• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Enquanto Bolsonaro fala em derrubar uso de máscara, país passa de 171 mil mortos

Ignorando novo surto e perdas da população, como faz desde março, presidente diz que falta derrubar o “último tabu” se referindo ao uso de máscaras, uma das formas de evitar a contaminação pelo novo coronavírus

Publicado: 27 Novembro, 2020 - 12h51 | Última modificação: 27 Novembro, 2020 - 16h35

Escrito por: Redação CUT

Diego Vara / Agência Brasil
notice

Mesmo com o Brasil contabilizando 171.497 vidas perdidas para a Covid-19 e 6.204.570 pessoas contaminadas até às 8h da manhã desta sexta-feira (27), com vários estados registrando um surto da doença, com aumento dos números de casos e mortes, possivelmente alguns já vivendo a segunda onda da pandemia, o governo federal ainda não tem um plano nacional de combate ao novo coronavírus.

Pior que isso, o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL), continua zombando da tragédia sanitária e do drama das famílias enlutadas, ignorando - e estimulando seus seguidores a fazer o mesmo – as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a disseminação do vírus, como evitar aglomerações, usar máscaras e álcool em gel. Nesta quinta, ele disse que o uso de máscaras é "o último tabu a cair".

"A questão da máscara, ainda vai ter um estudo sério falando sobre a efetividade da máscara... é o último tabu a cair", afirmou.

No dia em que o presidente estimulou o fim do uso das máscaras, o Ministério da Saúde divulgou, às 20h, que o país tinha registrado 698 mortes em 24 horas, elevando a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias para 479. Desde o dia 15 de novembro o país vem registrando altas consecutivas no número de mortos em consequência da Covid-19.  

Nas 24 horas entre quarta e quinta-feira, foram confirmados 37.672 novos casos de pessoas contaminadas. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 31.640 novos diagnósticos por dia, a maior desde 16 de setembro.

O Rio de Janeiro, segundo estado mais afetado pela pandemia, que tem 346.024 casos confirmados e 22.394 óbitos desde o início da pandemia, vem registrando alta na média móvel de contaminações e mortes há dez dias.

O novo surto já preocupa médicos e autoridades da saúde do Rio. Somente nesta quinta-feira (26), foram registradas 138 mortes - aumento de 20% em relação ao dia anterior -, e 2.029 novos casos. A taxa de ocupação de leitos também subiu e em algumas cidades 97% dos leitos para Covid estão ocupados

Em São Paulo, estado mais afetado pela pandemia, com 1.229.267 casos e 41.773 mortes, as notícias sobre novo surto começaram com médicos de hospitais privados alertando que os leitos estavam lotados, depois a rede pública também admitiu o aumento, mas o governador João Doria (PSDB) não anunciou medidas mais duras de isolamento social.

Ele decidiu analisar os indicadores só na segunda-feira (30), um dia depois do segundo turno das eleições municipais. O candidato do PSDB, Bruno Covas, concorre com o candidato do PSOL, Guilherme Boulos no próximo dia 29.

O comitê de saúde que assessora o governo de São Paulo no combate à Covid-19 até recomendou, na terça-feira (24), um aumento nas restrições de circulação no estado para combater o avanço do coronavírus, mas não teve jeito.

Em SP, as internações por Covid-19 apresentaram alta pela segunda semana seguida, segundo dados divulgados na segunda-feira (23). Houve um aumento de 17% nas internações entre os dias 15 e 21 de novembro, após aumento de 18% na semana anterior, de 8 a 14 de novembro. Estados.

Médias de mortes no Brasil

Em comparação aos últimos sete dias, a média móvel de mortes subiu em dez estados: RS, SC, ES, MG, RJ, SP, AC, AM, CE e SE.

Ficou estável, ou seja, o número de mortes não caiu nem subiu significativamente, em outros sete estados: MS, PA, RO, BA, MA, PB e PE

E está em queda em 9 estados mais o Distrito Federal: PR, DF, GO, MT, AP, RR, TO, AL, PI e RN.

Confira percentuais de aumento feitos pelo G1:

 Sul

  • PR: -24%
  • RS: +42%
  • SC: +62%

Sudeste

  • ES: +51%
  • MG: +24%
  • RJ: +88%
  • SP: +44%

Centro-Oeste

  • DF: -23%
  • GO: -33%
  • MS: -12%
  • MT: -68%

Norte

  • AC: +20%
  • AM:+51%
  • AP: -26%
  • PA: +12%
  • RO: -8%
  • RR: -64%
  • TO: -53%

Nordeste

  • AL: -19%
  • BA: -1%
  • CE: +119%
  • MA: +6%
  • PB: -6%
  • PE: +3%
  • PI: -32%
  • RN: -63%
  • SE: +16%