• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Empresa contratada pelo governo presta serviço para filho caçula de Bolsonaro

Produtora que recebeu R$ 1,4 milhão do governo neste ano, trabalhou fazendo fotos e vídeos na festa do filho do presidente em Brasília

Publicado: 10 Dezembro, 2020 - 16h50 | Última modificação: 10 Dezembro, 2020 - 17h29

Escrito por: Redação CUT

Reprodução/Twitter
notice

O 'empresário' e filho caçula do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL), Renan Bolsonaro, 22 anos, que o pai chama de zero quatro, deu uma festa para comemorar a inauguração de sua empresa, a Bolsonaro Jr Eventos e Mídia.

Quem fez a cobertura de fotos e vídeos, de graça, foi a produtora de conteúdo digital e comunicação corporativa  Astronautas Filmes, que presta serviços para o governo federal. A produtora recebeu R$ 1,4 milhão do governo Bolsonaro só neste ano.

De acordo com a Folha de S.Paulo, que publicou a notícia sobre a mamata federal, entre os trabalhos da produtora estão três peças produzidas para o Ministério da Saúde, a um custo de R$ 642 mil, segundo informou a pasta ao jornal - dois vídeos com o tema da Covid-19 e um sobre multivacinação.

A cerimônia de inauguração da empresa do filho do presidente foi realizada em outubro, no camarote 311 do estádio.  

O proprietário da Astronautas, Frederico Borges de Paiva, compareceu ao evento e aparece nas imagens, abraçando e brincando com 04.

Em seu perfil de uma rede social, o empresário também exibe uma foto ao lado do deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), um dos principais aliados do presidente.

A peça produzida de graça pela Astronautas para a Bolsonaro Jr Eventos e Mídia mostra o filho do presidente na maior parte do tempo dançando e cumprimentando os convidados.

Em determinado momento, Renan faz a clássica pose do pai, simulando disparar tiros para o céu, cercado por convidados. Apenas um deles usa máscara de proteção contra a Covid-19.

Pela lei, Renan ainda não pode entrar para a política (cônjuge e parentes do presidente são inelegíveis, a não ser em caso de reeleição) e, por isso, tenta a vida como empresário.

À Folha o proprietário da Astronautas admitiu que realizou os serviços para a empresa Renan. “Trocamos por permuta pela divulgação das nossas marcas, assim como fazemos em diversos outros projetos”, disse Paiva.

Também de acordo com a Folha, o deputado Federal Ivan Valente (PSOL-SP) reiterou pedido feito à Procuradoria da República do Distrito Federal, na manhã desta quinta-feira (10), para apurar a prática de crime de tráfico de influência e de lavagem de dinheiro por Renan Bolsonaro.

O deputado citou o caso revelado pelo jornal alegando que “trata-se de conduta extremamente grave, sobretudo porque a empresa de Renan Bolsonaro tem atuado abertamente para usar sua influência como filho do presidente da República para favorecer interesses privados junto ao governo federal”.

Reação no Twitter

A reação contrária ao modo de agir da família Bolsonaro, que pratica trafico de influência com tranquilodade, causou reação imediata nas redes sociais, em especial no Twitter.

"Mamata do bem", zombou o jornalista George Marques no Twitter, se referindo ao dicurso de Bolsonaro de que sua eleição havia acabado a mamata no Brasil.

O também jornalista Leonardo Sakamoto, escreveu: "A história reforça o entendimento de que a meritocracia é hereditária no Brasil. Ou, pelo menos, no clã Bolsonaro".

Luis Costa Pinto, outro jornalista, postou: "A família Bolsonaro é quadrilha de milicianos desqualificados com promotores que se prestam a financiá-la".