• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Motoristas de Recife param nesta sexta contra a reforma da Previdência

Nossos trabalhadores não têm mais condições de ter mais aumento no tempo de contribuição por conta do trânsito, estresse, assalto e o sol, disse o presidente do Sindicato, Benilson Custódio

Publicado: 22 Março, 2019 - 11h44

Escrito por: Redação CUT

Reprodução
notice

Os trabalhadores e trabalhadoras dos ônibus que circulam na Região Metropolitana de Recife vão parar as atividades na tarde desta sexta-feira (22), Dia Nacional de Lutas pela Previdência.

De acordo com a direção do Sindicato dos Rodoviários do Recife e RMR (Sttrepe), os motoristas e cobradores vão parar às 15h para se unir as demais categorias profissionais – metalúrgicos, bancários, professores, metroviários, servidores públicos federais, municipais e estaduais, entre outras – que vão participar do ato em defesa da aposentadoria, às 15h na Praça do Derby, no centro da capital pernambucana.

“Os trabalhadores e as trabalhadoras do setor rodoviário estão mobilizados para nesta sexta-feira somar forças no grande Dia Nacional de Lutas Contra a Reforma da Previdência”, disse a direção do sindicato por meio de nota publicada no site da entidade.

“Vamos mostrar ao governo que esse ataque à nossa aposentadoria não passará. A proposta sobe o tempo mínimo de contribuição, aumenta a idade mínima, reduz o benefício de idosos carentes, corta o abono do PIS de milhões de trabalhadores e trabalhadoras. Além disso, não mexe no bolso dos patrões que estão cada dia mais ricos", diz trecho da nota.

 

O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Benilson Custódio, disse que a categoria tinha uma aposentadoria especial, governos anteriores aumentaram o tempo de contribuição de motoristas e cobradores e agora querem aumentar ainda mais.

“Nossos trabalhadores não têm mais condições de ter mais aumento por conta do trânsito, estresse, assalto e o sol”.

Líder da oposição ao sindicato dos rodoviários, Aldo Lima afirmou ao jornal Diário de Pernambuco, que os rodoviários dissidentes também foram convidados para a paralisação e vão participar.

"Convocamos a categoria e vamos nos unir aos movimentos sociais, que vão às ruas de todo o país para lutar contra essa reforma que acaba com as chances de milhões de trabalhadores de se aposentar", disse.