• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Espetáculo no Rio canta a democracia e desnuda a farsa

Apresentação no Circo Voador terá participação de nomes como Andréa Beltrão e Osmar Prado

Publicado: 12 Agosto, 2016 - 13h06 | Última modificação: 12 Agosto, 2016 - 13h15

Escrito por: A Farsa Canta a Democracia

Divulgação
notice
Cartaz para divulgação de espetáculo


"A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa". Karl Marx 

Estamos a 52 anos de distância do Golpe de 64, em que os ideais do povo foram tragicamente substituídos pelos ideais da burguesia, em nome de uma falsa estabilidade econômica. Estamos sofrendo um outro golpe apoiado pela burguesia, baseado desta vez numa grande encenação midiática e jurídica. O Brasil viveu um golpe. Hoje vive uma farsa.

Quatro meses depois da votação na Câmara dos Deputados pela admissibilidade do impeachment da presidenta Dilma Roussef, o espetáculo “A FARSA” ocupa o picadeiro do tradicional Circo Voador e provoca em seu respeitável público uma reflexão sobre a atual crise política brasileira. 

Com direção de Ernesto Piccolo e Luciana Sérvulo da Cunha, colaboração de Amir Haddad e com a participação de Andréa Beltrão, André Abujamra, André Whoong, As Marias da Graça, Baile Black Bom, Bemvindo Sequeira, Bete Mendes, Chico César, Cristina Pereira, Edgard Scandurra, Flávio Renegado, Geraldo Azevedo, Gregório Duvivier, Jorge Mautner, Leoni, Letícia Sabatella,Maracatu Baque Mulher, Marcus Caffé, Naná Rizinni, Osmar Prado, Otto, Pequeno Cidadão, Silvero Pereira, Stella Rabello,Thadeu Leal,Teresa Seiblitz,Tico Santa Cruz e Tonico Pereira *, a montagem alterna entre atrações musicais e “circenses”, reconstituindo o enredo tenebroso de um golpe e revelando, de forma crítica e bem humorada, as mentiras e falácias de hipócritas nos atuais capítulos de uma novela de infâmias, como por exemplo: uma sessão extraordinária de palhaços e palhaças que decide os rumos do país; 

Um ilusionista capaz de fazer uma presidenta desaparecer; uma malabarista tentando reproduzir as manobras políticas de Eduardo Cunha; a mulher-barbada feminista que canta “Geni e Zepelim”; um hipnotizador que inventa escândalos e bordões na cabeça do povo; uma equilibrista, em plena corda bamba, que precisa escolher o lado menos pior; uma domadora de leões que coloca ministros do STF de joelhos e, por fim, um Mestre de Cerimônias, o Dono do Circo, que quer manter a farsa como está, mas não consegue controlar seus funcionários insubordinados. 

* A equipe de direção, produção e todos os artistas participam desse espetáculo de forma voluntária.

INGRESSOS A PREÇO POPULAR!

A Farsa – O Enredo Tragicômico de um Golpe
Dia 23 de agosto (terça-feira)

Circo Voador
Rua dos Arcos s/n, 20230-060
Das 18h às 22h