• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Dirigentes sindicais da Guatemala foram presos por ter negociado um ACT

Confetam se irmana ao SNTSG e à ISP na exigência da libertação dos sindicalistas e orienta federações e sindicatos a cobrarem a retirada das acusações contra os dirigentes

Publicado: 01 Fevereiro, 2019 - 16h47 | Última modificação: 01 Fevereiro, 2019 - 17h24

Escrito por: Redação CUT

Reprodução
notice

Com a crise institucional dos últimos meses cada vez mais aguda, o governo do presidente da Guatemala, Jimmy Morales, aumentou sistematicamente a perseguição a líderes comunitários, ativistas, jornalistas e sindicalistas.

Em janeiro, os sindicalistas Luis Alpirez Guzmán, secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Saúde do país (SNTSG), e Dora Regina Ruano, também integrante da SNTSG, foram detidos por dez dias por terem assinado um Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), em 2013. Agora, estão em prisão domiciliar.

A acusação é por “abuso de autoridade”. O motivo: o Ministério da Saúde do país não disporia de recursos suficientes para pagar o que havia sido acordado nas negociações.

Luis Alpírez e Dora Regina foram presos em 17 e liberados nos dia 27 de janeiro, mas permanecem em liberdade vigiada até que uma nova audiência seja realizada.

Segundo Alpírez, a prisão é o resultado de uma “campanha que começou em 2015, produto de um pedido das Câmaras Empresariais para o acordo coletivo assinado por nós fosse declarado ilegal e injurioso para o Estado".

"No entanto, depois de quatro anos, o único crime pelo qual estamos presos é por" abuso de autoridade ". Eles não encontraram outra coisa senão isso ", explicou.

"Essa acusação é puramente para atender às exigências de alguns setores obscuros que se opõem à liberdade de associação, negociação coletiva e luta social no país. Eles nos condenam por assinar um benefício para mais de 50 mil trabalhadores ", esclarece.

"Estou muito feliz por seguir, junto com meus companheiros de equipe, lutando. Mas estou muito magoado, porque é um dano que eles fazem ao sindicalismo internacional, fazendo julgamentos baseados em presunções ", disse o secretário geral da SNTSG.

Quero enfatizar o seguinte: Luis Alpírez não foi preso, os trabalhadores e suas famílias eram presos, que se beneficiaram anos atrás com essa negociação coletiva
- Luis Alpirez Guzmán

Solidariedade internacional

A SNTSG e a Internacional de Serviços Públicos (ISP) iniciaram uma campanha internacional para exigir que o governo guatemalteco retire todas as acusações contra Dora e Luis e pare com a repressão contra todos os líderes comunitários, ativistas, jornalistas e sindicalistas.

A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT) se irmana às duas entidades na exigência da libertação imediata dos dois sindicalistas e orienta as 17 federações estaduais filiadas e os sindicatos de servidores públicos municipais do Brasil a aderirem à campanha de denúncia pública contra as arbitrariedades do governo de Jimmy Morales contra o movimento sindical no país.

Alpírez expressou sua gratidão pelo apoio internacional recebido e fez um chamado para continuar lutando em toda a região "para que os estados respeitem a negociação coletiva e parem de perseguir líderes na América Latina".

Já o presidente da Confederação Latino-americana e Caribenha de Trabalhadores do Estado, Julio Fuentes, agradeceu a solidariedade expressa pelos sindicatos membros, bem como pelas centrais sindicais e organizações internacionais. Em particular, destacou as ações da Confederação Sindical de Trabalhadores das Américas (CSA), da Confederação Sindical Internacional (CSI), da Public Services International (ISP) e da Associação Latino-Americana de Advogados Trabalhistas (ALAL).

Com apoio da Confederação Latino-americana e Caribenha de Trabalhadores do Estado e Confetam/CUT

carregando
carregando