistematicamente promovido nos últimos dias. 

Entendemos que as notas dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, foram importantes para demostrar que a posição do deputado Eduardo Bolsonaro é amplamente rechaçada pelo parlamento e pelo povo brasileiro, mas devem ser apenas um primeiro passo rumo a uma enérgica punição ao referido Deputado.

É urgente e imprescindível que o Deputado Eduardo Bolsonaro peça desculpas ao povo chinês e que o Presidente Jair Bolsonaro ordene que cesse imediatamente a campanha – impulsionada por seus apoiadores – de ódio contra à China.

Por fim, a CUT Brasil congratula o povo chinês pelo combate ao Coronavírus (COVID-19) e a solidariedade que veem demonstrando e promovendo ao redor do mundo – ao exportar suprimentos médicos e enviar profissionais da área da saúde para combater a pandemia em outros países. Nesse momento, precisamos reforçar esses laços de solidariedade e cooperação entre os povos e, atitudes como as do Deputado Eduardo Bolsonaro, apostam apenas na escalada do ódio e vão na contramão dos esforços internacionais de combate à pandemia. Temos certeza que a parceria estratégica Brasil-China irá sobreviver ao governo Bolsonaro e que a fraternidade entre a classe trabalhadora dos nossos países é fundamental para a construção de uma ordem global mais equilibrada e de respeito à autodeterminação dos povos.

 

São Paulo, 20 de março de 2020

Antonio Lisboa, Secretario de Relações Internacionais da CUT Brasil

Sérgio Nobre, Presidente da CUT Brasil