• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Todo o apoio aos professores e professoras de São Paulo

CUT-SP, em nota oficial, condena intransigência e crueldade do governo Alckmin, que não negocia e ainda fechou mais de 3 mil salas

Publicado: 26 Março, 2015 - 14h33 | Última modificação: 26 Março, 2015 - 14h44

Escrito por: CUT-SP

Roberto Parizotti
notice
Assembleia que decidiu pela greve, no dia 13 de março

A Central Única dos Trabalhadores de São Paulo e seus sindicatos filiados expressam sua solidariedade à Apeoesp e aos professores e professoras de todo o estado, que estão na luta por sua campanha salarial.

A postura intransigente do governo Geraldo Alckmin (PSDB), que não abre diálogo à negociação, só reforça a desvalorização da categoria pela gestão estadual paulista – atitude que também afeta aos alunos, seus pais e mães trabalhadores.

Até o momento, o governo Alckmin se limitou a divulgar, por meio do Diário Oficial, que não tem recursos nem para reajuste salarial, nem para pagamento de bônus – como se os trabalhadores (as) do setor não sofressem o suficiente com os baixos salários, condições precárias de atuação e recebendo vale-refeição de R$ 8,00 em média, entre outros problemas que afetam o seguimento. 

Representando 230 mil professores (as) em todo o estado, a Apeosp está lutando por aumento salarial de 75,33%, para equiparação com as demais categorias com formação de nível superior, como determina a meta 17 do Plano Nacional de Educação (PNE). 

Entre outras reivindicações, os professores (as) também querem a conversão do bônus em reajuste e a reabertura das 3.300 salas de aula fechadas no período noturno, medida arbitrária do governo estadual que prejudica, principalmente, os alunos (as) que trabalham e só podem estudar à noite.

Há, ainda, a situação enfrentada pelos quase 15 mil professores categoria “O”, com contratação temporária precária e sem os mesmos direitos que os demais trabalhadores do setor. 

Sendo a educação um dos pilares para o desenvolvimento do país, a CUT São Paulo lamenta que a categoria seja tratada dessa forma, como ocorre com o conjunto do funcionalismo público, vítima do desmonte do estado pelo governo estadual paulista. 

Todo apoio às professoras e professores!