• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Dono da Havan e outros bolsonaristas são alvos da PF no inquérito das fake news

Polícia Federal cumpre 29 mandados de busca e apreensão na investigação que apura esquema de notícias falsas e ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal

Publicado: 27 Maio, 2020 - 09h42 | Última modificação: 27 Maio, 2020 - 21h40

Escrito por: Redação CUT

Agência Brasil
notice

A Polícia Federal cumpre nesta quarta-feira (27) 29 mandados de busca e apreensão na investigação que apura esquema de notícias falsas (fake news) e ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A ação foi determinada pelo relator do inquérito, ministro Alexandre de Moraes. Os policiais estão nas ruas no Distrito Federal e nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina.

Entre os alvos da operação estão o empresário bolsonarista Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, o presidente do PTB e mais novo aliado de Jair Bolsonaro (ex-PSL), o ex-deputado cassado Roberto Jefferson (RJ), e outros aliados do presidente como o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), a ativista Sara Winter, principal porta-voz do '300 do Brasil', grupo radical que está acampado em Brasília para defender Bolsonaro, e o blogueiro Allan dos Santos, do site Terça Livre.

A investigação sobre as fake news foi aberta em março do ano passado, por determinação do presidente do STF, Dias Toffoli, e apura denúncias de ameaças e ofensas disseminadas contra integrantes da corte e seus familiares. 

Em abril a Folha divulgou que as apurações teriam chegado ao vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro. Carlos reagiu, negando envolvimento em qualquer irregularidade. Na manhã desta quarta, em comentário publicado no Twitter, o vereador criticou a decisão do ministro Alexadre de Moraes de ordenar a operação da PF:

O que está acontecendo é algo que qualquer um desconfie que seja proposital. Querem incentivar rachaduras diante de inquérito inconstitucional, político e ideológico sobre o pretexto de uma palavra politicamente correta? Você que ri disso não entendo o quão em perigo está!

Postagem do Metropoles no Twitter afirma que também são alvos da PF as deputadas bolsonaristas Bia Kicis, que apareceu com uma máscara onde estava escrito 'e daí', resposta que Bolsonaro deu a jornalista quando foi questionado sobre o número de mortes por Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus; e Carla Zambelli, que ontem esteve na mira por ter antecipado uma operação da PF contra o governador do Rio, Wilson Witzel. Mas ambas disseram não ter sido notificadas. 

No portal do jornal, ambas aparecem na lista dos envolvidos divulgados até agora.

Confira a lista completa dos alvos da operação da PF: