• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Fetaeg quer mais recursos para a agricultura familiar

Eleito presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais na Agricultura Familiar do Estado, Elias D'Angelo quer melhor tratamento para o meio ambiente e mais dinheiro para a produção de alimentos

Publicado: 02 Outubro, 2020 - 17h26 | Última modificação: 02 Outubro, 2020 - 17h34

Escrito por: Maisa Lima

Divulgação
notice
A presidenta da CUT Goiás, Bia de Lima, e o presidente da Fetaeg, Elias D'angelo

Elias D’angelo foi o vencedor das eleições para presidência da Federação dos Trabalhadores Rurais na Agricultura Familiar do Estado de Goiás (Fetaeg),  para o quadriênio 2020/2024. Concorrendo pela Chapa 2 , ele obteve 50,2% dos votos válidos.

Com o lema de campanha “Honestidade e Compromisso com os Trabalhadores Rurais”, D’Angelo , fala em entrevista ao portal da CUT Goiás, sobre a dura luta para vencer a direita, que tentou em diversas frentes assumir o controle da Fetaeg.

Segundo o dirigente, “não faltou parlamentar para irrigar financeiramente campanha adversária”. A Chapa 1 foi liderada por Sueli Pereira e Silva, que obteve 200 votos”.

“Vamos defender os trabalhadores e trabalhadoras rurais, os agricultores familiares do estado de Goiás. Agradeço a todos e todas dirigentes sindicais que se mobilizaram e participaram dessa eleição, que foi um exemplo de democracia”, destacou Elias D´Ângelo, que também é secretário de Políticas Agrárias da Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares.

“O Movimento Sindical dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais [MSTTR´s] é um só, e com a união de todos continuaremos com uma força e um único objetivo em prol de toda categoria”, acrescentou o novo presidente da Fetaeg.

Elias falou sobre as principais lutas que os trabalhadores da região vêm enfrentando diante de um governo neoliberal que ataca políticas públicas essenciais para uma vida mais digna.

Queimadas e Segurança Alimentar

Elias D’angelo sabe das lutas que vai enfrentar à frente da Fetaeg. A questão das queimadas, por exemplo, que este ano estão dizimando, sem distinção, o Cerrado, o Pantanal e a Floresta Amazônica, é uma preocupação.

“Precisamos envolver o movimento sindical, do campo e da cidade, para exigir um melhor tratamento da questão ambiental por parte das diferentes instâncias de governo”.

Para o presidente da Fetaeg, a produção sustentável de alimentos saudáveis passa necessariamente por essa discussão. “Os próprios trabalhadores rurais e agricultores familiares precisam ser mais conscientizados acerca desse problema. Danos ambientais são muito difíceis de serem recuperados”.

Elias, enquanto dirigente da Contag, participou da elaboração do Projeto de Lei (PL) nº 735, que dispõe sobre medidas emergenciais de amparo aos agricultores familiares do Brasil, para mitigar os impactos socioeconômicos da Covid-19.

“Os agricultores familiares não têm acesso ao crédito. Estão se endividando, e mesmo assim não conseguem produzir”, pontua o dirigente. Os agricultores familiares respondem por 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros.

“Se não tem produção, as prateleiras dos supermercados ficam vazias e os preços sobem à alturas. Estamos em dificuldades e a tendência é de que o quadro se agrave. Precisamos de recursos” cobra o presidente da Fetaeg.

Principais objetivos da Fetaeg na gestão Elias D’Angelo

  • Crédito para os agricultores familiares;
  • Organização e comercialização da produção;
  • Fortalecimento da auto sustentabilidade político-financeira das entidades sindicais;
  • Defesa da previdência social, da aposentadoria, do Sistema Único de Saúde (SUS); da moradia rural, do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), entre outras políticas públicas.

 Perfil  

Elias D’Angelo Borges tem 52 anos e é de Morrinhos (GO). Já foi trabalhador assalariado rural e hoje é agricultor familiar, assentado da reforma agrária, com uma propriedade de 26 hectares no assentamento São Domingos dos Olhos D’água na sua terra natal. Começou sua militância no Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STTR) de sua cidade ocupando cargos de conselheiro fiscal, secretário-geral e presidente. Em seguida foi para a Fetaeg, onde foi secretário de Finanças e presidente. Em 2013, assumiu a Secretaria de Assalariados e Assalariadas Rurais da Contag. E no 12º Congresso da confederação, realizado em março de 2017, foi eleito secretário de Política Agrária.