• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Norte e Nordeste abrem dia de manifestações pela aposentadoria e educação

Reforma, que dificulta concessão de benefícios, além de cortes na Educação e Programa Future-se, que pretende ampliar a participação do financiamento privado na área, são criticados pelos manifestantes

Publicado: 13 Agosto, 2019 - 12h23 | Última modificação: 13 Agosto, 2019 - 15h57

Escrito por: Redação RBA

reprodução
notice
Protesto em defesa da educação em Cabo de Santo Agostinho (PE)

A terceira onda de manifestações contra a reforma da Previdência e em defesa da educação pública começou pelas cidades do Norte e Nordeste do país na manhã desta terça-feira (13). Protestos nas capitais do Pará, Ceará e Bahia reuniram estudantes, professores e trabalhadores de diversas categorias, conforme mostra levantamento da Rede Brasil Atual (RBA). 

Além da Proposta de Emenda à Constituição que dificulta o acesso a benefícios previdenciários, do corte de verbas em universidades e institutos federais determinado pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL), a manifestação também é contra o programa Future-se, que pretende ampliar a participação do investimento privado nas instituições públicas de ensino superior.

Confira os atos da manhã desta terça:

Ceará

Estudantes se reuniram na avenida 13 de Maio, no Benfica, bairro universitário de Fortaleza, onde fica a sede a Universidade Federal do Ceará (UFC), e saíram em passeata pelas ruas do centro. Os cortes e o Future-se foram classificados como “pacote maldito” do governo Bolsonaro para a educação. Os trabalhadores que participavam da manifestação traziam cartazes com fotos dos 11 deputados do estado que votaram a favor da “reforma” da Previdência. Eles também pressionaram o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), o mais rico dos representantes do Senado, escolhido relator da proposta que dificulta o acesso às aposentadorias.

“Mais uma vez ocupamos às ruas de Fortaleza e dos principais municípios do Ceará para nos posicionar contra a reforma da Previdência. Acreditamos que ainda é possível reverter esse cenário. Estamos nos posicionando contrários ao pacote maldito do governo Bolsonaro contra a educação. Não tem outro caminho a não ser ocupar as ruas”, afirmou o presidente da CUT-CE, Will Pereira.

A estudante da UFC Clara Souza destacou a postura dos estudantes para resistir contra os desmandos do governo. “A gente está ativamente na rua, nos posicionando contra os cortes pela terceira vez. A gente não pode se calar. Estamos vendo a universidade pública sofrer um desmonte, com a perda de bolsas de estudo, de investimentos. Tivemos um corte de R$ 95 milhões. Não podemos aceitar, porque a universidade pública é um direito de todo mundo, e jamais tem que ser paga ou privatizada.”

 

Alagoas

Em Maceió, estudantes e trabalhadores se concentraram nos arredores do Centro Educacional de Pesquisa Aplicada (Cepa), o principal complexo educacional do estado. Segundo a dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal), Lenilda Lima, o governo Bolsonaro vem “destruindo a educação pública”. “Na última ação foram cortados mais de R$ 384 milhões do livro didático”, destacou em entrevista ao portal G1. A estudante secundarista Janaína Soares afirmou que não é possível imaginar um país sem educação. “Não faz sentido tantos cortes. Por isso estamos na rua”.

Bahia

Na capital baiana, os manifestantes se reuniram na Praça Campo Grande, nos arredores da reitoria da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Para o professor de Educação Física Uendel Raposo a educação não é prioridade para o governo Bolsonaro. “Isso fica claro através dos cortes, que chamam de contingenciamento. Mas são cortes diretos que acredito ser uma forma de retaliação”, afirmou ao jornal A Tarde.  A vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) na Bahia, Carolina Nunes, destacou a mobilização dos estudantes e  afirmou que o atual governo “valoriza mais os cursos que vão te ingressar no mercado de trabalho como uma máquina, do que os que valorizam o estudo crítico”.

“Bolsonaro abre a boca apenas para destratar o povo brasileiro, para discriminar os nordestinos, negros e indígenas, odiar as mulheres e mandar matar a comunidade LGBT, que é a vontade dele. Estamos de pé, e vamos reagir a esses ataques. As universidades tiveram corte de R$ 6 bilhões, a maior da história da educação brasileira”, afirmou a deputada federal Alice Portugal (PCdoB-BA), no protesto em Salvador.

Pará

Em Belém, os manifestantes se concentraram na Praça da República, no início da manhã, e saíram em caminhada pelas ruas do centro da capital. O Estudante da Universidade Federal do Pará (UFPA) Eduardo Protásio diz que Future-se vai subordinar as universidades aos interesses dos seus patrocinadores. “A grande verdade é que o Future-se desvincula a verba pública que garante o funcionamento das universidades, passando a vinculá-la a uma administração econômica e política das grandes empresas. Se isso ocorrer, toda a linha de pesquisa e ensino das instituições federais passa a ser vinculadas a esses interesses”, afirmou à reportagem do Brasil de Fato.

Para a jornalista que participa do protesto junto com os estudantes, a educação é tratada como “vilã” pelo atual governo. “A educação está veiculada a absolutamente todo o nosso entendimento de política, de sociedade. A defesa das universidades é a defesa do mundo intelectual, da informação, da formação crítica. Quem vilaniza uma coisa dessas não pode estar a favor do país nem de democracia nenhuma. Por isso, a gente está aqui hoje”.

Também foram registrados protestos em defesa da educação nas cidades de Caruaru, Petrolina, Palmares, Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, e Tefé, no Amazonas. Outras capitais do Norte e Nordeste, como Rio Branco, Manaus, João Pessoa e Recife, terão atos na parte da tarde, assim como as capitais do Sul e Sudeste do país.

Manifestação em Maceió(AL)/Foto: Pedro Ferreira (UNE)Manifestação em Maceió(AL)/Foto: Pedro Ferreira (UNE)