• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

No interior do Ceará, povo ocupa as ruas pelo impeachment de Bolsonaro

Em Juazeiro do Norte, segunda maior cidade do Ceará, a concentração começou por volta das 9h na Praça da Prefeitura e houve caminhada pelo Centro, que terminou na Praça Padre Cícero, às 12h

Publicado: 03 Julho, 2021 - 15h47 | Última modificação: 03 Julho, 2021 - 16h17

Escrito por: Redação CUT

Reprodução
notice

No Ceará, os municípios de Canindé, Sobral, Tamboril, Itapipoca e Juazeiro do Norte, realizaram os atos durante pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) na manhã deste sábado (3).

Além de pedir a saída do presidente, a população volta às ruas pela terceira vez para exigir "vacina no braço" e "comida no prato", auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia, além da queda da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 32, da reforma Administrativa e do Projeto de Lei (PL) nº 490, que dificulta a demarcação de terras indígena.

Na cidade de Tamboril aconteceu uma moto carreata que contou com a participação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Paróquia Santo Antônio, povos Indígenas e pescadores.

Em Itapipoca, organizações sociais, entidades sindicais, partidos políticos e lideranças municipais também realizaram moto carreata em denúncia e repúdio ao atual governo.

O ato foi organizado pela Frente Brasil Popular de Itapipoca e percorreu bairros populosos da cidade terminando no Centro, onde ocorre a tradicional feira do município aos sábados.

No município de Sobral as ações aconteceram na Praça de Cuba. Em Canindé, as ações foram realizadas no Centro da cidade com a participação de movimentos populares e organizações da sociedade civil.

Renato Araújo / Setor de Comunicação MSTRenato Araújo / Setor de Comunicação MST
Em Canindé, movimentos populares condenaram negacionismo de Bolsonaro

Em Juazeiro do Norte, segunda maior cidade do Ceará, a concentração começou por volta das 9h na Praça da Prefeitura e houve caminhada pelo Centro, que terminou na Praça Padre Cícero, às 12h.Os manifestantes participaram do ato, organizadas em fileiras, com distanciamento e máscaras e muita disposição de luta. Os trabalhadores e trabalhadoras das lojas no centro receberam a manifestação com grande apoio.

ReproduçãoReprodução

O cacique Eduardo Kariri Quixelo esteve presente no ato 'Fora Bolsonaro' em Juazeiro do Norte. Ele afirma que a luta indígena é também pela defesa da vida e de vacina para todos.

“Estou aqui hoje em Juazeiro do Norte, junto nessa manifestação contra o Bolsonaro, em prol da vida, em prol das vacinas e contra PL 490, para dizer Fora Bolsonaro, que você vá embora e leve sua turma junto. Nós estamos aqui unidos em força, unidos na encantaria para tirar você do poder, porque quando o povo se une ele tira sim quem está no poder, porque todo o poder emana do povo. Então fora Bolsonaro”.

Agostinha Maciel, do Sindicato dos Servidores/as Municipais do Crato, também esteve presente nas manifestações realizadas em Juazeiro do Norte e fala sobre a importância do ato Fora Bolsonaro.

“A gente tá dando a nossa parcela nesse empurrãozinho para tirar ele do poder, porque não é mais possível que um genocida permaneça na república”, afirmou.

Copm informações do BdF