• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Em um ano, Marmitas da Terra distribui 55 mil refeições em Curitiba e Região

Ação voltada a pessoas em situação de vulnerabilidade do MST encontrou na cozinha a maneira de unir o campo e a cidade em ações de solidariedade que alimenta quem mais precisa nesta pandemia 

Publicado: 05 Maio, 2021 - 11h00 | Última modificação: 05 Maio, 2021 - 11h10

Escrito por: Jade Azevedo, do MST-PR

Jade Azevedo, do MST-PR
notice

A ação Marmitas da Terra do Movimento dos Trabalhadores Rurais do Paraná (MST-PR) completa um ano com 55 mil refeições distribuídas para a população carente de Curitiba e Região Metropolitana.  

Um total de 150 voluntários produziu 1.100 marmitas por semana, usando principalmente alimentos da reforma agrária e da agricultura familiar, além de doações. Ao todo, as famílias do MST no Paraná já doaram cerca de 600 toneladas de alimentos em todo o estado.

A solidariedade do MST contribui para trazer para a cozinha da cidade o debate sobre a reforma agrária popular além de alimentar com comida sem veneno a população em situação de rua da capital paranaense e região.

A ação, que começou no início da pandemia, no dia 2 de maio, produzia no início 300 marmitas. Com algumas semanas de cozinha funcionando, voluntários passaram a ajuda os militantes do MST e a cozinha aumentou a produção.

“Em cada entrega era evidente a necessidade de aumentar a produção de refeições e em 2020 fechamos o ano produzindo entre 700 e mil marmitas todas as quartas-feiras”, afirma Adriana Oliveira, integrante do MST e coordenadora do Marmitas da Terra.

Aos poucos mais mãos se somaram, voluntários, outras instituições, organizações, sindicatos e trabalhadores, preocupados com o cenário da pandemia e a ausência do poder público federal em conter o avanço da pobreza, desemprego e do vírus.

Karoline Oliveira, voluntária do Marmitas da Terra, conta que veio por meio de um chamado pelas redes sociais de outro projeto. "Num primeiro momento eu não sabia que a cozinha era do MST, eu conhecia o movimento, mas não tinha a dimensão do trabalho deles. Enquanto íamos descascando as mandiocas, batata doce, preparando os alimentos e montando as marmitas íamos também aprendendo mais sobre a importância daqueles alimentos na cultura camponesa e de onde eles vinham”, afirma.

Adriana explica que o projeto vem para matar a fome que está ali gritando na barriga da população, mas também para consolidar a participação da periferia de Curitiba na luta pelo seu direito à boa alimentação. “A ação não se centraliza somente em levar marmitas para essas famílias e sim em incentivar a criação de hortas, cozinhas e padarias coletivas nos bairros”.

Por isso a participação da associação de moradores, voluntários, das famílias do MST e dos sindicatos tem feito a diferença para viabilizar essa rede de solidariedade que vai além do assistencialismo e da pandemia. “A distribuição de alimentos é somente a primeira parte deste processo”, explica.

Adriana ressalta que o Marmitas da Terra foi uma oportunidade que abriu  espaço de diálogo e aproximação entre o trabalhador do campo e da cidade. "Foi um processo que começou na cozinha e deu um passo levando esse voluntário-militante da cidade para os espaços do movimento, assentamentos e acampamentos, para conhecer as famílias e aprender a trabalhar na terra”.

Plantar solidariedade para defender a vida

Desde setembro do ano passado, o coletivo decidiu fazer suas próprias hortas com legumes, grãos e hortaliças. “A ideia das hortas é produzir alimentos que sejam a base das marmitas que produzimos todas as quartas”, afirma Marco Antonio Pereira, integrante do MST e do Marmitas da Terra. “Com as hortas de ciclo curto e médio, o voluntário tem a chance de acompanhar todo o processo de mexer com a terra, plantar, colher e poder entregar esse alimento para quem precisa na marmita”.

Segundo ele, o coletivo dialogou com as famílias do MST do Assentamento Contestado, na Lapa, e com a Escola Latino Americana de Agroecologia para que ali fossem produzidas algumas hortas que seriam trabalhadas pelos voluntários da cozinha. A iniciativa deu certo, e até o momento já foram plantadas mais de 18 mil hortaliças, além de feijão, milho e arroz. Todos os sábados o mutirão sai da capital Curitiba e vai para o assentamento aprender a plantar, cuidar da terra e colher.

Os resultados vieram rápido. Em janeiro deste ano, o coletivo fez sua primeira grande colheita. Foram cerca de 4 mil quilos de feijão orgânico. Bárbara Górski Esteche, advogada, integrante do Movimento de Assessoria Jurídica Universitária Popular (MAJUP), conta que nunca tinha colhido feijão antes e que mesmo assim conseguiu participar efetivamente do trabalho com as instruções que recebeu. “Foi muito especial, principalmente pelo momento em que estamos vivendo de pandemia. Para o MAJUP também faz muito sentido porque desde o início participamos de ações junto ao MST”, acrescenta. O feijão colhido foi para três cozinhas comunitárias de Curitiba e também fez parte das doações de alimentos de fevereiro a famílias em situação de vulnerabilidade social em bairros periféricos da capital.

Neste 1º de maio, as comemorações do Dia Internacional dos Trabalhadores e Trabalhadora aconteceram em uma grande ação, batizada como “Plantar solidariedade para defender a vida”, em que o Marmitas da Terra participa junto a outras entidades, movimentos sociais e sindicatos em que foram doadas 560 cestas de alimentos e 100 cargas de gás a famílias do bairro Sabará, região sul da capital. O trabalho do coletivo iniciou uma horta comunitária junto aos moradores e o Centro de Assistência Social Divina Misericórdia (CASDM), espaço administrado pelo Centro de Integração Social Divina Misericórdia (CISDIMI), no bairro.

Por comida, vacina e saúde

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, são 14,200 milhões de trabalhadores e trabalhadoras desempregados e 6 milhões de desalentados (que desistiram de procurar emprego) – no Brasil.

Se a falta de trabalho cresce, a fome também é alarmante. Pelo menos 19 milhões de brasileiros passam fome e 116,8 milhões de pessoas, mais da metade dos domicílios no país, enfrentam algum grau de insegurança alimentar. A pesquisa é da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), divulgada no início de abril.

Além disso, este 1º de maio também traz os números de vítimas da pandemia. No Brasil, já são 400 mil mortes por conta da Covid-19, por isso a ação deste sábado também cobra o direito à vacinação para toda a população, a defesa do SUS e o auxílio emergencial de R$ 600 para cada trabalhador sem renda.