• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Lula publica artigo em defesa de Glenn Greenwald no Washington Post

Lula denuncia perseguição ao jornalista Glenn Greenwald no Washington Post, jornal que nos anos 1970 publicou sobre escândalo que derrubou Nixon

Publicado: 23 Janeiro, 2020 - 09h56

Escrito por: Revista Fórum

reprodução
notice

O Washington Post, periódico estadunidense que é considerado um dos mais importantes jornais do mundo, publicou em seu site com destaque, no início da noite desta quarta-feira (22), um artigo do ex-presidente Lula em que ele denuncia a perseguição contra o jornalista Glenn Greenwald, alvo de uma denúncia do Ministério Público Federal na última terça-feira (21).

O jornal em que o artigo foi publicado não poderia ser mais apropriado: foi o Washington Post que publicou, na década de 1970, a famosa série de reportagens que ficou conhecida como “Caso Watergate”.

Assim como na série capitaneada por Greenwald, a Vaza Jato, as matérias do Post, assinadas pelos repórteres Bob Woodward e Carl Bernstein, se baseavam em documentos e mensagens secretas, obtidas através de uma fonte anônima, o “garganta profunda”, que revelavam que o presidente à época, Richard Nixon, utilizou dinheiro não declarado para espionar os adversários e obter vantagens em sua campanha. O escândalo levou Nixon à renúncia, em 1974.

Lula, inclusive, começa seu artigo no jornal fazendo referência ao Caso Watergate. “Imagine como a história americana se desenrolaria se, na década de 1970, membros da sociedade civil e autoridades estivessem mais preocupados em atacar e investigar Carl Bernstein e Bob Woodward do que em procurar a verdade sobre o escândalo de Watergate. Se o Congresso e o FBI decidissem investigar os repórteres do Post e suas fontes, e não as irregularidades do Partido Republicano”, escreve o ex-presidente na introdução do texto.

“Isso é análogo ao que está acontecendo hoje no Brasil, onde o jornalista Glenn Greenwald está sendo perseguido por suas atividades jornalísticas”, completa Lula.

Ao decorrer do artigo, Lula fala sobre a denúncia do MP contra Greenwald e chama a atenção para o fato de que o jornalista começou a ser perseguido desde que começou a publicar as primeiras reportagens da Vaza Jato, que mostram a atuação ilegal de procuradores e do ex-juiz Sergio Moro na condução da operação Lava Jato. “As ações de Moro e dos promotores serviram para preparar o terreno para o meu julgamento injusto. A investigação de Greenwald foi fundamental para demonstrar como a Operação Lava Jato violou meus direitos legais e humanos”, pontua o petista.

Lula ainda contextualiza o histórico político do Brasil, lembrando do golpe que levou ao impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, antes de avançar na denúncia da perseguição contra Glenn e destacar o papel desempenhado pela mídia tradicional na cobertura do caso da Vaza Jato. O ex-presidente citou até mesmo o caso do discurso nazista do ex-secretário de Cultura de Bolsonaro. “Com poucas exceções, a mídia brasileira tocou junto. A cobertura da poderosa da TV Globo concentra-se no inquérito da Polícia Federal para criminalizar as fontes e o próprio jornalista. Esse comportamento ridículo da mídia mudou o curso da história e contribuiu para a eleição de Bolsonaro, um líder de direita que, até recentemente, tinha um promotor do nazismo como secretário de cultura”, escreve.

Ao final, Lula sacramenta: “Greenwald é testemunha, repórter e agora também a mais recente vítima de um processo que está enfraquecendo a democracia brasileira”.

Leia a íntegra do artigo, em inglês, aqui.