• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Motoristas de Uber fazem manifestações em São Paulo no dia de greve mundial

Parte da categoria aderiu ao movimento às vésperas da data em que a empresa passará a negociar ações na Bolsa, com expectativa de avaliação  mais US$ 90  bilhões, enquanto os motoristas do aplicativo trabalham

Publicado: 08 Maio, 2019 - 18h09 | Última modificação: 08 Maio, 2019 - 18h41

Escrito por: Rosely Rocha

Roberto Parizotti
notice
Motoristas de Uber promovem buzinaço na Paulista

Os motoristas de Uber fizeram um protesto mundial nesta quarta-feira (8) contra a política de tarifas da empresa norte-americana responsável pelo aplicativo de transporte. No Brasil, eles decidiram desligar o aplicativo a partir da zero hora desta quarta e só pretendem voltar a atender chamados na quinta-feira (9). No Brasil, a categoria reivindica também mais segurança e transparência da empresa, que chegou ao país em julho de 2014.

Na capital de São Paulo, dezenas de motoristas fizeram manifestações pela manhã. Houve protesto na Avenida Paulista, onde participaram de um “buzinaço”. Já na Barra Funda, região oeste, onde fica um dos escritórios da empresa, os motoristas fecharam uma das pistas de acesso ao local. No centro da cidade, no Vale do Anhangabaú, pouco mais de 100 motoristas se reuniram e, de lá, seguiram para a Bolsa de Valores de São Paulo, também localizada na região central.

Os trabalhadores e trabalhadoras do aplicativo decidiram pelo protesto em frente à Bolsa de Valores pelo simbolismo do local, já que a Uber passará a ter ações negociadas em todo o mundo, a partir da próxima sexta-feira (10), e a expectativa é de que o valor da empresa fique acima de US$ 90 bilhões. Lucro que os “parceiros”, como o aplicativo chama os motoristas, a maioria profissionais de áreas como comunicação e indústria, ou seja, jornalistas, engenheiros e metalúrgicos, entre outros, ajudam a aumentar em troca de renda muito menor do que as que tinham quando tinham empregos formais, com carteira assinada.

Embora, as manifestações tenham chamado a atenção para a precarização do trabalho dos motoristas da Uber, a maioria continuou trabalhando porque precisa levar comida para casa e alguns nem ficaram sabendo da greve porque passam 12 horas ou mais do dia rodando para pegar passageiros.

Este é o caso do motorista do aplicativo, Wagner Luiz Queiroz Pinto, que atende na região metropolitana, que hoje não participou da paralisação porque nem estava sabendo. Segundo ele, devido à sua jornada exaustiva, prefere não saber do noticiário.

“É tanta desgraça que contam dentro do carro, que eu só rezo e saio para trabalhar. Sei que sou meio alienado, mas só assim para aguentar o dia a dia”, diz.

Aos 53 anos, casado e pai de dois filhos, Wagner se viu desempregado após 22 anos trabalhando na mesma empresa como assessor de diretoria. Mas, a empresa, do ramo editorial de idiomas, entrou em recuperação judicial e ele foi obrigado a pegar a primeira oportunidade que tinha pela frente.

“Logo que a empresa fechou, eu sabia que não teria oportunidade de ganhar o que ganhava, pois me sentia desatualizado para concorrer com gente mais jovem. Há dois anos e dois meses venho trabalhando das 9h às 21h, exceto o dia de rodízio, para ganhar de R$ 3.200,00 a R$ 3.500,00 por mês, sem parar para o almoço“, diz .

Ele conta que sempre carrega frutas no carro e água, e suas idas ao banheiro se resumem às paradas para abastecer o veículo nos postos de gasolina.

“Agora a Uber colocou meta de 60 viagens de segunda a quinta e mais 60 de sexta a domingo. Quem consegue fazer tem menos desconto no valor da corrida, de 19 a 20%, mas não é obrigatório. Então, a gente aproveita os finais de semana que a demanda é maior. Eu chego a fazer 42 corridas num sábado, e assim ganho um pouco mais”, conta Wagner.

Riscos de assaltos são constantes

O trabalho árduo e cansativo sujeito a riscos de assaltos e de baixa remuneração foi a experiência que a Uber deixou na vida do jornalista André Silva, que aos 52 anos. Após nove meses desempregado ele se viu obrigado a recorrer ao trabalho alternativo para sustentar a mulher e os três filhos.

Ele conta que trabalhava de 8 a 10 horas, evitando o horário noturno, rodando 250 km diariamente, de segunda a segunda, para ganhar ao fim do expediente entre R$ 80,00 e R$ 90,00, após pagar gasolina e demais despesas. Segundo André, as únicas épocas de melhores ganhos eram as festas de final do ano e o Carnaval.

“Foi uma experiência horrível. Eu gostava dos passageiros, não da empresa porque ela rouba a gente. Levar 25% do que você ganha sem investir nenhum centavo, sem dar nenhum tipo de treinamento, é um roubo. Era só se cadastrar e sair trabalhando”.

O jornalista diz que trabalhar com Uber o deixou ainda mais revoltado com a crise econômica do país, que não dá oportunidade a profissionais como ele que cursou três faculdades, mas tem mais de 50 anos.

“O carro é nosso, as despesas são nossas e se eu me acidentasse simplesmente eu sairia sem nada, com total prejuízo, conta André, que só deixou de trabalhar com o aplicativo após passar num concurso.

Apesar de ter uma média alta de quatro a cinco estrelas dadas pelos clientes, o jornalista não podia trabalhar na capital porque seu carro tinha mais de nove anos de uso, e a Uber só deixa rodar os veículos mais antigos na grande São Paulo, onde a corrida é mais barata e os riscos de assaltos são maiores.

Foi o que ocorreu com André ao atender uma chamada de uma moça, no final da tarde para a periferia. Chegando ao local, a moça estava acompanhada de um rapaz alto de quase 1,90m e forte. Logo foi perguntando o quanto ele havia faturado no dia e que sabia que motoristas ganhavam R$ 7 mil ao mês. André respondeu que aquela era primeira corrida, e simpático disse que iria buscar os R$ 5 mil que lhe deviam, pois só tirava R$ 2 mil ao mês. Aos poucos, brincando, foi ganhando a confiança do rapaz, que mesmo assim, parou numa rua escura, pagou com umas moedas que não chegavam a três reais.

“Claro que não pagou o valor da corrida, e ele ainda me disse ‘valeu tiozão’, você é legal”, relata André, que só conseguiu parar de rodar após percorrer mais de seis quilômetros distante do local com medo de ser assaltado de alguma outra forma.

Uberização é efeito da crise econômica e da reforma Trabalhista

“Os aplicativos de transporte hoje são a porta de entrada da precarização do Trabalho. O Uber já é sinônimo de precarização”, define José Silvestre Prado de Oliveira, coordenador de Relações Sindicais do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Segundo Silvestre, o caminho da precarização e do crescimento dos aplicativos de transporte foi pavimentado a partir da recessão, do desemprego, da terceirização e da reforma Trabalhista.

“Hoje você tem um contingente estimado em 4 milhões de motoristas de aplicativos ,seja Uber,seja 99, e outros . Essas empresas são um dos grandes empregadores, mas de maneira geral têm disputado no âmbito da Justiça, se caracteriza como relação de trabalho, ou não. Na Inglaterra, os motoristas ganharam esse direito. E na Alemanha e França os aplicativos são proibidos exatamente por falta de uma regulamentação”, conta Silvestre.

Já no Brasil, segundo ele, se vive “um processo de dilapidação de direitos ,não só trabalhista, mas em todos os mecanismos de organização de trabalho com ataques à estrutura sindical”.

Silvestre acredita que ainda há esperança de melhoria nas relações de trabalho dessa categoria no país com a criação de associações de motoristas de aplicativos, como já vem ocorrendo em algumas capitais.

“Já é uma forma de organização e quem sabe pode-se evoluir para a criação de sindicatos”, acredita Silvestre.