• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Negociação entre metalúrgicos e Mercedes avança e garante cerca de 300 empregos

Além disso, a negociação também garantiu a produção das peças (Manga e Semi Eixos), dos atuais e novos eixos, que a montadora tinha intenção de terceirizar

Publicado: 10 Setembro, 2019 - 17h31 | Última modificação: 10 Setembro, 2019 - 17h37

Escrito por: Redação SMABC

Divulgação
notice

Os primeiros resultados positivos da negociação entre os metalúrgicos do Comitê Sindical na Empresa (CSE) na Mercedes Benz com a montadora começaram a aparecer. A representação realizou uma plenária na Sede, no último sábado, com os trabalhadores na Estamparia e áreas ligadas para divulgar o compromisso firmado com a empresa, de realocar todos esses trabalhadores de forma gradativa conforme o cronograma da empresa de encerrar as atividades da Estamparia durante o ano de 2020.

O coordenador da representação na Mercedes, Ângelo Máximo de Oliveira Pinho, o Max, ressaltou que os primeiros passos positivos foram dados. “Avançamos ao garantir quase 300 empregos, mas as negociações ainda continuam e o desafio é buscar a mesma alternativa para todos os companheiros e companheiras das demais áreas”, afirmou.

“Esse resultado nas negociações só é possível pela confiança dos trabalhadores na representação sindical”, reforçou.

Entenda

Em maio deste ano, a montadora divulgou um vídeo do presidente da empresa, onde falava da difícil situação da Mercedes. “Foi a mesma lamentação de sempre”, lembrou Max. Em junho, a empresa oficializou que encerraria atividades nas áreas da Estamparia, parte da Ferramentaria, Oficina Mecânica e Agregados.

Em luta, os trabalhadores fizeram a greve no dia 14 de junho em defesa da Previdência Social, em defesa dos empregos e por um processo de negociação na Mercedes.

Após a greve, os representantes do CSE iniciaram conversas com os trabalhadores nas áreas e na reunião do Comitê Mundial dos Trabalhadores na Daimler, na Alemanha, com levantamentos de informações importantes para o processo de negociação.

“Somente organizados e coesos com o Sindicato, os trabalhadores poderão avançar em conquistas para todos”, disse Max.

O membro do CSE na Mercedes, Amarildo Marques de Souza, destacou que a luta continua. “Esse emprego não irá nos fazer ficar ricos, porém nos liberta da pobreza. Por esse motivo sempre iremos lutar em defesa dos empregos e fazer a luta que for necessária”, afirmou.

Eixos

A negociação também garantiu a produção das peças (Manga e Semi Eixos), dos atuais e novos eixos, que a montadora tinha intenção de terceirizar.

Foi realizada assembleia na área no início de agosto para informar aos trabalhadores sobre a conquista.

“Essa conquista se deu graças à participação dos trabalhadores em fiscalizar, junto com o CSE, as peças produzidas internamente, o que deu subsídios para as negociações”, contou outro membro do CSE da Mercedes, Alessandro Guimarães.