• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Lula: ‘Não fomos nós que elegemos candidato que tem ojeriza à democracia’

Ex-presidente e políticos de esquerda rebatem o ministro Paulo Guedes, que disse para os brasileiros "não se assustarem se alguém pedir o AI-5"

Publicado: 26 Novembro, 2019 - 17h47

Escrito por: Redação RBA 

Reprodução
notice

O ex-presidente Lula rebateu nesta terça-feira (26) as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, que fez ameaças veladas sobre a decretação de um novo AI-5 caso ocorram protestos contra medidas econômicas do governo, como vem ocorrendo em diversos países da América Latina. Pelo Twitter, Lula afirmou que o PT é o partido mais identificado com a democracia no Brasil.

Durante entrevista coletiva em Washington, nos Estados Unidos, Guedes disse que “era uma insanidade” Lula  pedir ao povo para sair às ruas, em referência ao discurso, realizado em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, um dia depois de sair da prisão, em que o ex-presidente convoca a população a se mobilizar para enfrentar os ataques do governo Bolsonaro contra direitos sociais e trabalhistas. O ministro cobrou “responsabilidade” com a democracia, mas terminou endossando ameaça que já havia sido feita pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

“Sejam responsáveis, pratiquem a democracia. Ou democracia é só quando o seu lado ganha? Quando o outro lado ganha, com 10 meses você já chama todo mundo para quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5. Já não aconteceu uma vez? Ou foi diferente? Levando o povo para a rua para quebrar tudo. Isso é estúpido, é burro, não está à altura da nossa tradição democrática”, afirmou o ministro, na capital dos Estados Unidos.

Editado em 13 de dezembro de 1968, pelo presidente militar Artur da Costa e Silva, o Ato Institucional 5, que marca o início da fase mais sombria da ditadura civil-militar (1964-1985), resultou no fechamento do Congresso, na cassação de mandatos de parlamentares, suspensão das liberdades individuais e censura aos meios de comunicação e às artes.

Confira mais reações na matéria da RBA