• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Mesmo com trégua, mobilização contra privatização da Petrobras continua

Além da agenda de lutas dos petroleiros, categoria se soma na mobilização do dia 10 de agosto para dizer basta de entrega dos nossos patrimônios, de retirada de direitos e de todas as maldades dos golpistas

Publicado: 12 Julho, 2018 - 19h02 | Última modificação: 12 Julho, 2018 - 19h49

Escrito por: Érica Aragão

FUP
notice

Na manhã desta quinta-feira (12), dando sequência à luta em defesa do Sistema Petrobras, trabalhadores, sindicalistas e população contrária aos desmontes da estatal realizaram um ato nacional na Refinaria Alberto Pasqualine (REFAP), no Rio Grande do Sul, uma das quatro unidades de refino que foram colocadas à venda em abril, junto com malhas de oleodutos e terminais da Transpetro.

A gestão da Petrobras foi obrigada a interromper a venda de todos os ativos que estavam sendo comercializados, inclusive a TAG e as fábricas de fertilizantes do Paraná e do Mato Grosso, cuja negociação já estava em processo de finalização, devido a determinação de uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) que impediu o governo de privatizar empresas públicas sem autorização do Legislativo.

Para o secretário Nacional de Comunicação da CUT, Roni Barbosa, que também é petroleiro, essa liminar é uma trégua e a mobilização não pode parar.

“Em agosto essa liminar pode cair e não podemos tirar o pé do acelerador, já que esses golpistas querem privatizar e vender não só a Petrobras, mas também a Eletrobrás, os bancos públicos e todo patrimônio brasileiro”, denunciou o secretário CUTista.

O dirigente também destacou a importância da mobilização de toda população junto com a CUT e as demais centrais no dia 10 de agosto.

“Será o dia que todos nós brasileiros e brasileiras diremos basta! Basta de retirada de direitos, basta de ataques aos trabalhadores, basta de desemprego, basta de venda dos nossas riquezas, basta! O Brasil não pode continuar neste caminho, porque quem sofre são os trabalhadores e as trabalhadoras”, afirmou Roni.

“Queremos que parem tudo que estão fazendo e esperem as eleições para que possamos eleger um presidente que tenha legitimidade para tocar o País, e, além disso, exigimos que Lula esteja nas eleições. Não é ele que tem direito de concorrer, somos nós brasileiros que temos o direito de eleger o melhor presidente deste Brasil”, reafirmou o secretário de Comunicação da CUT.

O petroleiro de Curitiba também alertou para a agenda de mobilizações da categoria.

Ainda em julho, haverá mobilizações também nas outras duas refinarias que integram o pacote de privatização da Petrobrás: a Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR), no Paraná, cujo ato será na próxima quarta-feira, 18; e a Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, com mobilização prevista para o dia 26.

Veja o vídeo da mobilização em defesa da Petrobras:

 

carregando
carregando