MENU

Metalúrgica Simisa fecha fábrica em Pernambuco e demite trabalhadores

Fábrica informou o fechamento aos trabalhadores no último domingo, por telefone. Sindicato da categoria, que está mobilizado, não foi comunicado oficialmente

Publicado: 28 Fevereiro, 2023 - 09h33 | Última modificação: 28 Fevereiro, 2023 - 09h49

Escrito por: Sindmetal-PE

Sindimetal/PE
notice

A metálúrgica SIMISA localizada em Pontezinha, Cabo de Santo Agostinho, comunicou a todos os trabalhadores oficialmente, por telefone, no último domingo (26/02), que nesta segunda-feira (27/02) aconteceria o fechamento definitivo da empresa e que encaminharia o aviso prévio para todos. O Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco (Sindmetal-PE), Henrique Gomes, recebeu a informação pelos trabalhadores. Se acordo com o dirigente, até o momento o sindicato não recebeu nenhuma notificação oficial da empresa.

Já na na manhã da segunda-feira, os dirigentes sindicais realizaram mais uma mobilização em frente a metalúrgica para dialogar com os trabalhadores e esclarecer todas as dúvidas a respeito da  decisão.

A SIMISA está em recuperação judicial desde 2013 e até agora não cumpriu com suas obrigações, como pagamento do FGTS, o que já soma quase R$ 3 milhões, além de parcelas em atraso dos acordos de rescisões trabalhistas e de dívidas com bancos e fornecedores.

O corpo jurídico do Sindicato fará todos os encaminhamentos para liberar o FGTS e o seguro desemprego dos trabalhadores, e também fará uma assembleia para ser decidido se haverá acordo ou falência.

O presidente Henrique Gomes, destacou que a empresa não tem mais confiança e muito menos credibilidade, já que optaram pelo fechamento. Disse ainda que só haverá acordo se o terreno da SIMISA de Pontezinha ficar como garantia para os trabalhadores caso a empresa não cumpra com os acordos.

Além disso, Gomes afirmou que o sindicato poderá levar todos os trabalhadores para a porta da fábrica em Sertãozinho, no interior de São Paulo, para realizar um protesto e mostrar que todos estão no mesmo barco, uma vez que as duas empresas estão em recuperação judicial.

Além de Cabo de Santo Agostinho, a empresa também tem uma unidade localizada em Sertãozinho (SP), cuja com produção está a todo vapor. Segundo o sindicato, a empresa colocou todos seus investimentos nela para fazer o fechamento da unidade em Pernambuco.