• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Inflação em 2020 é ainda maior para os mais pobres

Levantamento do Ipea mostra que a inflação das famílias de renda muito baixa teve um aumento de 6,2%, já o segmento de renda alta registrou uma taxa bem mais modesta , de 2,7% - uma diferença de 2,5%

Publicado: 18 Janeiro, 2021 - 11h54 | Última modificação: 18 Janeiro, 2021 - 12h05

Escrito por: Redação CUT

Roberto Parizotti
notice

A pressão dos preços dos alimentos na composição do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), em dezembro do ano passado, medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aumentou ainda mais o peso da inflação sobre as classes desfavorecidas. A variação de 1,58% dos mais pobres ficou 0,53 % acima da classe de renda mais alta (1,05%).

Segundo levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) , com os dados de dezembro do IPCA,  a inflação acumulada no ano de 2020 para as famílias com renda mais alta (+ de R$ 16.509,66), foi de apenas 2,7%. Já para as famílias de menor rendimento (- R$ 1.650,50) , a alta foi de 6,2% - uma variação de 2,5%.

Embora a média da inflação do ano ter fechado em 4,57%, observa-se que para quem ganha menos o peso da inflação tem sido maior. (veja quadro abaixo).  Em 2019, o índice inflacionário entre ricos e pobres foi praticamente o mesmo, 4,18% e 4,42% respectivamente.

IpeaIpea

Mas, desde o fim do primeiro trimestre de 2020 ( janeiro, fevereiro e março), o segmento de renda mais baixa foi a que registrou a maior taxa de inflação.

No acumulado de dezembro, os  itens que mais contribuíram para a perda de rendimento da população mais pobre foram as altas dos grupos formados por  habitação, alimentos e bebidas. Pesaram os reajustes nos preços do arroz (3,8%), feijão (3,3%), batata (7,3%) e carnes (5,6%). Os aumentos nas tarifas de energia (9,3%) e dos preços do gás de botijão (2,0%), também pesaram na hora de fechar o ano.

Em contrapartida, os reajustes nos preços das passagens aéreas (28,1%), dos transportes por aplicativo (13,2%) e da gasolina (1,5%) fizeram do grupo transporte o maior foco inflacionário para a classe de renda mais alta.

No total do ano de 2020, os gastos com alimentos, energia e gás comprometem 37% dos orçamentos das famílias mais pobres. Os reajustes acumulados de arroz (76%), feijão (45%), carnes (18%), leite (27%) e óleo de soja (104%), além das tarifas de energia (9,2%) e do gás de botijão (9,1%), contribuíram para uma alta inflacionária bem mais intensa que a observada no segmento mais rico, cujo peso destes itens nas despesas mensais é de 15%. Veja quadro abaixo.

Por sua vez, a alta mais moderada em 2020 de serviços livres com grande peso no orçamento das famílias mais abastadas, como mensalidades escolares (1,1%) e serviços médicos e hospitalares (1,8%), e as deflações em itens consumidos majoritariamente pela população com maior poder aquisitivo, como passagens aéreas (-17%), seguro de automóvel (-8%) e gasolina (-0,2%), explicam a menor pressão inflacionária sobre este estrato da população.

IpeaIpea

Como consequência desta dinâmica de preços ao longo do ano, na comparação com 2019, os dados mostram que para as três faixas de renda mais baixa houve uma aceleração da inflação, ao passo que para as três classes de renda mais alta, o ano de 2020 trouxe um alívio inflacionário.

com informações do IPEA