• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT debate economia solidária como referência para outro modelo econômico

Seminário da CUT apresenta experiências de união de forças de trabalhadores em empreendimentos solidários como caminho para sobreviver à crise econômica e ao desemprego

Publicado: 21 Agosto, 2019 - 15h29 | Última modificação: 23 Agosto, 2019 - 12h55

Escrito por: Andre Accarini

Roberto Parizotti
notice

Em tempos de desemprego e recessão, a economia solidária se mostra como caminho para geração de trabalho e renda, e de alternativas de desenvolvimento. Economia solidária é toda iniciativa que une pessoas em torno de um projeto, cada uma contribuindo com suas capacidades e habilidades, seja produção ou  administração. Mas é também uma alternativa ao sistema capitalista que explora economicamente a mão de obra. 

Com o objetivo de fazer uma análise da conjuntura atual do país para traçar estratégias de organização tanto de entidades da economia solidária como de trabalhadores, a CUT, por meio da Agência de Desenvolvimento Solidário (ADS), convidou diversas entidades como cooperativas, associações e outros grupos de trabalhadores para participar do Seminário Nacional Sindicalismo, Cooperativismo, Associativismo e Economia Solidária.

Os temas abordados englobam as transformações no mundo do trabalho, a concentração de renda e a relação da economia solidária com o movimento sindical.

Um dos principais desafios é lidar com as novas formas de trabalho, como os informais ou por conta própria, ambulantes que produzem o que vendem e até mesmo os trabalhadores que dependem de plataformas digitais como o Uber.

Ari Aloraldo do Nascimento, Secretário de Organização da CUT e coordenador da ADS, explica que esses trabalhadores têm demandas, e não têm ainda a exata consciência da necessidade de organização, por isso precisam de amparo.

Ari Aloraldo do Nascimento

 

E, segundo ele, é papel do movimento sindical, antes de propor a organização, conhecer as demandas de cada um. Ele exemplifica com os ambulantes, que têm como pauta principal a relação com o poder público. “Eles vão para as ruas todos os dias, mas na iminência de perderem tudo se o ‘rapa’ passar”. 

Outro caso, o dos trabalhadores de entregas por aplicativos (tais como Uber, Rappi e outros) são exemplos de trabalhadores “que carregam caixas pesadas nas costas, em uma bicicleta ou motocicleta, por muitos quilômetros durante o dia, e precisam entender que mesmo sendo ‘donos do próprio tempo’, têm de se proteger de alguma maneira para não serem explorados pelo poder econômico”. 

“Unir forças e unir trabalhadores é o conceito de economia solidária. Isso fortalece a organização do trabalho”, afirma Ari Aloraldo.

 

Empreendimentos e caminhos

Para além da organização dos trabalhadores, o objetivo do seminário, ainda segundo Ari, é aproximar as associações e cooperativas para que juntas possam ‘se conhecer’.

“Temos várias entidades nesse evento e muitas delas não conheciam as outras. Elas têm na CUT uma referência e esse distanciamento impede oportunidades. Por que não consumimos nossos próprios produtos?, questiona o dirigente, que responde: “É por que não nos conhecemos”.

Nessa linha de pensamento, o economista e professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), Ladislau Dowbor, deu como exemplo cidades em outros países, como na Europa e até mesmo nos Estados Unidos, em que as economias locais adotaram o conceito de economia solidária, e passaram a ser organizar regionalmente.

“As pessoas descobriram que, cidade por cidade, dá para organizar de maneira inteligente os sistemas sociais, os sistemas de saúde, e existem até consórcios intermunicipais para isso. Sistemas econômicos, inclusive”, explica o professor.

“É a economia de proximidade e o papel dos sindicatos deve ser formular caminhos para expandir a organização do potencial subutilizado de cada região”, complementa Ladislau Dowbor.

O professor e economista chegou a elaborar um documento, depois de várias pesquisas feitas no Brasil e no exterior, sobre o tema. O guia Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento Local contém 89 propostas práticas para o desenvolvimento de economias locais, em linguagem didática para ajudar comunidades a se fortalecerem.

 

Fausto Augusto Jr e Ladislau Dowbor

 

Modelo de gestão

Para o técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) Fausto Augusto Júnior, quaisquer estratégias para fortalecer os sistemas de economia solidária devem passar pela reformulação do modelo de gestão.

Para ele, é importante que a administração desses empreendimentos tenha como princípio mais importante a solidariedade. No primeiro dia de debates no seminário ele citou exemplos de empresas, nos anos 1990, que quebraram e foram assumidas pelos trabalhadores – as chamadas empresas recuperadas.

Fausto conta que as cooperativas passaram a administrar, mas a lógica capitalista anterior perdurou. “No fim havia a distribuição de lucros, mas a organização de produção não se renovou”, ele diz.

O entrave, segundo ele, se deu pela forma de atender às necessidades até pessoais dos trabalhadores, o que acontece não somente no caso de empresas recuperadas, mas em outras formas de associações.

“É preciso entender que os trabalhadores têm suas dificuldades, necessidades, horários, e capacidades e é preciso levar em consideração esses fatores para poder gerir o negócio, com o princípio da solidariedade do cooperativismo”.

Para auxiliar no modelo de gestão, tanto o técnico do Dieese como o professor Ladislau Dowbor apontaram a tecnologia como aliada. Segundo eles, é preciso, antes de mais nada, difundir o conhecimento, também de forma solidária.

“Quando você passa uma ideia adiante, você continua com essa ideia e isso é um conceito solidário”, afirma Dowbor.

O professor explica é necessário reforçar a “economia do conhecimento” para que as transformações em curso no mundo do trabalho – em todos os setores – possam ser enfrentadas.

Para ele, o conhecimento aliado à organização possibilita também uma melhor forma de gestão dos empreendimentos de economia solidária, evitando atravessadores que possam praticar uma exploração econômica prejudicial ao negócio, exemplo, aumentar preços na ponta final – a venda do produto.

 

Modelos solidários

 As entidades que participaram do seminário atuam em diversos ramos. Desde a produção e comercialização de alimentos e vestuário, passando por logísticas e transportes a até mesmo cooperativas de crédito.

O coordenador da ADS, Ari Aloraldo, cita um outro exemplo de como é possível criar oportunidades por meio da economia solidária. “No sul do país, temos no meio rural o sistema Cresol, uma cooperativa que empresa dinheiro com juros menores aos agricultores familiares, apoia a produção, além de ter outros ‘produtos’ como seguros”, conta o dirigente.

Essa experiência, ele diz, está servindo de referência para a categoria bancária de São Paulo, que já planeja lançar um cartão para os trabalhadores, independente das bandeiras tradicionais.

O seminário prossegue até está quinta-feira, quando serão elaboradas estratégias a serem seguidas para o fortalecimento da economia solidária e a organização desses trabalhadores.