• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Em conversa com Haddad, Pepe Mujica fala sobre Lula: ‘um mito’

Ao lado de Fernando Haddad, ex-presidente uruguaio reafirmou que Lula está no coração do povo brasileiro e está se tornando um mito. “E contra os mitos não se pode lutar”, disse

Publicado: 12 Dezembro, 2018 - 13h08 | Última modificação: 12 Dezembro, 2018 - 16h25

Escrito por: Andre Accarini

Ricardo Stuckert
notice

Nesta terça-feira (11), em Montevidéu, o ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, e um grupo de parlamentares do PT participaram de um ato público com dirigentes e lideranças da coalizão de partidos que governa o Uruguai desde 2005. O grupo também visitou o ex-presidente uruguaio, José “Pepe” Mujica, que mandou uma mensagem em apoio e solidariedade a Lula.

Lula é uma causa, não é um homem. Lula está no coração dos mais necessitados, dos carentes, onde residem as desigualdades.
- José 'Pepe' Mujica

 

Haddad, que foi o candidato do PT nas eleições presidenciais deste ano, assumiu em novembro passado a missão de articular uma Frente Internacional Progressista de resistência, organizada pelo PT, para denunciar o avanço do conservadorismo no Brasil, que vem retirando direitos sociais e trabalhistas conquistados com muita luta ao longo dos últimos anos.

Desde então, ele tem cumprido uma extensa agenda de articulações internacionais com líderes políticos e personalidades para mostrar ao mundo o cenário de retrocesso no país e, principalmente, falar sobre a prisão arbitrária de Lula, vítima de um processo fraudulento que resultou em uma prisão política, injusta, sem comprovação de qualquer tipo de crime, sem provas.

O objetivo da frente é unir esforços para barrar o avanço da direita no Brasil e em outros países e defender a liberdade de Lula.

Segundo Haddad, o momento exige muitas mediações. Para ele, a política é isso: “a arte de mediar para promover o desenvolvimento humano”.

Na linha de batalha

A presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffman, disse que é de extrema importância manter a resistência para fazer frente ao governo que tomará posse dia primeiro de janeiro, se referindo ao presidente de extrema direita eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

“Eles não vão ter o que dizer para as pessoas que vão continuar passando dificuldades. Quem vai ter o que dizer somos nós, que já fizemos. É o presidente Lula, que já criou e implantou políticas para a maioria do povo brasileiro”, disse.

O papel de Haddad, para a senadora, é fundamental nesse momento: “é representar os mais de 47 milhões de brasileiros que votaram nele para presidente da República e esse número só vai aumentar, porque logo vai começar a decepção com o novo governo”.

Nessa jornada, Haddad já passou pelos Estados Unidos. Ele foi convidado a integrar outra frente resistência, a Frente Internacional Progressista, idealizada pelo senador americano Bernie Sanders.

Cega e sem mediação

Nos EUA, o ex-candidato à presidência da República pelo PT participou do evento ‘Brazil Talk: O Brasil após as Eleições’, realizado na Universidade de Columbia. A submissão de Bolsonaro às ideias do presidente americano Donald Trump foi classificada por Haddad como ‘cega e sem mediação’.

“Esse movimento de ‘vamos fazer tudo o que os EUA quiserem’, vai moldando uma nova ordem e compromete conquistas que são caras ao que a gente chama de Ocidente”, disse Haddad.

Também nos Estados Unidos, Haddad anunciou um processo judicial contra o WhatsApp, para forçar a empresa, cuja sede é nos EUA, a esclarecer como o aplicativo foi usado para disseminação em massa de fake news (notícias falsas), em geral com mentiras contra ele, durante o período eleitoral.

Em casa

Na segunda (10), junto com representantes de várias forças políticas e sociais do Brasil, de países da América Latina e da Europa, Haddad participou de um ato no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, para exigir justiça e liberdade para Lula.

Ele foi o portador de uma carta enviada pelo ex-presidente, que apesar de ter todos seus direitos violados, confirma seu compromisso com Direitos Humanos.

Oito meses atrás eu estava aí no Sindicato dos Metalúrgicos, cercado pelo carinho e solidariedade de milhares de companheiros e companheiras que não se conformavam com minha prisão arbitrária e injusta. Quero dizer que continuo com vocês e todos os dias penso no futuro do nosso povo
- Lula